Tanatologia e estudo da morte: olhar sobre a produção científica em acesso aberto

Rosangela Cordeiro de Souza Assef Neto, Cláudia Oliveira da Silva, Cícera Henique da Silva, Maria Cristina Soares Guimarães, Rosane Abdala Lins

Resumo


A morte sempre foi um desafio para os profissionais de saúde, como médicos, enfermeiros e psicólogos, que a tem no cotidiano de sua práxis. A formação de profissionais de saúde não só com as competências inerentes de cada curso, mas cobrindo todas as etapas do ciclo vital, inclusive a terminalidade e a morte, torna-se cada vez mais necessária. Os cursos de Tanatologia no Brasil ainda são poucos, e considerando esse cenário, ressalta-se a importância da publicação científica em acesso aberto sobre o tema. Buscou-se com esse estudo traçar um panorama da produção científica mundial, na tipologia artigo de periódico, e o que desta produção está em acesso aberto. A busca foi realizada na Web of Science para no período 1990 a 2018, filtrando na própria base a produção em acesso aberto. Após o tratamento dos dados, o total de artigos de periódicos resultante foi 872, e dentre estes o número de artigos publicados em acesso aberto foi de 154 registros. Dentre os países que mais publicam sobre o tema, destacam-se os EUA seguidos pelo Reino Unido. Ao olhar a publicação em acesso aberto o Brasil salta para a 4º posição no ranking mundial, com duas pesquisadoras Brasileiras entre os principais autores, Conclui-se com esse estudo que há uma crescente produção sobre o tema e principalmente na perspectiva do acesso aberto, com a participação marcante do Brasil e o interesse de vários países sobre o estudo da temática.


Palavras-chave


Tanatologia; Produção científica; Acesso aberto; Bibliometria; Estudo da morte

Texto completo:

PDF

Referências


BIFULCO, A.; IOCHIDA, L.C. A formação na graduação dos profissionais de saúde e a educação para o cuidado de pacientes fora de recursos terapêuticos de cura. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 33, n. 1, 2009. Disponível em: . Acesso em 10 nov. 2018.

BRÊTAS, J.R.S.; OLIVEIRA, J. R.; YAMAGUTI, L. Reflexões de Estudantes de Enfermagem sobre Morte e Morrer. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 40, n. 4, p. 477-83, 2006. Disponível em: . Acesso em 10 nov. 2018.

CARVALHO, M. V. B.; PERINA, E. M. Cuidados paliativos pediátricos: a essência do cuidar da criança/adolescente/familiares nas situações limites. Mundo Saúde, v. 27, n. 1, p. 93-7, 2003.

GUIMARÃES, M. C. S.; SILVA, C. H.; NORONHA, I. H. RI é a resposta, mas qual é a pergunta? Primeiras anotações para a implementação de repositório institucional. In: Sayão, Luis et al. (Org.). Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. Salvador: EDUFBA, 2009. p.261-281

PERDICARIS, A. A. M. A semiótica da morte e do morrer: um desafio à comunicação institucional. In: REZENDE, V. L. (Org.). Reflexões sobre a vida e a morte: abordagem interdisciplinar do paciente terminal. Campinas: Ed UNICAMP; 2000.p.107-17.

SANTORO, D.C.; OLIVEIRA, C.M. Considerações sobre morte súbita no contexto do cuidado. Revista Científica dos Profissionais de Enfermagem – Enfermagem Brasil, v.5, setembro/outubro 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Rosangela Cordeiro de Souza Assef Neto, Cláudia Oliveira da Silva, Cícera Henique da Silva, Maria Cristina Soares Guimarães, Rosane Abdala Lins

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.


Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict)
SAUS - Setor de Autarquias Sul, Quadra 5, Lote 6, Bloco H
Seção de Editoração - sala 500
CEP 70070-912
Brasília-DF, Brasil

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo publicado nesta revista está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.