Acesso Aberto em saúde suplementar: a construção da memória institucional de uma agência reguladora

  • Luis Guilherme Gomes de Macena Fundação Oswaldo Cruz. Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde
  • Maria de Lourdes de Brito Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Saúde suplementar, Acesso aberto, Repositório digital, Bibliotecário

Resumo

A área de saúde suplementar no Brasil tem como marco regulatório a Lei n. 9.656 de 1998 e consequentemente a criação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), pela Lei n. 9.661 de 2000, órgão responsável pela regulação e fiscalização da saúde suplementar no Brasil. Diante desse marco, a ANS assume um papel fundamental como a principal instituição nacional e de referência na temática, contribuindo não apenas como agência reguladora, mas também atuando na difusão de informação em saúde suplementar e apoiando institutos, pesquisadores e estudos sobre o tema. Com o papel de promover e democratizar o conhecimento técnico-científico em saúde suplementar, a ANS propos a criação de um repositório digital cujo objetivo é organizar e disseminar a memória institucional e informação técnica científica em saúde suplementar. A proposta do presente trabalho é abordar o repositório digital (RD) na ANS como ferramenta de preservação, organização e disseminação da memória institucional e apresentar a importância do profissional bibliotecário no processo da captura, organização, recuperação e disseminação da informação tecnico-científica para construção da memória institucional.

Biografia do Autor

Maria de Lourdes de Brito, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Faculdade de Direito 

Publicado
20/03/2020