A gestão da informação nos aplicativos de delivery online de alimentação: o caso em uma empresa do interior de São Paulo

  • Rodrigo da Silva Stecca Universidade Estadual Paulista - Unesp
  • João Guilherme de Camargo Ferraz Machado Universidade Estadual Paulista (Unesp)
  • Gessuir Pigatto Universidade Estadual Paulista (Unesp)
  • Carlos Francisco Bitencourt Jorge Universidade de Marília (Unimar)
Palavras-chave: Informação. Competitividade. App. Comida online.

Resumo

O setor de alimentação fora do lar tem apresentado crescimento constante na última década e a utilização de tecnologias para intermediar o processo de aquisição de alimentos tem se apresentado uma solução bastante aceita entre os consumidores. As transações efetuadas por meio desses aplicativos geram uma considerável quantidade de dados que devem ser gerenciados e analisados pelas empresas com o intuito de geração de informações e inteligência. Por isso, o presente trabalho buscou analisar como uma empresa de aplicativo de delivery de comida utiliza a Gestão de Informação para dar suporte às decisões estratégicas. Em relação a metodologia, a natureza é qualitativa, do tipo descritiva-exploratória, cujo método é o Estudo de Caso. A coleta de dados foi composta por três etapas e foi utilizada a técnica de triangulação de dados, com entrevistas semiestruturadas com os gestores, questionários fechados aplicados aos colaboradores e observação in loco. A amostra foi composta por uma empresa aplicativos de delivery online do setor de alimentos do interior de São Paulo. Os resultados evidenciaram que a empresa faz o uso dos dados disponíveis em seus bancos de dados internos para a tomada de decisão, mas não possui um processo estruturado para coleta, análise e disseminação da informação. Por isso, entende-se que não há uma cultura informacional aplicada de forma organizada na empresa, fator que certamente proporcionaria um diferencial competitivo se utilizado. Os resultados obtidos poderão servir de base para a investigação em outras empresas, uma vez que a análise individual não permite a generalização dos dados.

Biografia do Autor

Rodrigo da Silva Stecca, Universidade Estadual Paulista - Unesp

Bacharel em Administração pela Faculdade Reges de Osvaldo Cruz. Mestrando em Agronegócio e Desenvolvimento pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Tupã, São Paulo, Brasil.

URL: http://lattes.cnpq.br/1386550799625921

E-mail: rodrigosstecca@gmail.com
João Guilherme de Camargo Ferraz Machado, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Professor Associado na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Tupã, São Paulo, Brasil.

URL: http://lattes.cnpq.br/8648672926501949

E-mail: jg.machado@unesp.br
Gessuir Pigatto, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Professor Associado na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Tupã, São Paulo, Brasil.

URL: http://lattes.cnpq.br/9086864482895461

E-mail: gessuir.pigatto@unesp.br
Carlos Francisco Bitencourt Jorge, Universidade de Marília (Unimar)

Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). Docente e Pesquisador na Universidade de Marília (UNIMAR), Marília, São Paulo, Brasil.

URL: http://lattes.cnpq.br/4696188844031387

E-mail: bitencourt@gmail.com

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BARES E RESTAURANTES - ABRASEL. Brasileiro aumenta despesa com alimentação fora de casa. Publicado em 09 out. 2019. Disponível em: <https://abrasel.com.br/noticias/noticias/brasileiro-aumenta-despesa-com-alimentacao-fora-de-casa/>. Acesso em: 29 jan. 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE REFEIÇÕES COLETIVAS (ABERC). Mercado Real. Disponível em: <http://www.aberc.com.br/mercadoreal.asp?IDMenu=21>. Acesso em: 29 jan. 2020.

BASTOS, R. L. Ciências humanas e complexidades: projetos, métodos e técnicas: o caos, a nova ciência. 2. ed. Rio de Janeiro: E-papers, 2009, p. 146.

CAI, S.; JUN, M. Percepções dos usuários da Internet sobre a qualidade do serviço online: uma comparação de compradores on-line e pesquisadores de informações. Gerenciando a Qualidade do Serviço, n.13, 2003, p. 504-519.

CARVALHO, L. F.; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. de. Gestão Da Informação: Estudo Comparativo Entre Quatro Modelos. BIBLOS: Revista Do Instituto De Ciências Humanas e Da Informação, v. 28, n. 1, p. 71–84. 2014.

CHEN, S.C., CHEN, H.H., CHEN, M.F. Determinants of Satisfaction and Continuance Intention towards Self-service Technologies, Industrial Management & Data Systems, v. 109, n. 9, p. 1248-1263, 2009.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. 2. ed. São Paulo: SENAC, 2006.

CORREA, G. F.; CAMPOS, B. M. Comportamento empreendedor e competitividade: um estudo exploratório em restaurantes self-service (RSS). In: 30º EnANPAD, 2006, Salvador. Anais… EnANPAD, 2006.

DING, X., VERMA, R. e IQBAL, Z., “Self-service technology and online financial service choice”, International Journal of Service Industry Management, Vol. 18 No. 3, pp. 246-268, 2007. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1108/09564230710751479>. Acesso em 29 jan. 2019.

FAUVEL, T.H.F.; VALENTIM, M. L. P. Informação orgânica como subsídio para o processo de inteligência competitiva organizacional. In: VALENTIM, M.L. (Org.) Gestão da Informação e do Conhecimento. São Paulo: Polis, 2008. p. 229-241.

FERREIRA NETO, J.; OCANHA, K. L.; SILVA, P. C.; BRUSAMOLIN, V.; WEINERT, W. R. Desenvolvimento de um aplicativo móvel e web para gerenciamento de pedidos de delivery, entregas e pagamentos. Revista Ciência é a minha praia, v.2, n. 1, p. 63-67, mar., 2017.Disponível em: <http://infoprojetos.com.br/revistas/index.php/Cienciaminhapraia/article/download/70/86>. Acesso em: 03 abr. 2020.

FITZSIMMONS, J.A. Is self-service the future of services? Managing Service Quality: An International Journal, Vol. 13 No. 6, pp. 443-444, 2003. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1108/09604520310506496>. Acesso em 29 out. 2018.

GODOY, A. S., Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v.35, n.2, p. 57-63, 1995.

GRANERO, A. E.; COUTO, T. C. Consumo no ciberespaço: a explosão de aplicativos de dispositivos móveis que ajudam a controlar a vida na palma da mão. Revista GEMInIS, v. 4, n. 2, p. 89-105, dez. 2013. Disponível em: <http://www.revistageminis.ufscar.br/index.php/geminis/article/view/147/116>. Acesso em: 13 abr. 2019.

GRÖNROOS, C., GUMMERUS, J. The service revolution and its marketing implications: service logic vs service-dominant logic. Managing Service Quality. v. 24, p. 206-229, 2014. Disponível em: <https://doi.org/10.1108/MSQ-03-2014-0042>. Acesso em 15 abr. 2019.

GREWAL, D.; ROGGEVEEN, A. L.; NORDFÄLT, J. The future of retailing. Journal of Retailing, v.93, n.1, p.1-6, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.jretai.2016.12.008. Acesso em: 16 mar. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: despesas, rendimentos e condições de vida. IBGE, 2010. Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em 1º nov. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. PAS: Pesquisa Anual de Serviços. 2018. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/2610> Acesso em: 21 mai. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018: POF 2017-2018: Famílias com até R$ 1,9 mil destinam 61,2% de seus gastos à alimentação e habitação. IBGE, 2019. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25598-pof-2017-2018-familias-com-ate-r-1-9-mil-destinam-61-2-de-seus-gastos-a-alimentacao-e-habitacao>. Acesso em 29 jan. 2020.

LEON, F. H. A. D.; THOMAZ, J. C.; MEIRELLES, D. S. E. Concentração das atividades de serviço no Brasil. In: 1º Simpósio Brasileiro de Ciência de Serviços, BRASÍLIA, 2010.

MACHADO, J. G. C. F; JORGE C. F. B.; SANTOS C. E. M. A gestão da informação e o processo de inteligência competitiva na produção rural: uma discussão preliminar. Anais 55º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural – SOBER. Santa Maria - RS, 30 jul. a 03 ago., 2017Disponível em: <http://icongresso.itarget.com.br/tra/arquivos/ser.7/8390.pdf> Acesso em: 22 set. 2018.

MARICATO, P. Como montar e administrar bares e restaurantes. São Paulo: SENAC, São Paulo, 2002.

MARÓSTICA, E. (Org.) Inteligência de mercado. São Paulo: Cengage Learning, 2014. 192p.

MEIRELLES, D. S. Características das firmas e dos setores de serviço, segundo o processo de trabalho. In: NEGRI, J. A.; KUBOTA, L. C. (Org.). Estrutura e dinâmica do setor de serviços no Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2006. Cap. 10.

MEIRELLES, F. S. 29ª Pesquisa anual do uso de TI. São Paulo: GVCia/EAESP/FGV, 2018. Disponível em: <https://eaesp.fgv.br/sites/eaesp.fgv.br/files/pesti2018gvciappt.pdf>. Acesso em 26 nov. 2019.

MELO, E. S.; CALAZANS, D. L. M. S. Gestão de custos em serviços de alimentação: uma revisão sistemática. Revista Uni-RN, Natal, v. 16, n. 1/2, p 110-131, jan./jun. 2018. Disponível em: <http://revistas.unirn.edu.br/index.php/revistaunirn/article/view/409/352>. Acesso em 05 ago. 2019.

MOLINA, L. G. Gestão da informação e do conhecimento e as TICs aplicadas aos portais corporativos. In: VALENTIM, M.L.P. (Org.) Gestão da Informação e do Conhecimento. São Paulo: Polis, 2008. p. 71-92.

MORITZ, G. de O.; MORITZ, M. O.; PEREIRA, M. F. Planejamento por cenários prospectivos: referencial metodológico baseado em casos para a aplicação prática nas organizações. São Paulo: Atlas, 2012.

PONJUÁN DANTE G. Gestión de Información: dimensiones e implementación para el éxito organizacional. Rosario: Nuevo Parhadigma, 2004.

PONJUÁN DANTE, G. Gestión de información en las organizaciones: principios, conceptos y aplicaciones. Santiago: CECAPI-Universidad de Chile, 1998.

RODRIGUES, L. C.; FERNANDEZ, M. J. Alinhamento estratégico da tecnologia de informação e inteligência competitiva. Revista inteligência competitiva, v.1, n.3, p3 328-344, 2012.

STAREC, C. Gestão da informação, inovação e inteligência competitiva: como transformar a informação em vantagem competitiva nas organizações. São Paulo: Saraiva, 2012.

SPCBRASIL. 59% dos internautas já fizeram ao menos uma compra por meio de aplicativos, mostra pesquisa do SPC Brasil e CNDL. Disponível em: <https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas/pesquisa/3288>. Acesso em: 12 mai. 2019.

VALENTE, J. Brasil é o 5º país em ranking uso diário de celulares no mundo. Agência Brasil. Disponível em: < http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-01/brasil-foi-5o-pais-em-ranking-de-uso-diario-de-celulares-no-mundo>. Acesso em: 15 jun. 2019.

VERÍSSIMO, P.; MORETTI, S. L. do A.; OLIVEIRA, S. L. I. de. O uso de aplicativos móveis no setor de alimentos e bebidas: uma análise do comportamento do usuário de novas tecnologias. Perspectivas em Ciências Tecnológicas, v. 6, n. 6, p. 29-42, 2017. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/318324833_o_uso_de_aplicativos_moveis_no_setor_de_alimentos_e_bebidas_uma_analise_do_comportamento_do_usuario_de_novas_tecnologias_the_use_of_mobile_applications_in_the_food_and_beverage_industry_a_user_behavio>. Acesso em: 31 out. 2018.

YIN, R.K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

YIN, R.K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Publicado
24/11/2020
Como Citar
SteccaR. da S., MachadoJ. G. de C. F., PigattoG., & JorgeC. F. B. (2020). A gestão da informação nos aplicativos de delivery online de alimentação: o caso em uma empresa do interior de São Paulo. Ciência Da Informação, 49(2). Recuperado de http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/5151
Seção
Relatos de Experiências