A imprensa feminina no Rio de Janeiro, anos 20: um sistema de informação cultural

Kátia de Carvalho

Resumo


A implantação da imprensa periódica brasileira no século XIX influencia as origens da imprensa feminina que ressurgiu na década de 20, quando as questões relativas à emancipação feminina começavam a aparecer na imprensa. As mulheres se organizaram associativamente e passaram a reivindicar maior participação na sociedade em mudança. O papel da imprensa dedicada à mulher, servindo à causa feminina, cumpriu a função de publicizar o privado feminino no Rio de Janeiro, espaço público onde o centro do poder político se instalou e se transformou no mais importante pólo cultural do país. A imprensa feminina na década de 20, como veículo do ideário moderno, espaço de modernização do parque gráfico, instrumento de legitimação de novos espaços de expressão dos intelectuais e veículo da moda, da informação utilitária, da vida social, cumpriu o seu papel utilizando um discurso inovador ao exercer a função mediadora entre a esfera pública e a esfera privada nessa cidade.

Palavras-chave


Imprensa; Informação cultural; Mulher; Sistema de informação; Rio de Janeiro; Brasil

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 1969 Kátia de Carvalho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.


Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict)
SAUS - Setor de Autarquias Sul, Quadra 5, Lote 6, Bloco H
Seção de Editoração - sala 500
CEP 70070-912
Brasília-DF, Brasil

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo publicado nesta revista está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.