Apresentação

Geni Chaves Fernandes

Resumo


 

            À crescente valorização do estatuto da informação, pelo menos desde o final do século XIX, articularam-se diferentes momentos de seu exame, uso e entendimentos. Pode-se dizer que a trajetória das interrogações e respostas sobre a informação co-responderam, no sentido de que responderam juntamente e em cada tempo, aos modos de sociabilidade, de produção e distribuição de bens e conhecimentos, às inovações tecnológicas e ao pensamento filosófico. A afirmação de Nietzsche (1994, p. 100, tradução livre nossa) de que "[...] só se pode definir o que não tem história", parece indicar, como no caso da informação, uma historicidade própria dos conceitos, que condensam, apresentam e ocultam disputas de construção de realidade por significações. 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21728/logeion.2015v1n2.pi-iv

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






 
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (cc BY 4.0)
 
 Logeion: Filosofia da Informação - e-ISSN 2358-7806, IBICT.