Maravilhoso informacional: crítica da filosofia da informação sob uma reflexão hermenêutica entre Medievo e Modernidade

Gustavo Silva Saldanha

Resumo


O objetivo deste estudo é discutir as questões inerentes aos conceitos de informação e conhecimento a partir de uma epistemologia histórica. A análise a partir de um olhar comparado entre os séculos XIII e XX contribui para o esclarecimento crítico da elaboração de tais conceitos e seu uso. Ambos os períodos refletem momentos de profundas transformações sociais orientadas no estatuto epistemológico das instituições de ensino e de pesquisa. Propomos como metodologia um estudo hermenêutico das noções de informação e conhecimento, junto de complexidade e maravilhoso, nos períodos mencionados. Nosso campo empírico posiciona-se em torno de dois indícios da formação discursiva: uma filosofia do conhecimento na Idade Média, explicitada nas práticas das primeiras universidades que florescem no século XII, e uma filosofia da informação, que se desenvolve na atualidade na epistemologia da Ciência da Informação. O estudo permite um olhar crítico sobre certas classificações consagradas, como a Idade Média como período sombrio ao conhecer e apenas fundamentado na noção de acesso ao conhecimento pela narrativa, e a pós-modernidade como etapa histórica promotora do conhecer, dependente tão somente da informação objetiva para a apreensão dos saberes.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21728/logeion.2014v1n1.p20-42

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0