Educação corporativa e educação emancipatória: a estratégia de inclusão social das universidades corporativas

Consuelo Sielski, Eleonora Jorge Ricardo

Resumo


O presente artigo discute a importância da educação corporativa como espaço de inclusão do trabalhador e dedesenvolvimento de sua autonomia, do espírito criador, de sua capacidade de refletir e criticar. Nesse sentido, o textoapresenta a educação emancipatória como uma possibilidade para o trabalhador. Assim, as universidades corporativassão destacadas como estratégicas para que programas educacionais compromissados com a emancipação do trabalhadorsejam empreendidos pelas organizações. São trazidos ao texto as reflexões de Borges, Freire, Morin, Mundim, Ricardo eSilva sobre educação, educação corporativa, educação emancipatória, educação integral, autonomia, pensamento crítico ereflexivo. O estudo pautado em uma análise crítica da educação do trabalhador e das universidades corporativas, baseadonas leituras e práticas cotidianas de seus autores, apresenta o papel social das universidades corporativas, concluindo com anecessidade de expansão das práticas educacionais dessas unidades de aprendizagem para a comunidade, sejam aquelaspróximas às empresas ou mesmo as que necessitam do apoio organizacional. Assim, também, devem ser consideradas asações de inclusão daqueles que ainda não se encontram inseridos no sistema produtivo e vislumbrada a parceria empresauniversidade-escola-trabalhadores.


Palavras-chave


Educação corporativa; Educação emancipatória; Educação integral; Inclusão social; Trabalhadores.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Consuelo Sielski, Eleonora Jorge Ricardo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.