Primavera nos dentes: fuga e resistência na era digital | Spring in your teeth: escape and resistance in the digital era

Solange Puntel Mostafa, Denise Viuniski da Nova Cruz, Igor Soares Amorim

Resumo


RESUMO Big data é um fenômeno que coloca novos desafios para diversos profissionais, entre eles o cientista da informação. No capitalismo contemporâneo, a gestão de enormes conjuntos de dados digitais é imprescindível à garantia ou manutenção do poder. Problematiza as formas de resistências compreendidas como contrapoder ou contrainformação. Para isso, aborda as implicações sociais e políticas do big data, destacando possibilidades de apropriação dos dados pela arte e pela filosofia, capazes de gerar linhas de fuga. Aproxima as noções de big data e de sublime kantiana para, então, conceber o conceito filosófico de devir sublime enquanto o que resiste e difere na nova dinâmica de saber-poder.

Palavras-chave: Big Data; Metadado; Contrainformação; Devir-Sublime.

ABSTRACT

Big data is a phenomenon that poses new challenges to various professionals, including information scientists. In contemporary capitalism managing huge collections of digital data seems to be essential to ensure or maintain power. This article discusses forms of resistance understood as counter-power or counter-intelligence. To do so, it addresses social and political implications of big data, highlighting data as possible objects of art and philosophy, capable of generating lines of flight. It also considers joining the notions of big data and the Kantian sublime to propose a philosophical concept of becoming-sublime as that which resists and differs in the new dynamics of knowledge-power.

Keywords:Big Data; Metadata; Counter-Information; Becoming-Sublime

    


Palavras-chave


Big Data; Metadado; Contrainformação; Devir-Sublime.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18617/liinc.v11i2.831

Apontamentos

  • Não há apontamentos.