Emoções e redes colaborativas na resiliência informacional

  • Fellipe Sá Brasileiro Departamento de Comunicação, Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil https://orcid.org/0000-0002-1158-8909

Resumo

Discute o conceito de resiliência informacional a fim de estabelecer uma relação entre emoções e redes colaborativas em contextos de ruptura do cenário de informação. Decorre de uma análise conceitual baseada em pesquisas empíricas que exploram o conceito de resiliência informacional no campo da informação. Observa que as emoções determinam as redes colaborativas e a transição frente às incertezas informacionais. Conclui que a perspectiva das emoções pode auxiliar a análise dos processos coletivos de enfrentamento, transição e autonomia informacional em contextos de ruptura dos cenários de informação, como o da infodemia sanitária digital gerada pela COVID-19.

Referências

ARAÚJO, C. A. À. Paradigma social nos estudos de usuários da informação: abordagem interacionista. Informação & Sociedade, v. 22, n. 1, p. 145-159, 2012.

ARAÚJO, C. A. À. O que são “práticas informacionais”?. Informação em Pauta, v. 2, n. esp. p. 217-236, 2017.

BOURDIEU, P. The forms of capital. In: RICHARDSON, J. (Ed.). Handbook of theory and research for the sociology of education. New York: Greenwood, 1986.

BRASHERS, D. E.; GOLDSMITH, D. J.; HSIEH, E. Information seeking and avoiding in health contexts. Human Communication Research, v. 28, n. 2, p. 258–271, 2002.

BRASILEIRO, F. S. A resiliência informacional no contexto da microcefalia. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, v. 12, n. 2, p. 339-347, 2017.

BRASILEIRO, F. S. Resiliência informacional em redes sociais virtuais: práticas colaborativas, emoções e mobilidade. João Pessoa: Editora UFPB, 2019.

COLLINS, R. Interaction ritual chains. New Jersey: Princeton, 2004.

COX, A. M. An exploration of the practice approach and its place in information science. Journal of Information Science, v. 38, n. 2, p. 176–188, 2012.

GOFFMAN, E. Interaction ritual: essays on face-to-face behavior. New York: Doubleday, 1967.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. Novas fronteiras tecnológicas das ações de informação: questões e abordagens. Ciência da Informação, v. 33, n. 1, p. 55–67, 2004.

HICKS, A.; LLOYD, A. Article It takes a community to build a framework: Information literacy within intercultural settings. Journal of Information Science, v. 42, n. 3, p. 334–343, 2016.

JOHNSON, J. DAVID.; CASE, D. O. Health information seeking. New York : Peter Lang, 2012.

KARLOVA, N. A.; FISHER, K. E. A social diffusion model of misinformation and disinformation for understanding human information behaviour. Information Research, v. 18, n. 1, p. 1-17, 2013.

LING, R. S. The mediation of ritual interaction via the mobile telephon. In: Katz, J. (Ed.) Handbook of mobile communication. MIT Press, 2008.

LLOYD, A. Framing information literacy as information practice: site ontology and practice theory. Journal of Documentation, v. 66, n. 2, p. 245–258, 2010.

LLOYD, A. Trapped between a rock and a hard place: what counts as information literacy in the workplace and how is it conceptualized?. Library Trends, v. 60, n. 2, p. 277–296, 2011.

LLOYD, A. Building information resilience: how do resettling refugees connect with health information in regional landscapes: implications for health literacy. Australian Academic and Research Libraries, v. 45, n. 1, p. 48-66, 2014.

LLOYD, A. Stranger in a strange land: enabling information resilience in resettlement landscapes. Journal of Documentation, v. 71, n. 5, p. 1029-1042, 2015.

MCKENZIE, P. J. A model of information practices: a model of information practices in accounts of everyday-life information seeking. Journal of Documentation, v. 59, n. 1, p.19-40, 2003.

MORGAN-THOMAS, A.; DESSART, L.; VELOUTSOU, C. Digital ecosystem and consumer engagement: a socio-technical perspective. Journal of Business Research, 2020. No prelo.

O’BRIEN, M.; MOORE, K.; MCNICHOLAS, F. Social media spread during Covid-19: the pros and cons of likes and shares. Irish Medical Journal, v. 113, n. 4, p. 52, 2020.

OJEDA, E. N. S. Uma concepção latino-americana: a resiliência comunitária. In: MELILLO, A.; OJEDA, E. N. S. (Ed.). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Porto Alegre: Atmed, 2005.

OPAS. Entenda a infodemia e a desinformação na luta contra a COVID-19. Disponível em: www.paho.org/ish. Acesso em: 22 out. 2020.

PINTO, P. A.; BRASILEIRO, F. S.; ANTUNES, M. J. L; ALMEIDA, A. M. P. COVID-19 no Instagram: práticas de comunicação estratégica das autoridades de saúde durante a pandemia. Comunicação Pública, v. 15, n. 29, 2020.

PUTNAM, R. D. Bowling alone the collapse and revival of american community. New York, 2000.

RECUERO, R. Atos de ameaça à face e à conversação em redes sociais na internet. In:

PRIMO, A. (Ed.). Interações em rede. Porto Alegre: Sulina, 2013.

ROCHA, J. A. P.; GANDRA, T. K. Práticas informacionais: elementos constituintes. Informação & Informação, v. 23, n. 2, p. 566-595, 2018.

SAVOLAINEN, R. Information behavior and information practice: Reviewing the “umbrella concepts” of information-seeking studies. Library Quarterly, v. 77, n. 2, p. 109–132, 2007.

SAVOLAINEN, R. Everyday information practices: a social phenomenological perspective. Lanham, MD: Scarecrow Press, 2008.

SCHATZKI, T. The site of organizations. Organization Studies, v. 26, n. 3, p. 465-484, 2005.

SILVA, S. DE C. M. Reconstruções da maternidade por mães na transição dos filhos para a vida adulta. 2012. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

SODRÉ, M. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

ZAROCOSTAS, J. How to fight an infodemic. The Lancet, v. 395, n. 10225, p. 676, 2020.

Publicado
11/12/2020
Como Citar
Sá BrasileiroF. (2020). Emoções e redes colaborativas na resiliência informacional. Liinc Em Revista, 16(2), e5309. https://doi.org/10.18617/liinc.v16i2.5309
Seção
Perspectivas e desafios informacionais em tempos da pandemia da Covid-19