A “infodemia” e a conquista do Estado brasileiro: da Ditadura empresarial-militar ao consenso neoliberal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v17i1.5688

Palavras-chave:

Infodemia, Desinformação, Neoliberalismo, Ditadura, Brasil

Resumo

Os recentes debates sobre a epidemia da desinformação, que acomete a cena política brasileira nos últimos anos, levam-nos a reflexões sobre o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (TICS) durante o processo de reconfiguração do Estado brasileiro. Sob sucessivas rodadas de “modernização conservadora” e tendência monopolística, abordaremos a apropriação informacional nos esteios de nossa última ditadura (1964-1985) e na posterior inserção nacional no propalado processo de neoliberalização, sob um sistema financeiro internacional desregulado.

Biografias dos autores

Bianca Rihan, Departamento de Processos Técnicos e Documentais, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Professora adjunta do Departamento de Processos Técnicos e Documentais, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil; Doutora em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (PPGCI-IBICT);

José Raphael Sette, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, FAU-UFRJ. Mestrado em Planejamento Urbano e Regional pelo IPPUR-UFRJ. Doutorando bolsista CAPES em Planejamento Urbano e Regional pelo PPG.PUR, IPPUR-UFRJ, com ênfase em economia política da urbanização, história econômica e teorias críticas da urbanização e do desenvolvimento. Integrante do Grupo de Pesquisa Espaço e Poder, CNPq, coordenado pelo professor Carlos A. Brandão (IPPUR-UFRJ). 

Referências

BENJAMIM, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8ª Ed. – São Paulo: Brasiliense, 2012.

BOLAÑO, C. R. S. Mercado brasileiro de televisão: uma abordagem dinâmica. Dissertação. UNICAMP, Instituto de Economia, Campinas, 1986.

BORGES, J. L. Ficções. 1ª Edição, Editora Globo, Rio Grande do Sul, 1970.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, Renato (Org.). A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1994.

BRAGA, H. Memorando Powell. IN: Marx e Marxismo. Publicação do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Marx e Marxismo – v.4, n.7, Niterói: UFF, 2016.

CASTRO, C. C. P. General Villas Bôas: conversa com o comandante. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2021.

COUTINHO, E. G. A comunicação do oprimido e outros ensaios. – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Mórula, 2014.

DANTAS, M. Capitalismo na Era das Redes: trabalho, informação, valor no ciclo da comunicação produtiva. In: LASTRES, H; ALBAGLI, S. Informação e globalização na Era do Conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1999.

DREIFUSS, R. A. 1964: A Conquista do Estado. Ação Política, Poder e Golpe de Classe. 3ª Ed, Petrópolis, Editora Vozes, 1981.

FAGNANI, E. Política social no Brasil (1964-2002): entre a cidadania e a caridade. – Campinas, 2005.

FAHRI, M. e CINTRA, M. A. M. A arquitetura do sistema financeiro internacional contemporâneo. Revista de Economia Política, v.29, n.3 (115), 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-31572009000300017

FARIA, A. L. B. e CHAIA V. Os institutos liberais e a consolidação da hegemonia neoliberal na América Latina e no Brasil. Cadernos Metrópole, São Paulo, v.22, n.49, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-9996.2020-4917

FERNANDES, F. Capitalismo Dependente e Classes Sociais na América Latina. 2ª edição. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FILHO, L. L. Quarenta anos depois, a TV brasileira ainda guarda as marcas da ditadura. Revista USP, São Paulo, n.61, 2004.

FIORI, J. L. Sobre a “crise contemporânea”: uma nota perplexa. Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v.20, n.62, 1993.

FIORI, J. L. A sonolência da razão. Revista Indicadores Econômicos, Porto Alegre, v.19, 1992.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito. – 9. Ed. – Petrópolis, RJ: Vozes : Bragança Paulista : Editora Universitária São Francisco, 2014.

HERS, D. A História Secreta da Rede Globo. Porto Alegre: Tchê Editora, 1987.

HOBSBAWM, E. A Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. – São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IBGE. PNAD Contínua. 2020. Acessado em 12/03/2021. https://www.ibge.gov.br

KANT, I. Crítica da razão pura. – Lisboa: Edição Fundação Calouste Gulbenkian, 5ª Ed., 2001.

MARTINS, H. Muito além das fake News: a desinformação em meio à crise social. Le Monde Diplomatique Brasil. Brasil, Arcevo Online, 9 de julho de 2020. Acessado em 13/03/2021: https://diplomatique.org.br/a-desinformacao-em-meio-a-crise-social/

MARX, K. Para a Crítica da Economia Política. São Paulo: Abril Cultural. (Col. Os Pensadores), 1978.

MELO, D. B. Crise orgânica e ação política da classe trabalhadora brasileira: a primeira greve geral nacional (5 de julho de 1962). UFF, Niterói, 2013.

NETTO, J. P. Introdução ao método da teoria social. IN: Serviço social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFEES/ABEPSS, 2009.

OPAS/OMS. Folha informativa COVID-19. 2021. Acessado em 12/03/2021. https://www.paho.org/pt/brasil

SAFATLE, V. A paixão do negativo: Lacan e a dialética. – São Paulo: Editora UNESP, 2006. DOI: https://doi.org/10.7476/9788539303335

SERRANO, F. Do ouro imóvel ao dólar flexível. Economia e Sociedade, Campinas, v. 11, n. 2 (19), 2002.

TCU. Memorando nº57/2020-Segecex. Tribunal de Contas da União, Secretaria-Geral de Controle Externo, 2020.

VALIM, R. Estado de exceção: a forma jurídica do neoliberalismo. São Paulo: Contracorrente, 2017.

WERNECK VIANNA, L. Liberalismo e Sindicato no Brasil. 4ª edição. Belo Horizonte, Editora UFMG, 1999.

Downloads

Publicado

10/06/2021

Como citar

Rihan, B., & Sette, J. R. (2021). A “infodemia” e a conquista do Estado brasileiro: da Ditadura empresarial-militar ao consenso neoliberal. Liinc Em Revista, 17(1), e5688. https://doi.org/10.18617/liinc.v17i1.5688

Edição

Seção

Infodemia e o Nosso Futuro