A reinfosfera na pandemia do novo coronavírus: infodemia, fake news e sociabilidade perversa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v17i1.5694

Palavras-chave:

Redes sociais digitais, Fake news, Pandemia, Reinfosfera, Perversão

Resumo

O artigo integra investigações ampliadas sobre os usos das redes sociais digitais no cotidiano. Neste texto, problematizamos a produção de fake news no contexto da pandemia da Covid-19 no Brasil, a partir da prática da “reinformação em rede”. O objetivo principal é buscar compreender o desenvolvimento das notícias falsas na dinâmica das relações das redes sociais digitais no Brasil, em um circuito complexo que atua na fabulação de uma “reinfosfera”. Além do percurso bibliográfico, a metodologia da pesquisa consistiu na análise de conteúdo de onze fake news sobre a pandemia, que circularam no ano de 2020. O estudo revelou que a experiência da “infodemia”, particularmente no contexto da reinformação, pode ser, de alguma forma, compreendida pela perversão como marca essencial da sociabilidade contemporânea, aquela que subverte e/ou rompe com a verdade factual como laço social

Referências

ARISTÓTELES, 2009. Política. Bauru, São Paulo: Edipro.

BARDIN, Laurence, 2009. Análise de conteúdo. São Paulo, Edições 70.

D’ANCONA, Matthew, 2018.Pós-Verdade. São Paulo: Faro Editorial.

DUFOUR, Dany-Robert, 2013. A cidade perversa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

FRAU-MEIGS, Divina, 2019. Faut-il avoir peur des fake news? La documentation française, Paris.

FREUD, Sigmund, 1997. O mal-estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago.

FREUD, Sigmund, 2010.O Mal-Estar na Civilização. São Paulo: Companhia das Letras.

HOUAISS, Antônio, 2006. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

KAKUTANI, Michiko, 2018.A Morte da Verdade. Rio de Janeiro: Intrínseca.

MANSOUR, Léda, 2019. The practice of online re-information. Revista Mídia e Cotidiano, v 13, n1, 2019. In:http://periodicos.uff.br/midiaecotidiano/article/view/27143Acesso em: 30 de maio de 2019. DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v13i1.27143

LAPLANCHE, Jean & PONTALIS, Jean-Bertrand, 2016.Vocabulário de Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

MARTINUZZO, José Antonio, 2014. Os Públicos Justificam os Meios. São Paulo: Summus.

MATOS, José Claudio e RIPOLL, Leonardo, 2017. A zumbificação da informação: a desinformação e o caos informacional. Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de Biblioteconomia. In: https://portal.febab.org.br/anais/article/view/1961, Fortaleza.

MOROZOV, Evgeny, 2018. Big Tech: a ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo, Ubu Editora.

NEIVA, Eduardo, 2013.Dicionário Houaiss de Comunicação e Multimídia. São Paulo: Publifolha, 2013.

RIBEIRO, Renata Rezende, 2020. La réinfosphère brésilienne: fake news et intolérance dans l avie quotidienne numérique. Sociétés Reveu des Sciences Humaines et Sociales, n.147. Deboeck Supérieur. DOI: https://doi.org/10.3917/soc.147.0043

SILVA, Andreia Fernandes. Porque é que as fake news se transformaram em protagonistas do jornalismo contemporâneo? Comunicação Pública, 2019, [s. l.], v. 14, n. 26. DOI: https://doi.org/10.4000/cp.4139

SODRÉ, Muniz, 2002. Antropológica do Espelho. Petrópolis: Vozes.

TRAQUINA, Nelson (Org.), 1999. Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Vega, 1999.

ZELIZER, Barbie, 1992.Covering the Body: The Kennedy Assassination, the media and the shaping of collective memory. Chicago: Chicago University Press.

TANDOC, E. C.; LIM, Z. W.; LING, R. Defining “Fake News”: A typology of scholarly definitions. Digital Journalism, v. 6, no 2, p. 137–153, 2018. DOI: https://doi.org/10.1080/21670811.2017.1360143

Downloads

Publicado

06/06/2021

Como citar

Ribeiro, R. R., & Martinuzzo, J. A. (2021). A reinfosfera na pandemia do novo coronavírus: infodemia, fake news e sociabilidade perversa. Liinc Em Revista, 17(1), e5694. https://doi.org/10.18617/liinc.v17i1.5694

Edição

Seção

Infodemia e o Nosso Futuro