Reconfiguração das práticas de edição de textualidades em ambiente digital a partir de mediações algorítmicas

Autores

  • Luana Teixeira de Souza Cruz Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v17i1.5696

Palavras-chave:

Algoritmos, Edição, S.E.O, Textualidades, Visibilidade

Resumo

RESUMO: As dinâmicas de circulação de textos em ambiente digital são bastante alteradas pela mediação algorítmica e uso de plataformas. Esses softwares detêm o poder simbólico de gatekeepers da sociedade contemporânea, definindo não somente quais informações devem circular, mas reconfigurando práticas e percepções coletivas. Este artigo traz um olhar sobre esse processo de reconfiguração com foco nas práticas incorporadas para edição e publicação de textos. Tem como objetivo fazer uma breve análise sobre um dos trabalhos de engenharia reversa (Gillespie, 2018) praticados por produtores de informação, que tentam deduzir os critérios dos algoritmos desde que ferramentas computacionais passaram a mediar meios de expressão e circulação de informação. Em especial, analisa como o uso do plugin Yoast S.E.O. para Wordpress interfere nas ações de editing com a promessa de assegurar visibilidade na instância publishing, mostrando que produtores de informação adotam para suas rotinas a “obediência” às lógicas de medição algorítmica.

 

Referências

ALVES, I. F.; MENDONÇA, S. Modelos de negócio em tempos de tensão digital: Perspectivas de renovação no caso da imprensa. Publicações Obercom, Lisboa (PT), 2013.

BENJAMIN, Walter. Teoria do conhecimento, teoria do progresso. Em.: BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006. p.499-530.

BOURDIEU, Pierre. Espaço social e espaço simbólico. Em: Razões práticas: sobre a teoria da ação. Trad. Mariza Corrêa. Campinas – SP: Papirus, 1996. p. 13-34.

BUENO, Thaisa; REINO, Lucas Santiago Arraes. SEO no jornalismo: títulos testáveis e suas implicações. Estudos em Jornalismo e Mídia [em linha]. 2019, v. 16, n. 2, p. 98-112. [Acesso em 30 março 2021]. DOI 10.5007/1984-6924.2019v16n2p98. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n2p98

CANAVILHAS, João Manuel Messias. Retrato dos jornalistas online em Portugal. Em: SOPCOM 2005: 4º Congresso da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação. 2005. p. 1393-1402.

COSTA, Caio Túlio. Um modelo de negócio para o jornalismo digital. Columbia Journalism Review, a Revista de Jornalismo ESPM, n. 9, p. 51, 2014. [Acesso em 8 junho 2021].Disponível em:http://observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-em-questao/um_modelo_de_negocio_para_o_jornalismo_digital/

CRUZ, L.T.S. Rota hipertextual baseada em tags: discussão de processos de produção e leitura como sistemas complexos no contexto da Web Semântica [em linha]. 2014. Dissertação (Mestrado em Estudo de Linguagens). Belo Horizonte, MG. Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG).

CRUZ, L.T.S.. Ethos do jornalismo no século 21: modelo de negócio, profissão e gênero. TROPOS, v. 5, n. 1, 2016.

CUPANI, Alberto. Tecnologia e poder . Em.: CUPANI, Alberto. Filosofia da tecnologia: um convite. Florianópolis: Editora da UFSC, 2011. p. 151-168.

D'ANDRÉA, Carlos. Pesquisando plataformas online: conceitos e métodos. Salvador: EDUFBA, 2020. [Acesso em 8 junho 2021] Disponível em https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/32043

DELEUZE, Gilles. Política. Em.: DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992. p.207-226.

GILLESPIE, Tarleton. A relevância dos algoritmos. Parágrafo [em linha]. 2018, v. 6, n. 1, p. 95-121. [Acesso em 30 março 2021]. Disponível em: http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/722/563

LEAL, Bruno. Do texto à textualidade na comunicação: contornos de uma linha de investigação. Em: LEAL, B.; CARVALHO, C. A.; ALZAMORA, Geane. Textualidades Midiáticas. Belo Horizonte: PPGCom/UFMG, 2018. 172 p. [Acesso em 30 março 2021]. Disponível em: https://seloppgcom.fafich.ufmg.br/novo/publicacao/textualidades-midiaticas/

MUNIZ Jr., José de Souza, 2019. O editor como (mediador) intelectual e o espaço editorial como ilusão de óptica: apontamentos teórico-metodológicos. Em: 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação [em linha]. Belém, PA, 2019. [Acesso em 31 março 2021]. Disponível em: https://portalintercom.org.br/anais/nacional2019/resumos/R14-0068-1.pdf.

MUNIZ Jr., José de Souza. Edição. Em: CABRAL, Cleber Araújo; RIBEIRO, Ana Elisa (Orgs). Tarefas da Edição. Belo Horizonte: DEDC, LED, Impressões de Minas, 2020. p. 68-76. [Acesso em 8 junho 2021]. Disponível em: https://www.letras.bh.cefetmg.br/wp-content/uploads/sites/193/2019/10/Tarefas-da-Edic%cc%a7a%cc%83o-arquivo-digital-07-10-20.pdf

O DILEMA das Redes Sociais (Netflix, 2020). Direção Jeff Orlowski. Estados Unidos: Netflix, 2020.

RIBEIRO, Ana Elisa. Textos multimodais: leitura e produção. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

SANTAELLA, Lucia. Linguagens híbridas. Em.: SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento. Sonora, visual, verbal. São Paulo: Editora Iluminuras, 2001. p.369-388.

SANTOS, Cléberson, 2020. Mariéme Jamme a mulheres negras: "Precisamos ser o próximo Mark Zuckerberg". [em linha]. 26 novembro 2020. [Acesso em 30 março 2021]. Disponível em: https://www.uol.com.br/ecoa/ultimas-noticias/2020/11/25/marieme-jamme-a-mulheres-negras-precisamos-ser-o-proximo-mark-zuckerberg.htm%E2%9D%A4%EF%B8%8F

SANDEL, Michael J. O que o dinheiro não compra: os limites morais do mercado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. Porque as notícias são como são. Vol. 1. Florianópolis: Insular, 3ª edição rev. 2012.

Downloads

Publicado

14/06/2021

Como citar

Cruz, L. T. de S. (2021). Reconfiguração das práticas de edição de textualidades em ambiente digital a partir de mediações algorítmicas . Liinc Em Revista, 17(1), e5696. https://doi.org/10.18617/liinc.v17i1.5696

Edição

Seção

Infodemia e o Nosso Futuro