A morte editorializada: morrer, verbo intransitivo – discursos e referenciais sociais na imprensa brasileira

Autores

  • João Batista de Abreu Departamento de Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil

Palavras-chave:

Morte, Suicídio, Atentado Suicida, Celebridade, Mídia Hegemônica

Resumo

O artigo analisa os critérios de noticiabilidade da veiculação de mortes, os efeitos de sentido da cobertura jornalística, o sensacionalismo, a invasão de privacidade e a conduta dos jornalistas nas rotinas de produção. O silêncio da mídia no caso de suicídio. Entendida como estigma por parte da imprensa hegemónica, a morte costuma merecer tratamento especial na narrativa jornalística

Referências

ABREU, J. B. As manobras da informação – análise da cobertura jornalística da luta armada no Brasil, Niterói: Eduff/Mauad, 2000.

ARENDT, Hanna. Eichmann em Jerusalém – um relato sobre a banalidade do mal, São Paulo, Companhia das Letras, 1999.

BARTHES, R., 1981. Fragmentos de um discurso amoroso. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

BRUM, E., 2020. Mães Yanomami imploram pelos corpos de seus bebês. El País [em linha]. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-06-24/maes-yanomami-imploram-pelos-corpos-de-seus-bebes.html

DAPIEVE, A., 2007. Morreu na contramão: o suicidio como notícia. Rio de Janeiro: Zahar.

FERREIRA, A., 1982. Informação e dominação: a dependência informativa do Terceiro Mundo e o papel do jornalista brasileiro. Rio de Janeiro: Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro.

FOUCAULT, M., 1987. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes.

MBEMBE, A., 2018. Necropolítica: biopoder, soberanía, estado de exceção, política da morte. São Paulo: N-1 Edições, 2018. Disponível em: http://acismoambiental.net.br/2020/05/19/um-debate-com-mbembe-e-a-tese-de-necropolitica-em-tempos-de-pandemia/

PRADO, A., 2019. Mensagem postada em WhatsApp em 20 de agosto de 2019, às 17h.

SCHWARTZ, L. e STARLING, H., 2020. A bailarina do norte: a gripe española no Brasil. São Paulo, Companhia das letras.

Downloads

Publicado

22/06/2021

Como citar

Abreu, J. B. de. (2021). A morte editorializada: morrer, verbo intransitivo – discursos e referenciais sociais na imprensa brasileira. Liinc Em Revista, 17(1), e5769. Recuperado de http://revista.ibict.br/liinc/article/view/5769

Edição

Seção

Infodemia e o Nosso Futuro