A GESTÃO COLETIVA DOS DIREITOS AUTORAIS E O STREAMING

Marcos Wachowicz, Bibiana Biscaia Virtuoso

Resumo


O presente artigo analisa a tecnologia utilizada no modelo de distribuição de música e audiovisual por meio de streaming, abordando as questões jurídicas e polemicas do licenciamento e remuneração dos autores e produtores de conteúdos na INTERNET. O conceito de execução pública para legitimar a gestão de Direitos Autorais pelo ECAD nos serviços de streaming tem sido objeto de controvérsias, inobstante o entendimento dado pela justiça brasileira, que acarreta numa dupla camada de remuneração retendo altos ganhos que viriam a ser dos artistas e produtores de conteúdo. A pesquisa permite concluir que a respeito da tecnologia streaming e a gestão de direitos autorais deve ser pensada a nível global para uma justa remuneração dos autores.


Texto completo:

PDF

Referências


ARENHART, Gabriela. Gestão Coletiva de Direitos Autorais e a Necessidade de Supervisão Estatal. Publicado em: 25 jul. 2014. Disponível em: http://www.gedai.com.br/?q=pt-br/content/gest%C3%A3o-coletiva-de-direitos-autorais-e-necessidade-de-supervis%C3%A3o-estatal>.

ASCENSÃO, José de Oliveira. Direito Autoral. Rio de Janeiro: Renovar, 1997. p. 620

BITTAR, Carlos Alberto. Contornos atuais do Direito do Autor. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº 1.559.264. Brasília, DF, 15 fev. 2017.

______. Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Ação cível nº 0116365-13.2015.8.19.0001. Rio de Janeiro, RJ, 22 nov. 2016.

______. Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Apelação Cível nº 0174958.45.2009.8.19.0001. Relator: Desembargador Antônio Saldanha Palheiro. Rio de Janeiro, RIO DE JANEIRO, 12 abr. 2011.

______. Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Recurso Especial nº 1.559.264. Relator: Ministro Ricardo Villas Boas Cueva. RIO DE JANEIRO, 21 out. 2015

CARPANEZ, Juliana. GOOGLE COMPRA SITE YOUTUBE POR US$ 1,65 BILHÃO: Apesar de já ter seu próprio serviço de exibição de vídeos, a página do Google não conquistou a mesma popularidade do YouTube. 2006. Disponível em: . Acesso em: 09 jul. 2017.

FRANCISCO, Pedro Augusto P.; VALENTE, Mariana Giorgetti (Org.). Do rádio ao streaming: ECAD, Direito autoral e música no Brasil. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2016. 390 p.

PESSERL, Alexandre Ricardo. Estudos comparados sobre Direitos Autorais no Ambiente Digital (Internet): Produto 04 – Soluções Implementadas por empresas. Brasilia: Ministério da Cultura, 2014. p. 22.

REUTERS. Spotify atinge 50 milhões de assinantes pagos: Serviço sueco de streaming de músicas aumenta em 25% a base de usuários pagantes em menos de seis meses. Disponível em: . Publicado em 03 mar. 2017. Acesso em: 04 jul. 2017.

SILVA, Marta Santos. Ouvir uma canção no Spotify vale 0,005€. Mas isso é muito ou pouco?. 2016. Disponível em: .

SILVA, Victor Hugo. Do catálogo ao consumo de dados: qual o melhor streaming de música? Tecnologia – iG, São Paulo. 24 mar. 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2017.

WACHOWICZ, Marcos. A gestão coletiva de direitos autorais da obra musical: titularidade originária, supervisão pública e transparência. In: SIMÃO, J.F.; BELTRÃO, S.R. Estudos em Homenagem a José de Oliveira Ascensão - Direito Civil: Estudos Em Homenagem A José De Oliveira Ascensão: Direito Privado. Editora: Atlas. Edição: 1ª / 2015.

Word Intellectual Property Organization. Collective Management of Copyright and Related Rights. Disponível em: . Acesso em: 19 out. 2016.




DOI: https://doi.org/10.21721/p2p.2017v4n1.p4-17

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 
 
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (cc BY 4.0)
 
 P2P & INOVAÇÃO - e-ISSN 2358-7814, IBICT.