A RAZÃO INVERTIDA: O TECNICISMO NA EDUCAÇÃO COMO VEÍCULO DE COLONIZAÇÃO DO MUNDO VIVIDO

Edna Gusmão de Góes Brennand, José Washington de Morais Medeiros

Resumo


Subsidiado pelo conceito de racionalidade instrumental, o texto discute sobre a razão técnica e seu uso na educação, destacando como o tecnicismo fortalece as estratégias de colonização do mundo da vida da escola. Reflete sobre como a pedagogia tecnicista corrobora uma educação atrelada muito mais às ciências tecnoempiristas do que histórico-hermenêuticas. Metodologicamente, busca categorias habermasianas, como racionalidade, linguagem, mundo vivido, mundo sistêmico e patologias sociais, para estabelecer os liames entre razão técnica e educação. Sintetiza os benefícios que a colonização do mundo vivido traz ao mundo sistêmico, proporcionando ao Estado mais poder em sua governança político-econômica, livrando-o de pressões e de reivindicações por parte de extratos sociais. A ideia de desenvolvimento, como matriz funcional do fortalecimento dos sistemas, é confundida com o desenvolvimento da competência individual, o que torna o sujeito muito mais um agente reprodutor das diretrizes normativas da cultura invadida do que um agente do agir comunicativo.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21721/p2p.2018v4n2.p6-28

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 
 
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (cc BY 4.0)
 
 P2P & INOVAÇÃO - e-ISSN 2358-7814, IBICT.