OS CÓDIGOS DE ÉTICA EMPRESARIAIS SOB A PERSPECTIVA DE COERÊNCIA E COESÃO: UM ESTUDO À LUZ DA LEI SARBANES-OXLEY

  • Emiliano Carlos Serpa Castor UNIVERSIDADE SANTA ÚRSULA Mestre em Gestão do Trabalho para a Qualidade do Ambiente Construído (MPGTQAC/USU)
  • Ana Carolina de Gouvêa Dantas Motta Doutora em Engenharia de Produção - COPPE/UFRJ Professora do Mestrado Profissional - MPGTQAC/USU http://orcid.org/0000-0001-5918-6274
  • Adriano Rosa da Silva Coordenador e Professor do Mestrado Profissional - MPGTQAC/USU
  • Juliano Melquiades Vianello Professor do Mestrado Profissional - MPGTQAC/USU

Resumo

Valor ou premissa de uma organização, a ética empresarial vem para assegurar tanto a sobrevivência como a reputação de uma empresa, seja ela pública ou privada. E, como é de se supor, os seus bons resultados. Por meio desta perspectiva, busca-se, neste artigo, estudar os códigos de ética sob o ponto de vista de coerência e de coesão, à luz do termo accountability, tendo como referência de partida a Lei Sarbanes-Oxley (SOX). Assim, a forma moralmente correta com que as empresas interagem com o seu meio envolvente revela-se o fio condutor deste trabalho, particularizado nas cinco empresas brasileiras com os melhores desempenhos na Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE), no recorte temporal entre janeiro e julho de 2016.

Biografia do Autor

Emiliano Carlos Serpa Castor, UNIVERSIDADE SANTA ÚRSULA Mestre em Gestão do Trabalho para a Qualidade do Ambiente Construído (MPGTQAC/USU)

Possui graduação em Sequencial em Automação e Robótica pela Universidade Santa Úrsula (2001), graduação em Engenharia de Computação pela Universidade Santa Úrsula (2001), graduação em Licenciatura em Matemática pelo Instituto A Vez do Mestre (2015), graduação em Matemática pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2004) e mestrado em Gestão do Trabalho para a Qualidade do Ambiente Construído pela Universidade Santa Úrsula (2017). Atualmente é especialista sap - Ilumno, professor auxiliar do Centro Universitário Moacyr Sreder Bastos, professor da Universidade Santa Úrsula, professor titular do Instituto Infnet do Rio de Janeiro e coordenador de pós-graduação lato sensu do Instituto Infnet do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Ciência da Computação, atuando principalmente nos seguintes temas: sap, erp, hcm, recursos humanos e orgpublisher.
Ana Carolina de Gouvêa Dantas Motta, Doutora em Engenharia de Produção - COPPE/UFRJ Professora do Mestrado Profissional - MPGTQAC/USU
Ana Carolina de Gouvêa Dantas Motta
Doutora em Engenharia de Produção - COPPE/UFRJ
Professora do Mestrado Profissional - MPGTQAC/USU
Adriano Rosa da Silva, Coordenador e Professor do Mestrado Profissional - MPGTQAC/USU
Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1990). Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1995). Doutorado em Educação Física e Cultura na Universidade Gama Filho (2007). Pos Doc em andamento no Laboratório de Práticas de Integralidade em Saúde do Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, com o projeto intitulado Cidade Educadora e o Direito a Saúde: uma Análise sobre a Reivindicação de Direitos e a Promoção da Saúde, sob a supervisão do Professor Doutor Felipe Asensi. Concentro minha experiência profissional nas áreas de Sociologia, Antropologia, Política, Educação e Metodologia da Pesquisa, com estudos e orientações nas temáticas da corporeidade, esporte e saúde; envelhecimento, cidadania, cultura e acessibilidade. Sou Coordenador e Professor permanente do Mestrado Profissional em Gestão do Trabalho para Qualidade do Ambiente Construído - Universidade Santa Úrsula e faço parte do Grupo de pesquisas em Ética, Cidadania e Ambiente Construído. Professor vinculado ao APCN em Inovação em Sistemas Educacionais e Desenvolvimento de Competências da Universidade Santa Úrsula. Atuei no Núcleo de Extensão (NEX) da Universidade Santa Úrsula. Membro do corpo editorial da Revista Reasu, como avaliador. Membro de Conselho Universitário da Universidade Santa Úrsula. Faço parte do NDE da Biologia, Direito e Nutrição e integro o Colegiado do Mestrado, do Direito e da Nutrição.Experiência como conteudista e tutor de ensino a distância. Realizo palestras e coach.
Juliano Melquiades Vianello, Professor do Mestrado Profissional - MPGTQAC/USU
Doutor em Engenharia de Produção na área de Finanças pela PUC-Rio (2013), possui Certificação em Supervisão e Regulação Financeira pelo Toronto Centre (2016), mestrado em Engenharia Elétrica pela PUC-Rio (2007), graduado em Engenharia Elétrica com enfase em Telecomunicações pelo Instituto Militar de Engenharia (2003) . Autor do livro Mapeamento da Base Industrial de Defesa do Brasil, sobre políticas públicas para o setor de defesa e coordenado pelo IPEA. Atualmente é Analista da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), professor do mestrado Stricto Sensu e Engenharia da Universidade Santa Úrsula e de Finanças do Curso DSc. Coordena um projeto social na Universidade Santa Úrsula. Trabalhou como engenheiro do Exército (2003-2008) e como engenheiro da PETROBRAS na área de Gestão de Risco (2008-2012) com trabalhos realizados no escritório de Londres da mesma empresa (2012). Foi professor da FGV/Capital Humano, IBMEC e da Universidade Gama Filho (onde lecionou 16 disciplinas em 6 anos). Apresenta artigos publicados nacionais e internacionais e apresentações em Congressos. Realizou cursos em Londres (2010), Nova Iorque (2011), Paris Sorbonne (2014), Montreal (2015) e Toronto (2016). Finisher do Iron Man 70.3 Brasil 2011 e Havaí 2013.

Referências

BARACCHINI, S. A. (2002). A inovação presente na administração pública brasileira. Revista de Administração de Empresas, 42(2), 1-6. Disponível em: <https://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902002000200010>

BARDIN, L. (2004). Análise de conteúdo (3a ed.). Lisboa, Portugal: Edições 70.

CAMPOS, A. M. (1990) Accountability: quando podemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública. 24, (2), 30-50. Disponível em:< http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/9049>

CENEVIVA, R. (2006). Accountability: novos fatos e novos argumentos – uma revisão da literatura recente. In II Encontro de Administração Pública e Governança. Disponível em: < http://www.anpad.org.br/admin/pdf/ENAPG118.pdf>

FARIAS, Rômulo Paiva; DE LUCA, Márcia Martins Mendes; MACHADO, Marcus Vinicius Veras. A metodologia COSO como ferramenta de gerenciamento dos controles internos. Brasília: Contabilidade, Gestão e Governança, v.12, n.3, 2009, p. 55-71.

FIORI, J. L. (2004). O Poder Global dos Estados Unidos: formação, expansão e limites. (1a ed.). Petrópolis: Editora Vozes.

GITMAN, L. J. (2010). Princípios de Administração Financeira. (12ª ed.). Pearson Prentice Hall.

GRAHAM, M. L. (2009). Business ethics: an analysis of a company´s training program influence on employee behaviour and morale. (Tese de doutoramento). Disponível na ProQuest Dissertations Publishing (Nº. 3355620).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA [IBGC]. (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. (5a ed). São Paulo: IBGC. Disponível em: < http://www.ibgc.org.br/userfiles/files/2014/files/CMPGPT.pdf>

KAIZELER, A. C., & FAUSTINO, H. C. (2008). Ética, globalização e ética da globalização. Instituto Superior de Economia e Gestão – SOCIUS Working papers nº 1/2008. Disponível em: < http://hdl.handle.net/10400.5/1904>

KREITLON, M. P. (2004). A Ética nas Relações entre Empresas e Sociedade: fundamentos teóricos da responsabilidade social empresarial. In XXVIII – Encontro da ANPAD. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2004-gsa-2651.pdf

MOREIRA, J. M. (1999). A ética empresarial no Brasil. São Paulo: Pioneira.

O’DONNELL, G. (1998). Accountability horizontal e novas poliarquias. São Paulo: Lua Nova, n. 44, p. 27-54.

OLIVEIRA, M A. de (1993). Ética e sociabilidade. São Paulo: Editora Loyola.

PAUL, Samuel (1992). Accountability in public services: exit, voice and control. World Development, p. 1047-1060. Disponível em: < https://gife.org.br/wp-content/uploads/2016/02/paul_1992.pdf>

PINHO, J. A. G de; Sacramento, A. R. S. (2009). Accountability: já podemos traduzi-la para o português? RAP – Revista de Administração Pública, n. 43(6), 2009, p. 1343-1368. Disponível em: < http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6898/5471>

PONTES, C.S (2008). A atuação da Justiça Eleitoral na fiscalização das contas dos candidatos e dos partidos políticos. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/13478/13478_1.PDF

REGINATTO, Vinicius Araújo. Análise de conteúdo do código de ética dos profissionais de Administração. Trabalho de conclusão de curso de Administração pelo Departamento de Ciências Administrativas da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), 2012.

SILVA, R.C.F. da; Seibert, R. M. (2015). Governança corporativa: história e tendências. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, 9(3), p.76-101. Disponível em: < http://rica.unibes.com.br/index.php/rica/article/viewArticle/634>

SOUZA, Maíra Melo de; VICENTE, Ernesto Fernando Rodrigues; BORBA, José Alonso; LUNKES, Rogério João. (2011). Evidenciação das exigências da Lei Sarbanes-Oxley nas empresas brasileiras que negociam ADRs nos Estados Unidos. RIC - Revista de Informação Contábil, 5(3), p. 98-117.

SEC. LEI SARBANES-OXLEY, de 30 de julho de 2002 (2002). Disponível em: < https://www.sec.gov/about/laws/soa2002.pdf>

VERGARA, S. C. (2013). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. (14a ed.) São Paulo: Atlas.

Empresas consultadas:

Banco Bradesco S.A. Disponível em <https://banco.bradesco/html/classic/index.shtm>.

CEMIG (Companhia Energética de Minas Gerais). Disponível em <http://www.cemig.com.br/pt-br/Paginas/default.aspx>.

COSO (Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission). ABOUT US. Disponível em <https://www.coso.org>.

COSO (Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission). ERM Gerenciamento de Riscos Corporativos: Estrutura Integrada. Disponível em <http://www.iiabrasil.org.br/new/2013/downs/coso/COSO_ICIF_2013_Sumario_Executivo.pdf>.

CSN (Companhia Siderúrgica Nacional). Disponível em <http://www.csn.com.br>.

EXAME. Disponível em <http://exame.abril.com.br/mercados/10-brasileiras-que-sao-destaque-na-bolsa-de-nova-york>.

GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. Disponível em <https://voegol.com.br/pt>.

SABESP (Companhia de Saneamento Básico de São Paulo). Disponível em <http://site.sabesp.com.br/site/Default.aspx>.

Publicado
01/10/2019
Como Citar
Serpa CastorE. C.; de Gouvêa Dantas MottaA. C.; Rosa da SilvaA.; Melquiades VianelloJ. OS CÓDIGOS DE ÉTICA EMPRESARIAIS SOB A PERSPECTIVA DE COERÊNCIA E COESÃO: UM ESTUDO À LUZ DA LEI SARBANES-OXLEY. P2P E INOVAÇÃO, v. 6, n. 1, p. 170-190, 1 out. 2019.
Seção
Artigos

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)