O SOCIAL E SUAS TECNOLOGIAS: DESLIZAMENTOS SEM NTICOS E TRADUÇÕES OPERATÓRIAS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL EM PARCERIAS TRANSNACIONAIS ENTRE ONGS NO BRASIL

Roselene de Lima Breda

Resumo


Este artigo se insere no debate sobre a emergência e expansão do modelo de parcerias transnacionais entre organizações voltadas à superação da pobreza no Brasil, desde os anos 1990. Aborda a mobilização do índice de vulnerabilidadesocialcomo grade de inteligibilidade de processos multiescalares nas parecerias estabelecidas entre uma ONG, aqui chamada de FINANCIADORA, e uma de suas ONGs PARCEIRAS.Para compreender a natureza desta relação mobilizo: i) pesquisa documental centrada em textos e normativas que direcionam a atuação da ONG FINANCIADORA; ii) pesquisa de campo, de cunho etnográfico, no Escritório Nacional da ONG FINANCIADORA, em Belo Horizonte/MG, e na sede de uma ONG PARCEIRA, no Cariri cearense. Da análise entre as escalas nas quais se desenvolve tal parceria desvelam-se mecanismos de mediação e tradução impulsionadores do uso do índice de vulnerabilidadesocialna estruturação de uma estratégia de gestão da pobreza que faz uso das “tecnologias sociais”. 


Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABONG. Outro diálogo é possível na cooperação Norte-Sul. São Paulo: Petrópolis, 2003.

ANTUNES, Ricardo. A nova morfologia do trabalho e as formas diferenciadas da reestruturação produtiva no Brasil dos anos 1990. Sociologia, Porto, v. 27, p. 11-25, jan. 2014.

ARAGÃO, Daniel Maurício de. O controle global da solidariedade: transnacionalização e privatização na adaptação estratégica de ONGs britânicas no Brasil. Cad. CRH, Salvador, v.25, n.65, p. 269-283, ago. 2012.

BACELAR, Tania Araújo. A “questão regional” e a “questão nordestina”. In: TAVARES, Maria da Conceição (Org). Celso Furtado e o Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

BARDET, Fabrice. La contre-révolution comptable. Ces nouveaux chiffres qui (nous) gouvernent. Paris : Les Belles Lettres, 2014.

BRASIL. Lei n. 13.019, de 31 de julho de 2014. Dispõe sobre as parcerias voluntárias. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 01 fev. 2014, Seção 1, página 1.

BREDA, Roselene de Lima. Efeitos da vulnerabilidade social: notas sobre o cotidiano de atendimentos de um CRAS na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Departamento de Sociologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

CARDOSO, Fernando Henrique.; FALETTO, Enzo. Dependência e Desenvolvimento na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

CARDOSO, Ruth et al. Comunidade Solidária: Fortalecendo a sociedade, promovendo o desenvolvimento. Rio de Janeiro: Comunitas, 2002.

CASTEL, Robert. A Gestão dos Riscos: da anti-psiquiatria à pós-psicanálise. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986.

______. De la dangerosité au risque. Actes de la Recherche en Sciences Sociales v. 47/48, n. 1, p. 119-127, 1983.

CERNEA, Michael. Nongovernmental Organizations and Local Development. Washington: The World Bank, 1988.

CODATO, Adriano Nervo. Uma história política da transição brasileira: da ditadura militar à democracia. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, n. 25, p. 83-106, nov. 2005.

DAGNINO, Evelina.; TATAGIBA, Luciana. Democracia, sociedade civil e participação. Chapecó: Argos, 2007.

DAGNINO, Renato. Tecnologia social. Contribuições conceituais e metodológicas. Campina Grande: EDUEPB, 2012.

________. (Org). Tecnologia Social: Ferramenta para construir outra sociedade. Campinas: Unicamp, 2009.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo – Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DESROIÈRES, Alain. La politique des grands nombres: histoire de la raison statistique. Paris: La Découverte, 2000.

DONADONE, Júlio César. Consultoria internacional em expansão e formas emergentes de globalização das trocas e contenciosos gerenciais. Tempo Social, v. 22, n. 1, p. 101-125, jun. 2010.

DONZELOT, Jacques. A polícia das famílias. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

ESCOBAR, Arturo. Encountering Development. The Making and Unmaking of the Third World. New Jersey: Princeton University Press, 1995.

ÉTIENNE, Gilbert. Les dérives de la coopération Nord-Sud, vers la fin des chimères? Politique Etrangère. Institut Français des Relations Internationales, Paris, n.4, p.891- 904, 2007.

FAGNANI, Eduardo. Política social do Brasil (1964‐2002) entre a cidadania e a caridade. 2005. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

FASSIN, Didier. Compassion and repression: the moral economy of imigration policies in France. Cultural Antrhopology, v. 20, n. 3, p. 362-387, 2005.

FERGUSON, James. Development. In: BARNARD, Alan; SPENCER, Jonathan (Orgs.). ENCYCLOPEDIA of Social and Cultural Anthropology. Londres: Routledge, 2001. p. 154-160.

FERGUSON, James; GUPTA, Akhil. Spatializing states: toward an ethnography of neoliberal governmentality. American Ethnologist, v. 29, n. 4, p. 981-1002, 2002.

FURTADO, Celso. Subdesenvolvimento e Estagnação na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

GEORGES, Isabel.; SANTOS, Yumi Garcia. A produção da demanda: viés institucional e implicações políticas da terceirização do trabalho social na periferia de São Paulo. In: CUNHA, Neiva; FELTRAN, Gabriel. (Orgs.) Sobre Periferias. Novos conflitos no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013. p. 159-177.

GERSCHMAN, Silvia. Democracia, políticas sociais e globalização: relações em revisão. In: GESRCHMAN, Silvia; WERNECK, Maria Lucia. A Miragem da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. p. 53-64.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO – Índice Paulista de Vulnerabilidade Social - Espaços e Dimensões da Pobreza nos Municípios do Estado de São Paulo – Metodologia. Fundação Seade / Secretaria de Economia e Planejamento, 2006.

LANDIM, Leilah. “Múltiplas Identidades da ONGs”. In: HADDAD, Sérgio (Org.). ONGs e Universidades: desafios para a cooperação na América Latina. São Paulo: Fundação Petrópolis, 2002. p. 17-50.

________. Para Além do Mercado e do Estado? Filantropia e Cidadania no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos da Religião, 1993.

LASCOUMES, Pierre; LE GALÈS, Patrick. Gouverner par les instruments. Paris: Presses de Sciences Po “Académique”, p. 11-44, 2005.

LAUTIER, Bruno. O governo moral dos pobres e a despolitização das políticas públicas na América Latina. Cad. CRH, Salvador, v. 27, n. 72, p. 463-477, dez. 2014.

LAVINAS, Lena. A Financeirização da Política Social: o caso brasileiro. Politika, n. 2, p. 35-51, jul. 2015. Rio de Janeiro: Fundação João Mangabeira em colaboração com Humboldt-Viadrina Governance Platform, 2015,

LIMA, Jacob Carlos; BORSOI, Izabel Cristina Ferreira.; ARAÚJO, Iara Maria. Os novos territórios da produção e do trabalho: a indústria de calçados no Ceará. Cad. CRH, Salvador, v. 24, n. 62, p. 367-384, ago. 2011.

MARANHÃO Tatiana. Governança mundial e pobreza: do consenso de Washington ao consenso das oportunidades. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MARCUS, George Emanuel. Multi-sited Ethnography: Five or Six Things I Know About It Now. In: COLEMAN, Simon; HELLERMANN, Pauline Von. (Orgs.) Multi-Sited Ethnography: Problems and Possibilities in the Translocation of Research Methods. New York: Routledge, 2011.

________. “Ethnography in/of the world system: The Emergence of Multi-Sited Ethnography”. Annual Review of Anthropology, n. 24, p.95-117, 1995.

MARTINEZ, Paulo Henrique. Vida e morte no sertão: história das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX. Rev. bras. Hist., São Paulo, v. 22, n. 43, p. 251-254, 2002.

OLIVEIRA, Francisco. Entre a complexidade e o reducionismo: para onde vão as ONGs da democratização? In: HADDAD, Sérgio (Org.). ONG e universidades: desafios para a cooperação na América Latina. Editora Fundação Petrópolis, São Paulo, 2002. p. 51-62

PAULA, Luiz Fernando de; PIRES, Manoel. Crise e perspectivas para a economia brasileira. Estudos Avançados. v. 31, n. 89, p. 125-144, 2017

ROSE, Nikolas. Governing risky individuals: The role of psychiatry in new regimes of control. Psychiatry, Psycology and Law, v.5, n. 2, p. 177-95, 1998.

SEIDEL, Gill. The competing discourses of HIV/AIDS in Sub-Saharan Africa: discourses of rights and empowerment vs discourses of control and exclusion. Social Science and Medicine, v. 36, n. 3, p. 175-194, 1993.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SILVA, Carlos Eduardo Guerra. Gestão, legislação e fontes de recursos no terceiro setor brasileiro: uma perspectiva histórica. Rev. Adm. Pública, v. 44, n. 6., p. 1301-25, nov./dez. 2010

SILVA, Kelly Cristiane. A Cooperação Internacional como Dádiva. In: Mana, v. 14, n. 1, p. 141-171, 2008.

SIMMEL, George. El pobre. Madrid, Ediciones Sequitir, 2011.

SINGER, André; LOUREIRO, Isabel. As contradições do Lulismo – a que ponto chegamos? São Paulo: Boitempo, 2016.

SINGER, Paul. Globalização e Desemprego: diagnósticos e alternativas. São Paulo: Contexto, 1998.

TELLES, Vera da Silva. A “nova questão social” brasileira: ou como as figuras de nosso atraso viraram símbolo de nossa modernidade. In: TELLES, Vera da Silva (Org.) Pobreza e Cidadania. São Paulo: Editora 34, 2001, p. 139-166.

TOPALOV, Christian. Os saberes da cidade em crise. Revista Espaço e Debates, v. 11, n. 34, p. 28-37, 1992.

VIANNA, Catarina Morawska. Lições em engenharia social: a lógica da matriz de projeto na cooperação internacional. Horiz. Antropol., Porto Alegre, v. 20, n. 41, p. 87-115, jun. 2014.

VIANNA, Catarina Morawska. Os enleios da tarrafa: etnografia de uma parceria transnacional entre ONGs através de emaranhados institucionais de combate à pobreza. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.




DOI: https://doi.org/10.21721/p2p.2019v6n1.p154-169

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 
 
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons (Attribution 4.0 International)
 
 P2P & INOVAÇÃO - e-ISSN 2358-7814, IBICT.