Uma sociologia compreensiva sobre política e pandemia no Brasil

Palavras-chave: COVID-19, Jair Messias Bolsonaro, Política Brasileira

Resumo

Este pequeno ensaio pretende refletir sobre as relações tensas entre o enfrentamento da pandemia do Covid-19 e a vida política no Brasil, abordadas em perspectiva constelar (figura presidencial, orla ministerial, séquito popular, poderes Judiciário e Legislativo, comunidade médica), verificadas na contumácia do presidente Jair Messias Bolsonaro para se manter no poder por dentro (ou a despeito) da pandemia contra a evidência dos registros de seus efeitos na saúde pública, arrevesando a política (lugar do poder) com o puro autoritarismo (lugar da violência). Os argumentos do ensaio percorrem as informações prestadas por diversos canais de comunicação no confronto entre objetividade-responsabilidade e as implicações éticas das/nas tomadas de posição política de um lado e da posição científica do outro.

Biografia do Autor

George Fredman Santos Oliveira, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Graduado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC/MINAS (2001). Graduado em Arquivologia pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (2016). Especialista em Gestão de Arquivos pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2017). Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina - PPGE/UFSC (2019). Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina - PPGE/UFSC. Arquivista na Universidade Federal Minas Gerais desde fevereiro de 2019. Integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas Educação e Sociedade Contemporânea - NEPESC e do Núcleo de Pesquisa e Estudos Arquivos Contemporâneos - NUPEAC na Universidade Federal de Santa Catarina.

Alexandre Fernandez Vaz, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, 1995), onde estudou com Selvino Assmann e Marli Auras, e Doutor em Ciências Humanas e Sociais (Dr. Phil.) pela Gottfried Wilhelm Leibniz Universität Hannover, Alemanha, onde estudou, entre outros, com Detlev Claussen, Andreas Trebels, Oskar Negt e Regina Becker-Schmidt. Frequentou ainda os cursos de Psicologia (UFSC, IMES) e de Sociologia, Filosofia e Psicologia Social (Universidade de Hannover). Na UFSC desde 1998, foi Coordenador Geral de Pesquisa do Centro de Ciências da Educação e membro da Câmara de Pesquisa da instituição. É professor permanente dos programas de Pós-graduação em Educação (mestrado e doutorado) e Interdisciplinar em Ciências Humanas (Doutorado), e coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Educação e Sociedade Contemporânea. É representante da UFSC no Núcleo Disciplinar de Educação para a Integração da Associação de Universidades Grupo Montevidéu (AUGM) ? (Portaria n 13/2019/SINTER, 19/12/2019). É bolsista de produtividade em pesquisa CNPq desde 2005, nível 1 a partir de 2014 (atualmente 1C). Foi Pesquisador Visitante (Gastwissenschaftler) na Gottfried Wilhelm Leibniz Universität Hannover, no Instituto de Sociologia (Área de Trabalho: Teoria Sociológica) e desenvolveu pesquisa pós-doutoral nos Arquivos da Academia das Artes de Berlim. Desde 2006 vem atuando como Professor Visitante na Universidad Nacional de La Plata, Argentina, na Universidad de Antioquia, na Colômbia, e na Universidad de La República e na ACJ, Uruguai. Tem colaborado com instituições de pesquisa como SCIELO, DAAD (Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico), Fundação Humboldt (Alemanha), CSIC (Comisión Sectorial de Investigación Científica Uruguay) e Secretaria de Ciencia y Tecnica (UNLP Argentina), além de CNPq, CAPES, FAPESP e outras fundações estaduais de pesquisa. Desde 2002, com exceção de três anos, compõe a Comissão interna de avaliação e acompanhamento, do CED, do programa PIBIC/UFSC/CNPq, tendo a coordenado por oito anos. Neste tempo avaliou o programa representando o CNPq em várias instituições, como UFMS, UDESC, UNESC, UNIOESTE. É editor dos Cadernos de Formação RBCE e da Contemporânea: uma quase revista, publicação destinada ao debate crítico sobre cultura e sociedade. Foi editor-chefe da Revista Brasileira de Ciências do Esporte, durante dez anos, e editor-adjunto da Extensio: revista de extensão da UFSC, durante um ano e meio. É revisor de duas dezenas de periódicos, no Brasil e no exterior, assim como componente de comitês e comissões editoriais de diversas revistas, no Brasil, Argentina, Colômbia, Espanha. Compôs a comissão de avaliação quadrienal dos programas de pós-graduação interdisciplinares (Câmara 2, Humanidades), na CAPES (2017). Atua eventualmente como tradutor do Alemão, do Espanhol e do Inglês ao Português. Suas principais publicações se referem à Teoria Social Contemporânea, Estética, Sociologia da Cultura e da Política e Processos de Escolarização, com ênfase nas experiências corporais.

Referências

BENITES, Afonso; BETIM, Felipe. Bolsonaro rompe isolamento e vai a atos contra o Congresso em meio à crise do coronavírus. El Pais, 15 mar., 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-03-15/bolsonaro-rompe-isolamento-e-endossa-atos-contra-congresso-em-meio-a-crise-do-coronavirus.html. Acesso em: 13 maio 2020.

BARROS, Marcelo Vinícius Miranda. Bolsonaro ao dizer “eu sou a Constituição”, assume um erro filosófico e psicológico. Jornal GGN, 06 maio, 2020. Disponível em: https://jornalggn.com.br/artigos/bolsonaro-ao-dizer-eu-sou-a-constituicao-assume-um-erro-filosofico-e-psicologico-por-marcelo-v-miranda-barros/. Acesso em 24 maio 2020.

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Autêntica, 2013.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BOURDIEU, Pierre. Campo de poder, campo intelectual. Buenos Aires: Folios, 1983

BOURDIEU, Pierre. O campo político. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 5, p. 193 216, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103 33522011000100008&script=sci_arttext. Acesso em: 24 maio 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-33522011000100008

CHAVES, Wilson Camilo. O estatuto do real em Lacan: dos primeiros escritos ao seminário VII, a ética da psicanálise. Paidéia, Ribeirão Preto/SP, v. 16, n. 34, p. 161-168, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/paideia/v16n34/v16n34a04.pdf. Acesso em: 13 maio 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-863X2006000200004

COLON, Leandro. Moro pede demissão após troca na PF, e Bolsonaro tenta reverter. Folha de São Paulo, 23 abr. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/04/bolsonaro-avisa-moro-que-vai-trocar-diretor-geral-da-policia-federal.shtml. Acesso em: 13 maio 2020.

CORONAVÍRUS: a OMS declara pandemia. BBC News Brasil, 11 de março de 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-51842518. Acesso em: 13 maio 2020.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994, v I.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: formação do Estado e Civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1993, v. II.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção: [Homo Sacer, II, I]. Rio de Janeiro: Boitempo Editorial, 2015.

AGAMBEN, Giorgio. La invencion de una epidemia. In. AGAMBEN, Giorgio et al. Sopa de Wuhan. ASPO (Aislamiento Social Preventivo y Obligatorio), 2020. p. 17-19.

GLOSSÁRIO DE LACANÊS. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs0804200106.htm. Acesso em: 13 maio 2020.

GODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Estado de exceção e anormalidade constitucional no contexto da CF. In. Boletim de Notícias do CONJUR, 29 mar. 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-mar-29/embargos-culturais-estado-excecao-anormalidade-constitucional. Acesso em: 24 maio 2020.

MORI, Letícia. Como ordem de Bolsonaro para comemorar golpe de 1964 se transformou em problema para as Forças Armadas. BBC NEWS, 29 mar. 2019. Acesso em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47741593. Acesso em: 24 maio 2020.

NOBRE, Marcos. Marcos Nobre ao EL PAÍS: “Bolsonaro tenta destruir as instituições por dentro”. Professor da UNICAMP e presidente do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP) conversou sobre a crise no Governo Bolsonaro. Entrevista faz parte de série multiplataforma do jornal. EL PAIS, 04 jun. 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-06-03/el-pais-entrevista-ao-vivo-o-filosofo-marcos-nobre-nesta-quinta-feira.html. Acesso em: 04 jun. 2020.

SAFATLE, Vladimir. Estética do real: pulsão e sublimação na reflexão lacaniana sobre as artes. O tempo, o objeto e o avesso: ensaios de filosofia e psicanálise. Belo Horizonte: Autêntica, p. 116-117, 2004.

SIMANKE, Richard Theisen. A letra e o sentido de “retorno a Freud’ de Lacan: a teoria como metáfora. In: SAFATLE, Vladimir (org.). Um limite tenso: Lacan entre a filosofia e a psicanálise. UNESP, 2003. p. 277-303.

SONTAG, Susan. A doença como metáfora. Rio de Janeiro: Graal, 2002.

WEBER, Max. Política como vocação. In: BOTELHO, André (org.). Essencial Sociologia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p. 153-176.

WEBER, Max. Ciência como vocação. In: BOTELHO, André (org.). Essencial Sociologia. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p. 140-151.

Publicado
26/09/2020
Como Citar
OliveiraG. F. S.; VazA. F. Uma sociologia compreensiva sobre política e pandemia no Brasil. P2P E INOVAÇÃO, v. 7, n. 1, p. 86-100, 26 set. 2020.