A economia solidária como resposta à crise pandêmica e fator de outro tipo de desenvolvimento

  • André Ricardo de Souza Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) https://orcid.org/0000-0001-5224-3117
  • Fausto Augusto Júnior Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese)
Palavras-chave: Crise pandêmica, Desigualdade, Economia Solidária, Políticas Públicas, Economia de Francisco e Clara

Resumo

O artigo ressalta aspectos da desigualdade e da profunda crise econômica que afeta o Brasil em face da pandemia Covid-19, apontando a economia solidária como um importante conjunto de práticas no enfrentamento dessa realidade. Discute aspectos que envolvem os empreendimentos econômicos solidários e o seu entorno, apresentando propostas não só para a preservação, mas também para o fortalecimento deles, na perspectiva de um possível outro tipo de desenvolvimento socioeconômico no cenário pós-pandemia.

Biografia do Autor

André Ricardo de Souza, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Doutor em sociologia pela USP e professor adjunto de sociologia do Departamento de Sociologia da UFSCar.

Fausto Augusto Júnior, Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese)

Graduado em ciências sociais pela Universidade de São Paulo (USP) e atual Diretór Ténico do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

Referências

AZEVEDO, Alessandra Bandeira A. & GITAHY, Leda. The Cooperative Movement, self-management, and cooperativeness: the case of Mondragón Corporación Cooperativa. Working USA: The Journal of Labor and Society, v. 13, 2010, p. 5-29.

BATEMAN, George Robert. The Transformative potential of Participatory Budgeting: creating an ideal democracy. Abingdon: Routledge, 2019. DOI: https://doi.org/10.4324/9780429319693

BERNSTEIN, Edward. Evolutionary socialism: a criticism and an affirmation. Nova York: Schocken Books, 1961.

BERTUCCI, Ademar de Andrade & SILVA, Roberto Marinho Alves. 20 anos de economia popular solidária: trajetória da Cáritas Brasileira dos PACs à EPS. Brasília: Cáritas Brasileira, 2003.

BITTENCOURT, Gilson Alceu. Sistema Cresol de Cooperativas de Crédito Rural: uma experiência de economia solidária entre os agricultores familiares. In: SINGER, Paul; SOUZA, André Ricardo de (Org.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000, p. 193-220.

CASTRO, Bárbara Geraldo de. O socialismo de Paul Singer e os limites de seu projeto político de economia solidária. Org & Demo, v. 11, n.2, p. 2010, p. 23-43. DOI: https://doi.org/10.36311/1519-0110.2010.v11n2.491

CATTANI, Antonio David (Org.). A outra economia. Porto Alegre: Veraz, 2003.

DAGNINO, Renato. O “dia depois” do coronavírus: explicando a “solucionática”. Revista Fórum, 15 abr 2020. Disponível em: https://revistaforum.com.br/debates/o-dia-depois-do-coronavirus-explicando-a-solucionatica-por-renato-dagnino/. Acesso em: 05 ago. 2020.

DEFOURNY, Jacques, FAVREAU, Louis, LAVILLE, Jean-Louis (Org.). 1997. Inserción y nueva economía social. CIRIEC - Espanha. Valência: IUDESCOOP, 1997.

DUTRA, Olívio; BENEVIDES, Maria Victoria. Orçamento Participativo e Socialismo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

FORTE, Joannes Paulus Silva. Ao embalo da rede: o processo sociopolítico de regulação da economia solidária no Brasil. 2019. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade de Campinas, Campinas.

GAIGER, Luiz Inácio. (Org.). Sentidos e experiências da economia solidária no Brasil. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

GUIMARÃES, Gonçalo. Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares: contribuição para um modelo alternativo de geração de trabalho e renda. In: SINGER, Paul & SOUZA, André Ricardo de (Org.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000, p. 111-122.

GUIMARÃES, Nahas Valeska; KOROSUE, Aline; CORRÊA, Fernanda Z. M. Empreendimentos autogeridos em Santa Catarina: uma alternativa democrática à produção. In: PICCININI, Valmíria; HOLZMANN, Lorena; KOVÁCS, Ilona; GUIMARÃES, Valeska Nahas. (Org.). O mosaico do trabalho: persistências e inovações. Porto Alegre: Editora da UFRG, 2006, p. 293-324.

JEANTET, Thierry. L´Economie sociale européenne ou la tentation de la démocracie em toutes choses. Paris: CIEM Edition, 2001.

KASMIR, Sharryn. The Myth of Mondragón: Cooperatives, Politics and Working-Class Life in a Basque. Town.Albany: State University of New York Press, 1996.

LUXEMBURGO, Rosa. Reforma social ou revolução. São Paulo: Global, 1986.

MAGALHÃES, Reginaldo Sales; TODESCHINI, Remígio. Sindicalismo e economia solidária: reflexões sobre o projeto da CUT. In: SINGER, Paul; SOUZA, André Ricardo de (Orgs.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000, p. 135-160.

MARX, Karl. O Capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.

MENEZES, Maria Thereza. C. G de. Elementos para uma crítica marxista. Rio de Janeiro: Gramma, 2007.

MONZÓN, José Luis. 2006. Economía Social y conceptos afines: fronteras borrosas y ambigüedades conceptuales del tercer sector. CIRIEC - Espanha, n. 56, 2006, p. 9-24.

NAKANO, Marilena. Anteag: a autogestão como marca. In: SINGER, Paul; SOUZA, André Ricardo de (Orgs.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000, p. 65-80.

ODA, Nilson Tadashi. Sindicato e cooperativismo: os metalúrgicos do ABC e a Unisol Cooperativas. In: SINGER, Paul; SOUZA, André Ricardo de (Orgs.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000, p. 93-110.

PARIJS, Philippe Van. Real Freedom for all: what (if anything) can justify capitalism?. Oxford: Oxford University Press, 1995.

PIRES, Aline Suelen. As fábricas recuperadas no Brasil: o desafio da autogestão. São Carlos: EDUFSCar e FAPESP, 2016.

SEGUNDO, João Joaquim de Melo Neto; MAGALHÃES, Sandra. Bancos comunitários. Mercado de Trabalho. Dossiê Economia Solidária e Políticas Públicas. n. 41, 2009, p. 21 26.

SARRIA ICAZA, Ana Mercedes & FREITAS, Marcelo (Org.). O Projeto Esperança /Cooesperança e a construção da economia solidária no Brasil: relato de uma experiência. Porto Alegre: Cáritas Brasileira, 2006.

SILVA, Sandro Pereira; Carneiro, Leandro Marcondes. Os novos dados do mapeamento de economia solidária no Brasil: nota metodológica e análise das dimensões socioestruturais dos empreendimentos. Brasília: IPEA, 2016.

SINGER, Paul; SOUZA, André Ricardo de (Org.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. São Paulo, Contexto, 2000.

SINGER, Paul. Uma utopia militante: repensando o socialismo. Petrópolis: Vozes, 1998.

SINGER, Paul. Desenvolvimento capitalista e desenvolvimento solidário. Estudos Avançados. v. 18, n. 21, 2004, p. 7-22. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000200001

SOUZA, André Ricardo de. Os laços entre igreja, governo e economia solidária. São Carlos: EDUFSCar e FAPESP, 2013.

SOUZA, André Ricardo de. Pilares da Economia de Francisco e Clara e o enfrentamento da profunda crise. Contemporânea. Revista de Sociologia da UFSCar. Sessão Especial Covid-19, v. 10, n. 1, 2020. (No prelo).

SOUZA, André Ricardo de. Um exame da economia solidária. Otra economía. v. 5, n. 9, 2011, p. 173-184. DOI: https://doi.org/10.4013/otra.2011.59.05

SUPLICY, Eduardo Matarazzo. Renda básica de cidadania: a saída é pela porta. São Paulo: Cortez e Fundação Perseu Abramo, 2013.

VALLE, Rogério. Autogestão: o que fazer quando as fábricas fecham?. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.

WHYTE, Willian Foote & WHYTE, Kathleen King. Making Mondragón: the growth and dynamics of the Worker Cooperative Complex. Ithaca: ILR Press, 1988.

Publicado
26/09/2020
Como Citar
SouzaA. R. de; Augusto JúniorF. A economia solidária como resposta à crise pandêmica e fator de outro tipo de desenvolvimento. P2P E INOVAÇÃO, v. 7, n. 1, p. 8-25, 26 set. 2020.