Tensões e conflitos na vigilância digital de pessoas para controle da pandemia de COVID-19

a construção de smart cities, humanismo e esfera pública

  • Clovis Ricardo Montenegro de Lima Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)
  • Elisângela dos Santos Faustino Röder Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER)
  • Flavia da Silva Carvalho Universidade Federal Fluminense (UFF)
  • Helen Fischer Günther Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Palavras-chave: Smart Cities, Política deliberativa, Vigilância digital, COVID-19

Resumo

Neste artigo queremos discutir as tensões e os conflitos na construção de Smart Cities no Brasil, particularmente em relação a geolocalização de pessoas para controle da pandemia de COVID-19. Em primeiro lugar, cabe discutir o conceito de Smart Cities, particularmente sua origem e evolução. As cidades inteligentes estão vinculadas ao uso generalizado de tecnologias digitais, especialmente as tecnologias de informação e comunicação. Destaca-se a possibilidade de vigilância sobre indivíduos através de procedimentos digitais de geolocalização. Questiona-se tanto a abordagem de que as tecnologias - como forças produtivas - são neutras, quanto aquelas que as consideram essencialmente perversas. Há um destaque para a crítica humanística da tecnologia, que subordina o uso das tecnologias aos interesses e a dignidade humana. Por fim, é investigado o caso de conflito em torno da geolocalização das pessoas nas cidades para vigilância e controle da pandemia de COVID-19. Este caso atualiza a tensão entre interesses comunitários e liberdades individuais na esfera pública. Indica-se a política deliberativa como modo de composição entre a liberdade e os interesses comunitários, bem como para acordar diretrizes e métodos para a construção de Smart Cities.

Biografia do Autor

Clovis Ricardo Montenegro de Lima, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)

Doutor em Administração e em Ciência da Informação. Pesquisador do IBICT.

Elisângela dos Santos Faustino Röder, Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER)

Mestre em Ciência da Informação. Tutora na Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER).

Flavia da Silva Carvalho, Universidade Federal Fluminense (UFF)

Mestranda em Sociologia e Direito - Universidade Federal Fluminense.

Helen Fischer Günther, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Pesquisadora e Docente na Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina).

Referências

AGAMBEN, G. Meios sem fim: notas sobre política. Trad. Davi Pessoa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

ALVES, M. A.; DIAS, R. C.; SEIXAS, P. C. Smart Cities no Brasil e em Portugal: o estado da arte. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2175-3369.011.e20190061. Acesso em: 02 jul. 2020.

ARENDT, H. Entre passado e futuro. Trad. Mauro W. Barbosa. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

CARAGLIU, A.; DEL BO, C.; NIJKAMP, P. Smart cities in Europe. 3rd Central European Conference in Regional Science – CERS, 2009. Disponível em: https://inta aivn.org/images/cc/Urbanism/background%20documents/01_03_Nijkamp.pdf. Acesso em: 5 set. 2020.

CHRIST, O. Martin Heidegger‘s Notions of World and Technology in the Internet of Things age. Asian Journal of Computer and Information Systems, v. 3, n. 2, apr. 2015.

CURITIBA SMART CITY. Disponível em: http://www.microsofttranslator.com/bv.aspx?from=pt&to=en&a=http://urbs.curitiba.pr.gov.br/. Acesso em: 6 set. 2020.

DE WAAL, M., SOFRONIE, S. ROIBÁS, A. Internet of Things: what is it? Disponível em: http://www.theinternetofthings.eu/internet-of-things-what-is-it%3F. Acesso em: 6 set. 2012.

FERREIRA, W. J. A questão do fim da filosofia e a tarefa do pensamento na era da técnica planetária. Princípios: Revista de Filosofia. v. 20, n. 33, jan-jun. 2013, p. 485-529.

GIFFINGER, R.; KRAMAR, H.; HAINDLMAIER, G.; STROHMAYER, F. Smart cities: ranking of european medium-sized cities, 2007. Disponível em http://www.smart-cities.eu. Acesso em ago. 2020.

HABERMAS, J. Concluding comments on empirical approaches to deliberative politics. Acta Politica, International Journal of Political Science, v. 40, n. 3, 2005, p. 384-392.

HABERMAS, J. Los problemas éticos de la pandemia. In: Le Monde, 16 abr. 2020. Disponível em: https://www.aceprensa.com/sociedad/etica/habermas-los-problemas-eticos-de-la-pandemia/?fbclid=IwAR1AirLFNDNaIE2wYTCEnA1-zuOzvOo7FAFomF4t2YSrf4QibrKLyUMjch0. Acesso em: 20 set. 2020.

HAN, B. La emergencia viral y el mundo de mañana. In: Sopa de Wuhan: pensamiento contemporáneo en tiempos de pandemias. Agamben G, Zizek S, Nancy JL, Berardi F, Petit SL, Butler J, Badiou A, Harvey D, Han B-C, Zibechi R, Galindo M, Gabriel M, González GY, Manrique P, Preciado PB. ASPO (Aislamiento Social Preventivo y Obligatorio); 2020. 188 p. Disponível em: https://bit.ly/sopadewuhan. Acesso em: 6 set. 2020.

KLEIN, N. Naomi: Corporações tentam acelerar distopia tech. Outras mídias, São Paulo, mai.2020. Disponível em: https://outraspalavras.net/outrasmidias/naomi-corporacoes-tentam-acelerar-distopia-tech/. Acesso em: 8 set. 2020.

LEMOS, A. Smart cities, internet of things and performative sensibility, brief analysis on Glasgow, Curitiba and Bristol´s initiatives. Revista P2P Inovação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 80-95, 20 mar. 2017. Disponível em: http://revista.ibict.br/p2p/article/view/3821. Acesso em: 25 ago. 2020.

LOPARIC, Z. Heidegger e a pergunta pela técnica. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, série 3, v. 6, n. 2, p. 107-138.

LUBENOW, J. A. Esfera Pública e Democracia Deliberativa em Habermas: Modelo teórico e discursos críticos. Kriterion, n. 121, p. 227-258, jun. 2010.

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial. Trad. Giasone Rebuá. 4a. Ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

MOODBURGER, L. B. A origem da obra de arte de Martin Heidegger: tradução, comentários e notas. 2007. 149 p. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Filosofia. UFPR, Curitiba/PR.

NEIROTTI, P.; DE MARCO, A.; CAGLIANO, A. C.; MANGANO, G.; SCORRANO, F. Current trends in Smart City initiatives: Some stylised facts. Cities, v. 38, jun. 2014, p. 25-36.

OWEN, T. The violence of algorithm. Foreign Affairs, 2015. Disponível em: https://www.foreignaffairs.com/articles/2015-05-25/violence-algorithms. Acesso em: 6 set. 2020.

PISANI, M. M. Tecnologia e Política em Marcuse. Revista Cult, São Paulo. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/tecnologia-e-politica-em-marcuse/. Acesso em ago. 2020.

ROBINSON, K. S. The coronavirus is rewriting our imaginations. The New Yorker, 1 mai. 2020. Disponível em: https://www newyorker com.cdn.ampproject.org/c/s/www.newyorker.com/culture/annals of inquiry/the coronavirus and our future/amp. Acesso em: 1 set. 2020.

SANTANA, E. F. Z. InterSCSimulator: A Scalable, Open Source, Smart City Simulator. Tese de doutorado (USP). Instituto de Matemática e Estatística, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

TAULLI, T. Coronavirus: Can AI (Artificial Intelligence) make a difference? Forbes. Disponível em: https://www.forbes.com/sites/tomtaulli/2020/02/02/coronavirus-can-ai-artificial-intelligence-make-a-difference/. Acesso em: 31 ago. 2020.

ZWITTER, A. The rule of law in times of crisis - a legal theory on the state of emergency in the liberal democracy. Archives for Philosophy of Law and Social Philosophy, v. 98, n. 1, 2012, p. 95-111.

ZWITTER, A.; GSTREIN, O. J. Big data, privacy and COVID-19 – learning from humanitarian expertise in data protection. Journal of International Humanitarian Action, n. 5, v. 4, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s41018-020-00072-6. Acesso em: 20 set. 2020.

Publicado
26/09/2020
Como Citar
LimaC. R. M. de; RöderE. dos S. F.; CarvalhoF. da S.; GüntherH. F. Tensões e conflitos na vigilância digital de pessoas para controle da pandemia de COVID-19: a construção de smart cities, humanismo e esfera pública. P2P E INOVAÇÃO, v. 7, n. 1, p. 241-257, 26 set. 2020.