Autoavaliação

um olhar de inovação para a avaliação da aprendizagem das novas gerações

Autores

  • Vivian Lely Fasolo Marxreiter UFSC
  • Graziela Grando Bresolin
  • Patricia de Sá Freire

DOI:

https://doi.org/10.21721/p2p.2021v7n2.p46-62

Palavras-chave:

Autoavaliação, Inovação na educação, Metodologias ativas, Avaliação, Nativos digitais

Resumo

Um dos grandes desafios da atualidade para o sistema educacional, consiste em considerar a participação o aluno durante o processo avaliativo respeitando sua autonomia e controle sobre sua aprendizagem, de modo a tornarem-se agentes da construção de seu próprio conhecimento. Diante deste contexto, chega-se à seguinte pergunta de pesquisa que deu origem a este artigo: Como inovar no proceso de avaliação da aprendizagem das novas gerações utilizando-se da autoavaliação? A partir de uma pesquisa teórica bibliográfica, o objetivo é analisar a autoavaliação como instrumento de inovação no proceso de avaliação da aprendizagem das novas gerações. Os resultados demonstram que a autoavaliação favorece a autonomia e inovação no processo de avaliação, além de atender as necessidades e expectativas de aprendizagem das novas gerações, visto que proporciona autonomia e responsabilidade no processo de aprendizagem e autoanálise de seu desempenho. Proporcionando também subsídio para aplicação da autoavaliação em aula para motivar o aluno jovem durante o processo de ensino, aprendizagem e avaliação. Auxilia tanto no planejamento, acompanhamento, avaliação dos resultados de ensino e aprendizagem. Conclui-se que se faz necessário repensar as concepções e os princípios avaliativos, tendo em vista que a avaliação é peça-chave no acompanhamento dos processos de aprendizagem e autonomia tornando-se uma tarefa didática necessária, permanente para acompanhar o progresso da aprendizagem e na autogestão da prática educacional, para a tomada de decisão e no planejamento didático.

Referências

ARAUJO, Z. R.; ALVARENGA, G. M. Portfólio: uma alternativa para o gerenciamento das situações de ensino e aprendizagem. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 17, n. 35, set./dez.2006.

ASBAHR, F. S. F. Sentido pessoal e projeto político pedagógico: análise da atividade pedagógica a partir da psicologia histórico cultural. 2014.. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, 2014.

BACICH, L.; MORÀN, J. (orgs.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: umaabordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso,2018.

BERNARDES, C. e MIRANDA, F. B. Portefólio. Uma escola de competências. Porto: Porto Editora, 2003.

BOUD, D. Enhancing learning through self assessment. Oxon: RoutledgeFalmer, 1995.

BRESOLIN, G. G. Modelo andragógico de plano de aula à luz das teoriasda aprendizagem experiencial e expansiva.2020. 305 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

CAMARGO, F.; DAROS, T. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Fausto Camargo, ThuinieDaros. Porto Alegre: Penso,2018.

CAVALARI, S. M. S. A auto-avaliação em um contexto de ensino-aprendizagem de línguas em tandem via chat. 2009. 243f.Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2009.

COUTO, E. S.; COUTO, E. S.; CRUZ, I. D. M. P. # fiqueemcasa: educação na pandemia da COVID-19. Interfaces Científicas-Educação, v. 8, n. 3, pp. 200-217, 2020. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/educacao/article/view/8777/3998. Acesso em 20 jan.de 2021.

DELORS, J. Educação: UmTesouro a Descobrir. 7ª ed. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Brasília, Cortez: 2012.

DICIONÁRIO Online de Português. Porto: 7Graus, 2020. Disponível em: https://www.dicio.com.br/risco/. Acesso em 27 de julho2020.

DUARTE, N. Vigotsky e o “aprender a aprender”: críticas às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 5. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2011.

ELLIS, A. K. Teaching learning & assessment together: the reflexiveclassroom. Larchmont, New York: EyeonEducation,2001.

FERNANDES, D. et al. Redes multiplicativas e soletos: Aprendizagens matemáticas com sentido. Atas do XXVI Seminário de Investigação em Educação Matemática, 2015. p. 264-280.

FREIRE, P. de S.; BRESOLIN, G. G. As novas competências exigidas à tríade educacional para apoiar a formação do novo jovem adulto universitário. Revista NUPEM, Campo Mourão, v. 12, n. 27, p. 129-143, set./dez. 2020. Disponível em: http://revistanupem.unespar.edu.br/index.php/nupem/article/view/826/457. Acesso em 10 de fevereiro 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 53. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GIL, A. C. Didática do ensino superior. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2018.

GLASSER, W. Choice Theory: A New Psychology of Personal Freedom. The William Glasser Institute. 1998.

HOFFMANN, J. Avaliação: mito e desafio – uma perspectiva construtivista. 41 ed. Porto Alegre: Mediação, 2011.

KENSKI, V.M. A avaliaçãoda aprendizagem. In: VEIGA. Repensando a didática. Campinas: Papirus,1995.

LIBÂNIO, J. B. Introdução à vida intelectual. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. 1. ed. São Paulo: Cortez,2010.

MARTÍNEZ PÉREZ, L. F. A abordagem de questões sociocientíficas na formação continuada de professores de ciências: contribuições e dificuldades. 2010. 351 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, 2010.

MARTINS, V.; ALMEIDA, J. Educação em Tempos de Pandemia no Brasil: Saberesfazeres escolares em exposição nas redes. Revista Docência e Cibercultura, v. 4, n. 2, p. 215-224, 2020. Disponível: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/re-doc/article/view/51026/34672. Acesso em 20 jan. de 2021.

MORAN, J. M. A educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. Campinas, SP: Papirus, 5ed, 2012.

MULIK, K.; VIANI, J. P. Autoavaliação e avaliação docente no processo de aprendizagem: uma experiência no pibid-inglês da UFPR. Revista X, v. 1, n. 0.2, 2015. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/37734. Acesso em: 12 setembro. 2020.

MURÇÓS, A. P. da C. Errar faz parte de aprender: instrumentos alternativos de avaliação da aprendizagem na disciplina de Inglês no 2º Ciclo. 2014. 185 f. Tese (Doutorado), 2014.

OLIVEIRA, D. Construção de instrumento de avaliação da aprendizagem em escola montessoriana. 2010. 52 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Avaliação) – Fundação Cesgranrio, 2010.

PACHECO, J.; PACHECO, M. de F. A avaliação da aprendizagem na Escola da Ponte. Rio de Janeiro: Editora wak,2012.

PALFREY, J.; GASSER, U. Nascido na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed. 2011.

PUNHAGUI, Giovanna Chimentao; DE SOUZA, Nadia Aparecida. A autoavaliação na aprendizagem de língua inglesa: subsídio para reconhecimento da própriaaprendizagem e gestão do erro. Roteiro, v. 37, n. 2, p. 265-294, 2012.

SANTOS, L. Auto-avaliação regulada: porquê, o quê e como? Lisboa: Ministério de Educação. Departamento do Ensino Básico. 2002, p. 75-84.

SEE/SP - Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. São Palo, 2019. Disponível em: http://www.escoladeformacao.sp.gov.br/portais/Portals/84/docs/pdf/curriculo_paulista_26_07_2019. Acesso em: 21 agosto. 2019.

SILVA, B. Desafios à docência online na cibercultura. In: J. A. Carlinda Leite, A. Mouraz,C. Leite, J. A. Pacheco, A. F. Moreira, & A. Mouraz (Eds.). Políticas, Fundamentos e Práticas do Currículo. Porto, Portugal: Porto Editora, p. 206-218, 2011.

SILVA, I. P. Estilos de aprendizagem e materiais didáticos digitais nos cursos de licenciatura em matemática a distância. 2015. 122 f. Dissertação (Mestrado) - Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual da Paraíba, 2015.

SILVA, K. A. da; BARTHOLOMEU, M. A. N.; CLAUS, M. M. K. Autoavaliação: uma alternativa contemporânea do proceso avaliativo. Revista Brasileira de Linguística aplicada, Belo Horizonte, v. 7, n. 1, p. 89-115,2007.

SILVA, R. C. A Auto-avaliação como instrumento de conscientização de alunos de um curso de especialização lato sensu. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v.10, n.2, p. 101-115, 2007.

SOARES, M. M. Autoavaliação para a aprendizagem: um modelo para os 2.º e 3.º ciclos do ensino básico. Tese. 2013. (Doutorado em Supervisão Pedagógica e Formação de Formadores) - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2013.

TAN, K. Conceptions of self-assessment: what is needed for long-term learning?. In: BOUD, D; FALCHIKOV, N. Rethinking assessment in higher education: learning for the longer term. Oxon: Routledge,2007.

TEXEIRA, K. L. Aprendizagem baseada em projetos: estratégias para promover a aprendizagem significativa. In: BRITO, G.S.; ESTEVAM, M.; CAMAS, N.P.V. (Orgs.). Metodologias pedagógicas inovadoras: contextos da educação básica e da educação superior. Curitiba: Editora IFPR, 2018.

THURLER, M. G. Inovar no interior da escola. Porto Alegre: Artmed, 2001.

VASCONCELLOS, C. S. Avaliação: concepção dialético-libertadora do processo de avaliação escolar. 11. ed. São Paulo: Libertad,2006.

VEEN, W.; VRAKKING, B. Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed.2009.

VIEIRA, I. M. A.A autoavaliação como instrumento de regulação da aprendizagem. 2013. 161 f. Dissertação (Mestrado) – Mestrado em Supervisão Pedagógica, Universidadede Lisboa,2013.

VILARINHO, L. R. G.; FERREIRA, F. I. O. Redes sociais on-line: implicações na vida escolar de alunos do ensino médio. Educação e Tecnologia: Revista do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. Belo Horizonte, v. 17, 2012.

VILLAS BOAS, B. M. de F. Virando a escola pelo avesso por meio da avaliação. Campinas: Papirus, 2008.

Downloads

Publicado

15/03/2021

Como citar

MARXREITER, V. L. F.; BRESOLIN, G. G. .; FREIRE, P. de S. . Autoavaliação: um olhar de inovação para a avaliação da aprendizagem das novas gerações. P2P E INOVAÇÃO, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 46–62, 2021. DOI: 10.21721/p2p.2021v7n2.p46-62. Disponível em: http://revista.ibict.br/p2p/article/view/5633. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos