Logeion: Filosofia da Informação https://revista.ibict.br/fiinf <p>A Revista Filosofia da Informação é uma publicação semestral, vinculada ao Grupo de Pesquisa Filosofia e Política de Informação do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – IBICT. A fim de acolher a diversidade de abordagens teóricas e pontos de vista, a revista publica artigos, ensaios, originais e inéditos, nos idiomas português, espanhol e inglês.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp;&nbsp;http://dx.doi.org/10.21728/logeion</p> IBICT pt-BR Logeion: Filosofia da Informação 2358-7806 <p>A revista é publicada sob a licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 4.0 Internacional.</p><p>O trabalho publicado é considerado colaboração e, portanto, o autor não receberá qualquer remuneração para tal, bem como nada lhe será cobrado em troca para a publicação.</p><p>Os textos são de responsabilidade de seus autores.</p><p>É permitida a reprodução total ou parcial dos textos da revista, desde que citada a fonte.</p> Editorial https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6107 <p>Editorial</p> Clóvis Ricardo Montenegro de Lima Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 5 5 Preface https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6106 Clóvis Ricardo Montenegro de Lima Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 3 4 Apresentação https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6105 Clóvis Ricardo Montenegro de Lima Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 1 2 Mediação da informação e ação comunicativa Habermasiana https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6104 <p>Reflete sobre o potencial da mediação da informação como via de fortalecimento para o mundo social da vida ante ao processo colonizador do mundo dos sistemas, considerando as atuais demandas sociais em âmbito informacional. A Ciência da Informação é cada vez mais convidada a encontrar caminhos para refletir sobre seu objeto como motor do desenvolvimento cultural e fortalecimento do mundo social da vida, de maneira a reafirmar seu lugar enquanto ciência social. Desse modo, a mediação da informação, estando presente em todas as ações do ciclo informacional, constitui-se base sustentadora de ações que contribuem para que a Ciência da Informação cumpra com sua missão e responsabilidade sociais ante as ambivalências da sociedade. Assim, a teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas pode nos proporcionar um diálogo possível com as abordagens teóricas da mediação da informação, no sentido de encontrar pontos que convergem para eixos integradores do mundo social da vida. Nesse sentido, entende-se que o trabalho com a informação demanda pesquisadores e mediadores conscientes que, no âmbito da Ciência da Informação, desenvolvam e tomem como referência estudos da mediação da informação que envolvam esferas apontadas por Habermas como espaços em estado de vulnerabilidade.</p> Marli Batista Fidelis Henriette Ferreira Gomes Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 91 111 10.21728/logeion.2022v9n1.p91-111 Mediação da informação em presença https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6090 <p>Objetiva apresentar a proposição de mediação da informação “em presença” numa dimensão cosmopolítica. Para tanto, aborda contextos de mediação da informação e suas implicações para pesquisa, formação e atuação profissional no campo da ciência da informação e apresenta o alcance das associações entre atores humanos e não-humanos, evidenciando a agência de implicadores e implicados. Situa docente-pesquisador e profissional de informação como implicadores, e usuário e não-usuário de informação como implicados, em modos de mediação tradicional ou contemporâneo. Problematiza essa composição inicial ao dialogar com princípios de situacionalidade, de transitoriedade e de simetria dos atores. Com isso, delineou-se quatro situações: 1. Docente-pesquisador e profissional da informação podem implicar a dimensão cultural dos usuários e dos não-usuários; 2. Usuário de informação como implicador e profissional de informação como implicado; 3. Docente-pesquisador como implicado no ensino e na pesquisa sobre mediação da informação; e 4. Docente-pesquisador e profissional de informação implicam em e são implicados por atores não-humanos. Depreendeu-se que “estar em presença” em contextos mediacionais se torna um ponto de contato entre cosmologias. A abordagem coloca em relevo a transitoriedade nas condições de implicadores e implicados.</p> Rodrigo Rabello Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 62 90 10.21728/logeion.2022v9n1.p62-90 As representações sobre a pandemia nas narrativas dos jornais digitais de Porto Alegre https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6076 <p>A partir dos pressupostos teórico-metodológicos da pesquisa internacional em rede “Ciudades y comunidades imaginadas latinas en la era digital”, este artigo tem por objetivo verificar como a mídia construiu as representações sobre a pandemia de coronavírus e a cidade de Porto Alegre a partir das narrativas de jornais locais. A pesquisa foi realizada nos jornais digitais <em>Correio do Povo, Jornal do Comércio </em>e<em> O Sul,</em> no período de outubro de 2020 a dezembro de 2020. O estudo analisa às principais informações divulgadas e as imagens sobre a pandemia na cidade. As notícias sobre a pandemia privilegiaram os protocolos adotados e os impactos que a mesma trouxe para os diversos setores que envolvem a dinâmica da cidade. Conclui-se que os jornais digitais, por meio da divulgação dos conteúdos informacionais e das imagens veiculadas, exercem mediação na construção das representações sobre a pandemia na cidade.</p> Valdir Jose Morigi Luciana Milani Deise Dominique Savedra Campos Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 128 142 10.21728/logeion.2022v9n1.p128-142 Compreensões em torno da difusão cutural https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6050 <p>Trata-se de uma pesquisa sobre a Difusão Cultural enquanto ação promotora e oportuna para as manifestações culturais locais e de conhecimento informacional e histórico cultural, particularmente em Unidades de Informação (UI), cujo objetivo geral foi compreender o conceito de Difusão Cultural nas Unidades de Informação, a partir da produção científica brasileira. Para tanto, foi realizada uma pesquisa exploratória e bibliográfica com o uso do método de Revisão Sistemática de Literatura (RSL) por conta de seu caráter auditável, reprodutível, imparcial e que reduz o número de vieses na pesquisa, sendo estruturada em 7 etapas: questão de pesquisa, estratégia de busca, critérios de inclusão e exclusão, busca da literatura, avaliação e seleção dos dados, extração dos dados e síntese. As bases de dados pesquisas foram SCIELO, Repositório do IBICT, BDTD, Web of Science e BRAPCI, no período de 2000 a 2021, sendo que o software utilizado para tratamento dos dados foi o StArt. Como conclusão, verificou-se que a Difusão Cultural é utilizada como ferramenta de disseminação da informação, estruturada, dialógica e assertiva que age sobre o usuário na construção do conhecimento, na apropriação da informação e da cultura além de abrir caminhos para divulgação das UI e reconhecimento de seu papel e importância na sociedade.</p> Isadora Rolim da Silva Fabio Assis Pinho Anna Carla Silva de Queiroz Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 112 127 10.21728/logeion.2022v9n1.p112-127 Curiosidade, ambição intelectual e conhecimento https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6032 <p>A curiosidade recebe diferentes considerações ao longo dos tempos: mau hábito, luxuria, vício, e virtude. As análises de diferentes épocas e autores perpassa a religião, preconceitos e, finalmente a ciência, que a consagra. É a faculdade mais ativa na infância e adolescência e possibilita o desenvolvimento das aptidões gerais da mente. No passado remoto foi condenada pela religião e considerada a responsável pela queda da civilização adâmica assim como o infortúnio da mítica Pandora. Na atualidade, pesquisadores apontam que a curiosidade aumenta com a incerteza e desperta a busca por conhecimento. Compreender a base neural da curiosidade têm importantes implicações substantivas permitindo observar que a busca de informações é evolutivamente adaptativa. As modernas tecnologias modernas e a internet ampliam a quantidade de informações disponíveis, aumentando, portanto, os efeitos potenciais da curiosidade. O arquétipo ambição intelectual e o conceito de conhecimento são utilizados para compreender o aprimoramento do intelecto juntamente com a curiosidade.</p> Roberto Unger Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 47 61 10.21728/logeion.2022v9n1.p47-61 Questões filosóficas em torno dos estudos informacionais https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6018 <p>Trata das questões filosóficas relacionadas ao estudo da informação. Tem como problema: que questões filosóficas podem ser consideradas necessárias para a reflexão e a fundamentação em torno dos estudos informacionais? É objetivo geral do trabalho: identificar as questões filosóficas que cercam os estudos de informação. Possui como objetivos específicos: a) interseccionar Filosofia e Ciência da Informação; e b) discutir possibilidades filosóficas para o estudo da informação baseado em autores da área. Trata-se de uma pesquisa básica, de caráter qualitativo, que utilizou do levantamento bibliográfico como instrumento de coleta de dados. Os termos “Ciência da Informação”, “Filosofia da Informação”, “Filosofia”, “Filosofia da Ciência da Informação” foram pesquisados em sites acadêmicos, como a Base de Dados em Ciência da Informação (BRAPCI) e o Google Acadêmico. Discute o desenvolvimento da Ciência da Informação. Relaciona Filosofia e Filosofia da Informação. Apresenta questionamentos filosóficos sobre a informação trazidos por Floridi (2010), Ilharco (2005), Capurro (2003) e Frohman (2012).</p> Carlos Robson Souza da Silva Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 35 46 10.21728/logeion.2022v9n1.p35-46 Imersão digital e novas formas de fazer ciência https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6017 <p>A ampla utilização da Internet para inúmeras atividades levou à criação de novos paradigmas no relacionamento humano e permitiu mudanças significativas no pensamento, na construção e veiculação do conhecimento científico assim como nas estruturas sociais estabelecidas ao longo do tempo. Para refletir sobre o acesso ao conhecimento e suas formas de veiculação atual, o artigo apresenta uma revisão de literatura sobre o tema com o objetivo de compreender os principais componentes e metodologias que vêm sendo desenvolvidos pela ciência aberta principalmente como uma nova alternativa de participação social nos entornos digitais voltados à criação do conhecimento.</p> Dorival Campos Rossi Joseph Jesus Florez Cortina Copyright (c) 2022 Logeion: Filosofia da Informação https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 2022-09-13 2022-09-13 9 1 22 34 10.21728/logeion.2022v9n1.p22-34