(Anti)racismo nas redes: uma análise de interações a partir de postagens com conteúdo afrofuturista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v19i2.6650

Palavras-chave:

Análise Dialógica, Afrofuturismo, Afrofuturismo Antiracismo

Resumo

Neste estudo fazemos a descrição analítica de lógicas de interações desencadeadas a partir de postagens fundadas em conteúdo afrofuturista e disseminadas em redes sociais, com o objetivo de analisar como os participantes construíam subjetividades e discutiam questões relacionadas ao racismo e antirracismo. A pesquisa adotou uma metodologia híbrida, combinando pesquisa bibliográfica e netnografia (Kozinets, 2014), para compreender os processos de significação utilizados e as dinâmicas dialógicas desenvolvidas. Os objetivos específicos incluíram conhecer o Afrofuturismo; aplicar conceitos de análise dialógica; identificar papéis dos participantes; observar simetrias ou assimetrias nas relações; observar o cronotopo dos enunciados e analisar o horizonte temático-valorativo. Como base teórica, foram tomados conceitos e discussões suscitadas a partir das obras de Bakhtin e Volóchinov, especialmente Marxismo e filosofia da linguagem (1999) e Estética da Criação Verbal (2003) e reverberados por Brait (2008), Stam (2000) e outros. Além disso, o estudo considerou a perspectiva definida como Afrofuturismo por Dery (1994), para a partir dela discutir questões relacionadas à identidade no corpo negro. Ancorada nessa visão sociointeracional da linguagem, a análise destacou a complexidade do eu e do Outro como interlocutores em um movimento dialógico, revelando a potência do diálogo na construção e reconstrução de subjetividades

Referências

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Nova Palavra [em linha]. 6. ed., 2021. [acesso em 10 de agosto de 2022]. Disponível em: https://www.academia.org.br/nossa-lingua/nova-palavra/afrofuturismo

ALVES, Érica Fernandes; FERREIRA, Geniane Diamante. O corpo negro como lócus da negação da identidade. Graphos. v. 20 n. 2, 2018: Imagens da Mulher no Ocidente. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1516-1536.2018v20n2.44131 DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1516-1536.2018v20n2.44131

BAKHTIN, Mikhail (VOLÓCHINOV, Valentin). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieria com a colaboração de Lúcia Teixeira Wisnik e Carlos Henrique Chagas Cruz. 9. ed. São Paulo: Hucitec (Trabalho original publicado em 1929), 1999.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRAIT, Beth. Ironia em perspectiva polifônica. 2.ed. Campinas, SP: Ed. Unicamp, 2008.

COUTINHO, E. M. S. Vozes da diáspora africana: o Afrofuturismo em uma proposta didática para aulas de espanhol [em linha]. [Acesso em: 03 nov. 2023]. Disponível em: http://www.cp2.g12.br/blog/propgpec/files/2020/12/ELISACOUTINHO2018TCC.pdf

DERY, M. “Black to the future: interviews with Samuel R. Delany, Greg Tate and Tricia Rose”. In: Flame Wars: the discourse of cyberculture. Durham, NC: Duke University Press, 1994. DOI: https://doi.org/10.1515/9780822396765

FREITAS, K.; MESSIAS, J. O futuro será negro ou não será: Afrofuturismo versus Afropessimismo - as distopias do presente. Das Questões, [S. l.], v. 6, n. 1, 2018. [em linha]. [Acesso em: 03 nov. 2023]. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/dasquestoes/article/view/18706. DOI: https://doi.org/10.26512/dasquestoes.v6i6.18706

FREITAS, Kênia. Space is the place: Sun Ra, o mito no cinema. Site MULTIPLOT[em linha]. 12/04/2018. [Acesso em: 03 nov. 2023]. Disponível em: <https://multiplotcinema.com.br/2018/04/space-is-the- place-o-mito-no-cinema/>.

GERALDI, João Wanderley. Da redação à produção de textos. In: GERALDI, João Wanderley; CITELLI, Beatriz (Orgs.). Aprender e ensinar com textos de alunos. São Paulo: Cortez, 1996.

KLEIN, Geane Valesca da Cunha; KHALIL, Lucas Martins Gama. Bases para a noção de interdiscurso: o dialogismo e as formulações do interdiscurso nos estudos enunciativo-discursivos. In: JESUS, Sérgio Nunes de; FERRAREZI JUNIOR, Celso (Orgs.). Pilares da teoria dialógica do discurso: a obra de Valentin Volóchinov (da década de 1920 aos dias atuais). São Carlos: Pedro & João Editores, 2022.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

MACHADO, Fabiano Duarte. Os limites do discurso da igualdade racial no Brasil. Dissertação (mestrado em Educação Brasileira) – Universidade Federal de Alagoas. Centro de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira. Maceió, 2010.

STAM, Robert. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Ática, 2000.

TODOROV, Tzvetan. Nós e os Outros. A reflexão francesa sobre a diversidade humana. Traduzido por Sergio Goes de Paula. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

WERNECK, Alexandre. Política e ridicularização: uma sociologia pragmática da “graça” da crítica em cartazes das “Jornadas de Junho”. Interseções [online], 18 dezembro de 2019. [Acesso em 04 agosto 2023]. Disponível em: http://journals.openedition.org/intersecoes/583 DOI: https://doi.org/10.12957/irei.2019.47254

ZAILA, Lu Ain. Afrofuturismo: uma pequena palavra e uma grande complexidade cultural para a negritude. 05 de dezembro de 2019. [Acesso em 04 agosto 2023]. Entrevista concedida à página Fórum Grita Baixada. Disponível em: https://www.forumgritab aixada.org.br/entrevista-do-mes-lu-ain-zaila.

Downloads

Publicado

30/11/2023

Edição

Seção

Guerras Culturais: Informação, Política e Disputas Simbólicas

Como Citar

(Anti)racismo nas redes: uma análise de interações a partir de postagens com conteúdo afrofuturista. Liinc em Revista, [S. l.], v. 19, n. 2, p. e6650, 2023. DOI: 10.18617/liinc.v19i2.6650. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/6650.. Acesso em: 18 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 155

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.