A re-volta ecológica

a transformação digital dos modos de produção e a economia circular

Autores

  • Guilherme de Figueiredo Preger

DOI:

https://doi.org/10.21721/p2p.2022v8n2.p35-56

Palavras-chave:

Ecologia política, Transformação digital, Modo de produção, Reprodutibilidade técnica, Economia circular.

Resumo

Este artigo observa a transformação digital em curso como uma transformação do modo de produção dominante capitalista. Esta transformação foi acelerada (intensificada) pelo evento pandêmico do coronavírus. No entanto, pelo caráter parasitário do sistema capitalista, a pandemia foi representada frequentemente como uma “re-volta da natureza”. O artigo interpreta esta representação enquanto reveladora do modo recursivo da economia, isto é, como retorno, feedback, reentrada ou circularidade do ambiente (natureza) sobre o sistema (sociedade). Este modo recursivo, embora sempre presente, se tornou crítico justamente com a transformação do modo de produção. O artigo descreve essa transformação como decorrente de alterações profundas na reprodutibilidade técnica. Elas acarretam uma indistinção entre produção e reprodução do sistema e a criação de um novo valor, dito de exposição (Walter Benjamin). A transformação do modo de produção é também epistêmica, o que permite reconhecer as circularidades da economia (economia circular). Este corte epistemológico obriga a considerar a passagem da economia à ecologia política, dentro de uma perspectiva holonômica do sistema social que é transversal aos sistemas funcionais. Essa perspectiva permite resolver mais satisfatoriamente os paradoxos gerados pela circularidade dos retornos da natureza, transpondo a distinção acumulação/degradação para a distinção excedente/distribuição. Neste caso, é observado como toda mais-valia (excedente) apropriada pelo sistema capitalista corresponde a uma menos-valia ecológica.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos Ideológicos de Estado. 2ª ed. Rio de Janeiro: edições Graal, 1985.

AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. Trad. Francisco de Ambrosis Pinheiro Machado. Porto Alegre, ed. Zouk, 2012.

COLAO, Maria Magda. O modo de produção: categoria do materialismo histórico. Revista Movimento, Porto Alegre, v.12, n. 02, p. 143-169, maio/agosto de 2006. Acesso em https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/viewFile/2907/1543.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1973.

FISHER, Mark. Realismo capitalista. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

FLORIDI, Luciano. Information. A very short introduction. New York, Oxford University Press, 2010.

FLUSSER, Vilém. A Filosofia da Caixa-Preta. Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Casac Naify, 2007.

FLUSSER, Vilém. O universo das imagens técnicas: o elogio da superficialidade. São Paulo: AnnaBlume, 2008.

FLUSSER, Vilém. Há Futuro para a escrita? São Paulo: Annablume, 2010.

HARARI, Yuval. Sapiens: uma breve história da humanidade. 16ª edição. Porto Alegre: LP&M, 2016.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: Guerra e democracia na era do Império: Guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro: Record, 2005.

HEIDEGGER, Martin. A questão da técnica. Em Ensaios e Conferências, Petrópolis, Editora Vozes, 2006, p. 11-38.

KUHN, Thomas. The structure of scientific revolutions. Chicago: The University of Chicago, 1970.

LEROI-GOURHAN, André. O gesto e a palavra. 1- Técnica e linguagem. Lisboa/Rio de janeiro: Edições 70, 1990.

LYOTARD, Jen-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004.

MASON, Paul. Pós-capitalismo: Um Guia Para o Nosso Futuro. São Paulo, Cia das Letras, 2017.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. A árvore do conhecimento. As bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Editora Palas Athena, 2002.

MOROZOV, Evgney. Big tech. A ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo: editora Ubu, 2018.

POLANYI, Karl. A Grande Transformação. As Origens de nossa época. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

PREGER, Guilherme. O Colapso da Esfera Pública e a Ecologia Política das Redes. Anais do XVI Colóquio Habermas e VII Colóquio de Filosofia da Informação do IBICT – A Esfera Pública em tempos de Internet, 2021a. Acesso em https://ridi.ibict.br/bitstream/123456789/1108/1/E-book%20Coloquio%20Habermas%20final.pdf.

PREGER, Guilherme. Cenários especulativos pós-pandêmicos: a catástrofe sanitária e a economia solidária. Revista P2P Inovação, v.7, 2020. http://revista.ibict.br/p2p/article/view/5407

PREGER, Guilherme. Infodemia, pandemia e parasitas. Anais do XVII Colóquio Habermas e VIII Colóquio de Filosofia da Informação do IBICT, 2021b. Acesso em https://coloquiohabermas.files.wordpress.com/2021/11/anais-coloquio-habermas.pdf.

PREGER, Guilherme. Fábulas da Ciência: Discurso científico e fabulação especulativa. Rio de Janeiro: Gramma, 2021c.

PRIGOGINE, Ilya e STENGERS, Isabelle. A Nova Aliança. Brasília: Universidade de Brasília, 1987.

RAPOPORT, Anatol. Lutas, jogos, debates. Brasília: Universidade de Brasília, 1980.

RIFKIN, Jeremy. Sociedade com custo marginal zero. São Paulo: M Books, 2016.

ROTH, Steffen. Marginal Economy: Growth Strategies for Post-Growth. Societies, Journal of Economic Issues, 2017, 51:4, 1033-1046. https://doi.org/10.1080/00213624.2017.1391588

SERRES, Michel. The Parasite. Translated by Randolph Burks and Lawrence Schehr. Edição digital acesso em https://www.academia.edu/45684409/The_Parasite_by_Michel_Serres_translated_by_Randolph_Burks_and_Lawrence_Schehr. (2021[1978]).

SIMONDON, Gilbert. Do modo de existência dos objetos técnicos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2020.

SMYTHE, Dallas W. Communications: Blind Spot of Western Marxism. CanadianJournal of Political and Social Theory/Revue canadienne de theorie politique etsociale, Vol. 1, No. 3 (Fall/Automne 1977). Acesso em https://journals.uvic.ca/index.php/ctheory/article/view/13715.

STAMFORD DA SILVA, Artur. 10 lições sobre Luhmann. Petrópolis, ed. Vozes, 2016.

STANDING, GUY. O precariado - A nova classe perigosa. São Paulo, Autêntica, 2013.

STENGERS, Isabelle. No Tempo das Catástrofes. São Paulo, Cosac Naif, 2015.

TOMSIC, Samo. From the Orderly World to the Polluted Unworld. Publicado em: Objective Fictions. Philosophy, Psychoanalysis, Marxism, ed. by. Adrian Johnston, Botjan Nedoh and Alenka Zupan, Edinburgh University Press, 2022. Acesso em https://www.academia.edu/67048464/From_the_Orderly_World_to_the_Polluted_Unworld. Acesso em janeiro, 2022.

TRAVERSO, Enzo. Melancolia de esquerda: Marxismo, história e memória. Veneza, Editora Ayiné, 2020.

WALLACE, Rob. Pandemia e agronegócio: doenças infecciosas, capitalismo e ciência. São Paulo: Editora Elefante, 2020.

Downloads

Publicado

29/03/2022

Como citar

PREGER, G. de F. A re-volta ecológica: a transformação digital dos modos de produção e a economia circular. P2P E INOVAÇÃO, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 35–56, 2022. DOI: 10.21721/p2p.2022v8n2.p35-56. Disponível em: https://revista.ibict.br/p2p/article/view/5899. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos