A Lei Geral de Proteção de Dados e os desafios para a gestão nas organizações brasileiras na era do Big Data

Autores

  • Paulo Ricardo Silva Lima Universidade Federal de Pernambuco - UFPE https://orcid.org/0000-0002-1848-4387
  • Nadi Helena Presser Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.21721/p2p.2022v8n2.p109-120

Palavras-chave:

Cientista da informação, Proteção de dados, Gestão de dados

Resumo

O fenômeno do Big Data tem desafiado as organizações a adotarem práticas gerenciais capazes de organizar, armazenar, recuperar e garantir a proteção de dados e informações pessoais. Devido aos vazamentos, aquisições e utilização ilícita de dados nos últimos anos, o legislador brasileiro, no ano de 2018, promulgou a Lei nº 13.709, intitulada de Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), cujo objetivo é garantir direitos como a privacidade e liberdade dos cidadãos, obrigando as organizações públicas e privadas a desenvolver procedimentos que mantenham dados pessoais protegidos. O objetivo desta pesquisa foi analisar as principais ações a serem executadas pelas organizações que visam gerenciar e proteger dados no Brasil e o papel do cientista da informação. Quanto à metodologia, foi utilizado o método descritivo, numa abordagem qualitativa. A coleta de dados deu-se a partir da revisão da literatura e da pesquisa documental. Nesse contexto, compreende-se que os cientistas da informação são profissionais capacitados para executar atividades e desenvolver políticas internas de gestão e proteção de dados.

Biografia do autor

Paulo Ricardo Silva Lima, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Mestrando em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Alagoas- UFAL. Bacharel em Administração Pública pela Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL. Especialista em Gestão da Qualidade na Administração Pública - UNEAL. Especialista em Direito Administrativo na Faculdade Campos Elíseos - FCE. Pós-graduando em Gestão de Pessoas pela Faculdade Campos Elíseos - FCE. Graduando em Direito pelo Centro Universitário Tiradentes - UNIT. Assessor administrativo na Defensoria Pública do Estado de Alagoas - DPEAL. Membro da comissão de Planejamento Estratégico - Conselho Regional de Administração de Alagoas- CRA/AL.

Nadi Helena Presser, Universidade Federal de Pernambuco

Professora Titular. Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Ciência da Informação, Recife, Brasil.

Referências

ALMEIDA JÚNIOR, Oswaldo Francisco de. Dado, informação, conhecimento e inteligência. TI para Fisco, 2020. Disponível em: https://www.tiparafiscos.com.br/analise-de-informacoes/dado-informacao-conhecimento-e-inteligencia/. Acesso em: 22 mar. 2021.

BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Construção de Mapas: desenvolvendo competências em informação e comunicação. Bauru-SP: Cá entre nós, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 15 mar. 2022.

BRASIL. Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018. Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).. Lei Nº 13.709, de 14 de Agosto de 2018. Brasília, 15 ago. 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/l13709.htm. Acesso em: 23 mar. 2022.

BOYD, Danah; CRAWFORD, Kate. Six Provocations for Big Data. A decade in internet time: Symposium on the Dynamics of the Internet and Society, September 2011. Disponível em: http://softwarestudies.com/cultural_analytics/Six_Provocations_for_Big_Data.pdf. Acesso em: 18 mar. 2021.

BORKO, Harold. Information Science: what is it? American Documentation, v. 19, n. 1, p. 3- 5, jan. 1968.

BUCKLAND, Michael Keeble. Information as thing. Journal of the American Society for Information Science (JASIS), [S.l.], v.45, n.5, p.351-360, 1991.

CRESWELL, John W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo

entre cinco abordagens. Tradução: Sandra Mallmann da Rosa. 3. ed. Porto Alegre:

Penso, 2014.

FONTES, Edison Luiz Goncalves. Segurança da informação: o usuário faz a diferença. São Paulo: Saraiva, 2006.

G1. Megavazamento de dados de 223 milhões de brasileiros: o que se sabe e o que falta saber. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2021/01/28/vazamento-de-dados-de-223-milhoes-de-brasileiros-o-que-se-sabe-e-o-que-falta-saber.ghtml. Acesso em: 24 fev. 2021.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HEATH, Tom; HEATH, Tom. Linked Data: evolving the web into a global data space. Morgan & Claypool Publishers, Williston, v. 1, n. 1, p. 1-136, fev. 2011. Disponível em: https://www.morganclaypool.com/doi/abs/10.2200/S00334ED1V01Y201102WBE001. Acesso em: 22 mar. 2022.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica, 7. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

LE COADIC, Yves-François. A Ciência da Informação. Tradução de Maria Yêda F. S. de Filgueiras Gomes. Brasília: Briquet de Lemos, 1996.

LOZADA, Gisele; NUNES, Karina da Silva. Metodologia científica. Porto Alegre: Sagah, 2019.

MANYIKA, James; et al. Big Data: The Next Frontier for innovation, competition, and productivity. McKinsey Global Institute, 2011. Disponível em: https://www.mckinsey.com/~/media/McKinsey/Business%20Functions/McKinsey%20Digital/Our%20Insights/Big%20data%20The%20next%20frontier%20for%20innovation/MGI_big_data_exec_summary.ashx. Acesso em: 24 mar. 2021.

OLIVEIRA, Lucia Maria Velloso de.; PANISSET, Bianca Therezinha Carvalho.; SILVA, José Antonio da. Horizonte sobre dados pessoais no Brasil: a lei geral de proteção de dados e a autoridade nacional de dados em questão. XX Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, Anais [...], Florianópolis, 2019. Disponível em: https://conferencias.ufsc.br/index.php/enancib/2019/schedConf/presentations. Acesso em: 23 mar. 2021.

RODRIGUES, Adriana Alves; DUARTE, Emeide Nóbrega; DIAS, Guilherme Ataíde. Desafios da gestão de dados na era da big data: perspectivas profissionais. Informação & Tecnologia, v. 4, n. 2, p. 63-79, 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/101621. Acesso em: 28 mar. 2021.

SANTOS, Juliana Cardoso dos; VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Gestão da informação em ambientes organizacionais: em foco o setor têxtil e de vestuário. Inf. Prof., Londrina, v. 4, n. 1, p. 56 – 81, jan./jun. 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/infoprof/article/view/23542. Acesso em: 10 mar. 2021.

SETZER, Valdemar W. Dado, informação, conhecimento e competência. DataGramaZero, v. 0, n. 0, 1999. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/7327. Acesso em: 28 mar. 2021.

STALLING, Willian. BROWN, Lawrie. Segurança de Computadores. 2. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2014.

SYMANTEC. Pesquisa sobre Custo e Gestão da Informação: resultados da

América Latina. 2012. Disponível em: http://www.symantec.com/content/pt/br/enterprise/images/theme/state-

ofinformation/2012-SOI-PDF-LAM-PORT-v2.pdf. Acesso em: 24 mar. 2021.

WORMELL, Irene. Habilidades de gerenciamento e de empreendimento na profissão de bibliotecário e cientista da informação. Informação & Informação, v. 4, n. 1, p. 7-16, 1999. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/32888. Acesso em: 29 mar. 2021.

Downloads

Publicado

29/03/2022

Como citar

LIMA, P. R. S.; PRESSER, N. H. . A Lei Geral de Proteção de Dados e os desafios para a gestão nas organizações brasileiras na era do Big Data. P2P E INOVAÇÃO, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 109–120, 2022. DOI: 10.21721/p2p.2022v8n2.p109-120. Disponível em: https://revista.ibict.br/p2p/article/view/5918. Acesso em: 29 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos