Análise da inovação em instituições de pesquisa científica de Moçambique

o caso do Instituto de Estudos Sociais e Econômicos

Autores

  • Augusto Júnior Macucule Escola Superior de Jornalismo
  • Marta Lígia Pomim Valentim Universidade Estadual Paulista
  • Luana Maia Woida Faculdade de Tecnologia-Garça
  • Elaine da Silva Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.21721/p2p.2022v8n2.p192-215

Palavras-chave:

Cultura de Inovação, Dimensões da Inovação, Inovação em Pesquisa, Instituições de Pesquisa

Resumo

Apresenta uma revisão da literatura sobre cultura de inovação, com o objetivo de refletir sobre como se manifesta a cultura de inovação nas instituições de investigação científica, a partir das dimensões da inovação encontradas no Instituto de Estudos Econômicos e Sociais, instituição de pesquisa privada moçambicana, sem fins lucrativos, fundada no contexto da economia de mercado. As dimensões da inovação na ótica de Silva (2018), aplicadas como indicadores de análise da cultura da inovação em instituições de pesquisa foi correlacionada ao modelo proposto por Stewart (1998), por meio da medida do acompanhamento da inovação por parte da empresa 3M, consubstanciada no volume de vendas no âmbito de produtos novos, fator determinante para a medição da atratividade dos produtos por parte dos clientes desta organização. O cruzamento de medidas de análise da cultura de inovação propôs uma associação e complementaridade dos dois modelos. A revisão bibliográfica foi marcadamente constituída de literatura sobre cultura de inovação, obras constitutivas em torno do capital intelectual científico em Bourdieu (2004) e capital intelectual empresarial na perspectiva de Stewart (1998). Analisou-se 12 (doze) relatórios de atividade e 2 (dois) planos estratégicos do Instituto, como dados e informações passiveis de revelarem a cultura de inovação da instituição em análise. Conclui-se que as dimensões de inovação encontradas no Instituto quanto ao grau de novidade são incrementais, quanto ao enfoque é científico, e quanto ao grau de abrangência é local. A procura dos produtos e serviços da Instituição por parte dos stakeholders tem tendência a crescer e a consolidar-se. Entretanto, apesar de o objetivo principal do artigo ter se centrado na análise da cultura de inovação no Instituto, a partir dos indicadores das dimensões e de acompanhamento da inovação, enfocou-se mais o componente ‘inovação’, consequência da aplicação dos indicadores de cultura de inovação serem adaptados de pesquisas eminentemente voltadas para organizações empresariais. As instituições de investigação científica adotam algumas características de organizações empresariais, mais se constituem majoritariamente em organizações voltadas para o campo científico e, assim, se faz necessário construir um modelo de análise adequado às instituições de investigação.

Biografia do autor

Augusto Júnior Macucule, Escola Superior de Jornalismo

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Docente da Escola Superior de Jornalismo, Maputo, Moçambique.

Marta Lígia Pomim Valentim, Universidade Estadual Paulista

Docente na Universidade Estadual Paulista (Unesp/Marília). Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP).

Luana Maia Woida, Faculdade de Tecnologia-Garça

Professora na Faculdade de Tecnologia de Garça (Fatec-Garça). Docente colaboradora no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Unesp. Docente no Programa de Pós-Graduação em Administração da UEL. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Elaine da Silva, Universidade Estadual de Londrina

Professora Adjunta na Universidade Estadual de Londrina (UEL). Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Referências

ANTUNES, M. L.; LOPES, C.; SANCHES, T. Ciência aberta & literacia da informação: estudo de caso num centro de investigação. Ciência da Informação, Brasília, v.48, n.3, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/136380. Acesso em: 14 fev. 2022.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Unesp, 2004.

BRUNO-FARIA, M. de F.; FONSECA, M. V. de A. Cultura de inovação: conceitos e modelos teóricos. RAC: Revista de Administração Contemporânea, Maringá (PR), v.18, n.4, p.372-396, jul./ago. 2014a. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rac/a/QbZdzddgZPJdy3sPmZWWm3n/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 fev. 2022.

BRUNO-FARIA, M. de F.; FONSECA, M. V. de A. Medidas de cultura de inovação e de cultura organizacional para análise da associação com inovação. RAI: Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v.11, n.3, p.30-55, jul./set. 2014b. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rai/article/view/100214/98876. Acesso em: 14 fev. 2022.

CAHEN, M. O dever de pesquisar na periferia do mundo. In: CHICHAVA, S. (Org.) Desafios para Moçambique 2019. Maputo: IESE, 2019.

DUARTE, E. N.; FEITOZA, R. A. B.; LIMA, A. R. P. Tendências inovadoras da gestão da informação e do conhecimento na produção científica da ciência da informação. Revista P2P e Inovação, Rio de Janeiro, v.7, p.166-185, 2020. DOI: 10.21721/p2p.2020v7n1.p166-185 Acesso em: 14 fev. 2022.

FAYOL, H. Administration industrielle et générale: prévoyance, organisation, commandement, coordination, controle. Paris: Dunod; Pinat, 1918. 289p.

FERNANDES, C. Socialismo, pós-socialismo e legados intelectuais: evidências a partir do CEA (1979-1986) e do IESE (2007-2014). Maputo: CEA, 2017.

IESE. Balanço do Plano de Implementação do IESE em 2007/2008 (5 de Julho de 2007 a Junho de 2008). Maputo: IESE, 2008.

IESE. Linhas estratégicas de desenvolvimento do IESE: 2012-2015. Maputo, 2011.

IESE. Medium term strategic plan for 2008-2011-2012-2015. Maputo, 2010a.

IESE. Plano Estratégico do IESE 2016/2025. Maputo, 2015.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2009. Maputo, 2010b.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2010. Maputo, 2011.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2011. Maputo, 2012.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2012. Maputo, 2013.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2014. Maputo, 2015.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2015. Maputo, 2016.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2016. Maputo, 2017.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2017. Maputo, 2018.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2018. Maputo, 2019.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2019. Maputo, 2020.

IESE. Relatório de Atividades do IESE de 2020. Maputo, 2021.

MACHADO, D. D. P. N.; VASCONCELLOS, M. A. de. Organizações inovadoras: existe uma cultura específica que faz parte deste ambiente? Revista de Gestão USP, São Paulo, v.14, n.4, p.15-31, out./dez. 2007. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rege/article/download/36611/39332/43148#:~:text=ORGANIZA%C3%87%C3%95ES%20INOVADORAS%3A%20EXISTE%20UMA%20CULTURA%20ESPEC%C3%8DFICA%20QUE%20FAZ%20PARTE%20DESTE%20AMBIENTE%3F,-ARTIGO%20%E2%80%93%20ADMINISTRA%C3%87%C3%83O%20GERAL&text=Inova%C3%A7%C3%A3o%20tornou%2Dse%20um%20tema,competitiva%2C%20um%20segredo%20da%20organiza%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 14 fev. 2022.

NEVES, J.C. Princípios de economia política. Lisboa: Babel, 2010.

PORÉM, M. E.; GUARALDO, T. de S. B.; CABRAL, R.; ANDRELO, R. Competência em comunicação e cultura de inovação nas organizações: breves reflexões. Comunicação & Inovação, v.17, n.33, p.95-111, jan./abr. 2016. Disponível em: https://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_comunicacao_inovacao/article/view/3485/1899. Acesso em: 14 fev. 2022.

ROSSETTI, R.; BASSI, M. S. Mudanças teóricas na trajetória da Escola de Frankfurt: inovação e comunicação. Revista Eletrônica Internacional de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura, v.20, n.3, p.156-174, set./dez. 2018. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/download/155561. Acesso em: 14 fev. 2022.

SCHUMPETER, J. A. The theory of economic development: An inquiry into profits, capital, credit, interest, and the business cycle. Cambridge (Mass.): Harvard University Press, 1934. 255p. (Harvard Economic Studies 46)

SILVA, E. da; FADEL, B.; VALENTIM, M. L. P. A influência da cultura organizacional para a geração de inovação enfocando processos de gestão da informação e do conhecimento In: CUEVAS-CERVERÓ, M. A.; FERNÁNDEZ-BAJÓN, M. T. (Coords.). Políticas de informação, universidade e desenvolvimento. Brasília: Editora UnB, 2015. p.137-152. Disponível em: https://issuu.com/necfci-unb/docs/pol__ticas_de_informa____o. Acesso em: 14 fev. 2022.

SILVA, E. da. Análise de políticas públicas brasileiras em ciência, tecnologia e inovação com foco na cultura de inovação e atuação integrada de agentes do sistema de inovação. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas (SP), v.17, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8654693/20980. Acesso em: 14 fev. 2022.

SILVA, E. da; VALENTIM, M. L. P. A contribuição dos sistemas de inovação e da cultura organizacional para a inovação. Informação & Informação, Londrina (PR), v.23, n.1, 2018. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/27693/23253. Acesso em: 14 fev. 2022.

SILVA, E. da. O conhecimento científico no contexto de sistemas nacionais de inovação: análise de políticas públicas e indicadores de inovação. 281f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Marília, 2018. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/silva _e_do_mar.pdf. Acesso em: 8 nov. 2021.

STEWART, T. A. Capital intelectual: a nova abordagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TAYLOR, F. W. The principles of scientific management. New York (NY): Harper, 1911. 144p.

TIDD, J.; BESSANT, J. Gestão da inovação. 5.ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

WOIDA, L. M. Análise da ambiência inovadora com foco na cultura de inovação em micro e pequenas empresas. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (ENANCIB), 19., 22 a 26 de outubro de 2018. Anais Eletrônico... Londrina: PPGCI/UEL; ANCIB, 2018. 19p. Disponível em: http://enancib.marilia.unesp.br/index.php/XIX_ENANCIB/xixenancib/paper/view/1360/1581. Acesso em: 21 fev. 2022.

Downloads

Publicado

29/03/2022

Como citar

MACUCULE, A. J.; VALENTIM, M. L. P. .; WOIDA, L. M. .; SILVA, E. da . Análise da inovação em instituições de pesquisa científica de Moçambique: o caso do Instituto de Estudos Sociais e Econômicos. P2P E INOVAÇÃO, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 192–215, 2022. DOI: 10.21721/p2p.2022v8n2.p192-215. Disponível em: https://revista.ibict.br/p2p/article/view/5925. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.