MULHERES NEGRAS NÃO FORAM FEITAS PARA CARREGAR LIVROS: TENSIONAMENTO E RESPOSTA SOCIAL EM REDE NA FEIRA PAN-AMAZÔNICA DO LIVRO NO PARÁ

Rosaly de Seixas Brito, Lorena Cruz Esteves, Jússia Carvalho da Silva Ventura

Resumo


Este trabalho analisa a repercussão social do cartaz do “Salão do Livro da Região Sul e Sudeste do Pará”, evento da Feira Pan-Amazônica do Livro de 2018, para compreender como o processo de resposta social (BRAGA, 2006) impôs uma mudança institucional por parte da Secretaria de Cultura do Estado. O país homenageado foi a Colômbia e a peça de divulgação destacava uma mulher negra carregando livros na cabeça, representação das palenqueras. O fato gerou repercussão nas redes sociais e na mídia local e nacional. Os protestos voltaram-se contra a reiteração de uma imagem que inferioriza as mulheres negras, reproduzindo colonialidades de gênero, poder e saber. O corpuscompõe-se de postagens no Facebooke de matérias jornalísticas veiculadas em abril de 2018. Duas técnicas metodológicas foram usadas: a netnografia (RECUERO, 2012; KOZINETS, 2014) e a aplicação de um questionário online, por meio do Facebook Whatsapp.

Palavras-chave


Feira Pan-Amazônica do Livro do Pará. Resposta Social. Ativismo Digital. Racismo Institucional. Colonialidade.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AMADOR DE DEUS, Zélia. Espaços africanizados do Brasil: algumas referências de resistências, sobrevivências e reinvenções. Revista Eletrônica: Tempo-Técnica-Território, v. 3, n. 2, p. 059-071, 2013.

AMARAL, Adriana; NATAL, Geórgia; VIANA, Lucina. Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação digital. Cadernos da Escola de Comunicação, v. 1, n. 6, 2017.

ARAGÓN, Luis Eduardo. A dimensão internacional da Amazônia: um aporte para sua interpretação/The international dimension of the Amazon: a contribution for its interpretation. Revista Nera, n. 42, p. 14-33, 2018.

BALLESTRIN, Luciana Maria. Feminismos subalternos. Estudos Feministas, v. 25, n. 3, p. 1035-1054, 2017.

BASTHI, Angélica. Guia para Jornalistas sobre Gênero, Raça e Etnia / Angélica Basthi (organização e elaboração) Brasília: ONU Mulheres; Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ); Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia (Fundo de Alcance dos Objetivos do Milênio, F-ODM), 2011.

BIROLI, Flávia. Divisão sexual do trabalho e democracia. Revista Dados de Ciências Sociais, v. 59, n. 3, p. 719-754, 2016.

BRAGA, José Luiz. Circuitos versus campos sociais. In: MATTOS, Maria Ângela; JANOTTI

JUNIOR, Jeder; JACKS, Nilda. Mediação & midiatização. EDUFBA, 2012.

______. A sociedade enfrenta sua mídia: dispositivos sociais de crítica midiática. Paulus, 2006.

BRASIL. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL de 1988. Disponível em: . Acesso em: 03 Jun 2018.

______. DECRETO-LEI N.º 5.452, de 1º de maio de 1943, aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: . Acesso em: 03 Jun 2018.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, v. 49, p. 49-58, 2003.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Zahar, 2017.

CASTRO, Edna. Territórios em transformação na Amazônia - saberes, rupturas e resistências / Edna Maria Ramos de Castro - organizadora. – Belém: NAEA, 2017.

CAVALLINI, Marta. Mulheres ganham menos que os homens em todos os cargos e áreas, diz pesquisa. G1/Economia. Publicado em: 07/03/2018. Atualizado em: 07/03/2018. Disponível em: . Acesso em: 02 Jun 2018.

CONRADO, Mônica; CAMPELO, Marilu; RIBEIRO, Alan. Metáforas da cor: morenidade e territórios da negritude nas construções de identidades negras na Amazônia paraense. Afro-Ásia, n. 52, p. 213-246, 2015.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução Heci Regina Candiani. - I. ed. - São Paulo: Boitempo, 2016.

DEL PRIORE, Mary. História das mulheres no Brasil / Mary Del Priore (org.); Carla Bassanezi Pinsky (coord. de textos) 10 ed., 1ª reimpressão. - São Paulo: Contexto, 2011.

FAUSTO NETO, Antonio. As bordas da circulação. Alceu. Rio de Janeiro, v.10, n. 20, jan-jun 2010, p. 55-69. ISSN 1518-8728 (Impresso) ISSN 2175-7402 (On-line).

_______. Fragmentos de uma «analítica» da midiatização. Matrizes, v. 1, n. 2, p. 89-105, 2008.

G1/PA. Feira do Livro 2019 vai homenagear Zélia Amador de Deus e João de Jesus Paes Loureiro. Publicado em 22 abr 2019. Disponível em: . Acesso em 12 jul 2019.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, v. 2, n. 1, p. 223-244, 1983.

JANOTTI JR, Jeder; JACKS, Nilda (Org.) Mediação & midiatização (Livro Compós). Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós, 2012, p. 32-53;

KOZINETS, Robert. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). ColecciÛn Sur Sur, CLACSO, Ciudad AutÛnoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro, 2005.

LOPES, Cristiane Maria Sbalqueiro. Direito do trabalho da mulher: da proteção à promoção. Cadernos Pagu, v. 26, n. 1, p. 405-430, 2006.

LUGONES, María. Coloniality and gender. Tabula rasa, n. 9, p. 73-102, 2008.

_______. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3,

MATTA, Maria Cristina. De la cultura masiva a la cultura mediática. Diálogos. N.56, Lima: Felafacs, 1999.

MIGNOLO, Walter D. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, p. 71-103, 2005.

RECUERO, Raquel. Jogos e práticas sociais no Facebook: Um estudo de caso do Mafia Wars. Realidade Sintética: Jogos Eletrônicos, Comunicação e Experiência Social. São Paulo: Scortecci, 2012.

SANTINI, Rose Marie; TERRA, Camyla; DE ALMEIDA, Alda Rosana Duarte. Feminismo 2.0: a mobilização das mulheres no brasil contra o assédio sexual através das mídias sociais (# primeiroassedio). P2P e Inovação, v. 3, n. 1, p. 148-164, 2016.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho. Petrópolis: Vozes, 2010.

________. Sobre a episteme comunicacional. MATRIZes. N.1, São Paulo, outubro de 2007, p. 15-26;

_______. Eticidade, campo comunicacional e midiatização. In: MORAES, Denis. Sociedade midiatizada. Mauad, Rio de Janeiro, 2006.

VAZ, Paulo. Prefácio. BRAGA, José Luiz. A sociedade enfrenta sua mídia: dispositivos sociais de crítica midiática. São Paulo: Editora Paulus, 2006, p. 13-18.

WAINBERG, Jacques. As redes e os protestos sociais: A difusão da mensagem dissidente. Reinvenção comunicacional da política: Modos de habitar e desabitar o século XXI. Brasília: Compós, 2016.

Matérias analisadas

CARAJÁS O JORNAL. Organizador do Salão do Livro diz que escritora paraense não conhece a Região Norte. Publicado em: 26 Abr 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 Mai 2018.

DOL - Diário Online. Secult muda cartaz de Feira do Livro após acusação de racismo e machismo. Publicado em: 25 Abr 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 Mai 2018.

FLÁVIO PINTO, Lúcio. Cartaz muda. E a feira do livro?. Publicado em 25 Abr 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 Mai 2018.

FRANCA, Luka. Feira Pan Amazônica do Livro: Organizadores apenas reafirmam racismo e machismo ao responder denúncias. Opera Mundi/Blog Bidê/UOL. Publicado em: 02 Mai 2018. Disponível em: . Acesso em 28 Mai 2018.

______. Exclusão racista e machista marcam XXII Feira Pan Amazônica do Livro. Opera Mundi/Blog Bidê/UOL. Publicado em: 20 Abr 2018. Disponível em: . Acesso em 12 Mai 2018.

G1/PA. Secretaria de Cultura do Pará altera cartaz de Feira do Livro após polêmicas envolvendo racismo. Publicado em: 25 Abr 2018. Atualizado em: 26 Abr 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/pa/para/noticia/secretaria-de-cultura-do-para-altera-cartaz-de-feira-do-livro-apos-polemicas-envolvendo-racismo.ghtml>. Acesso em: 12 Mai 2018.

GELEDÉS - Instituto da Mulher Negra. Secretaria de Cultura do Pará altera cartaz de Feira do Livro após polêmicas envolvendo racismo. Disponível em: . Acesso em: 12 Mai 2018.

GEPEM ACONTECE. Nota de repúdio ao cartaz machista e racista da XXII Feira Pan-Amazônica do livro. Publicado em: 24 Abr 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 Mai 2018.

MENON, Isabella. Após queixas sobre racismo, Secretaria da Cultura do Pará muda cartaz de feira. Folha de São Paulo. Publicada em: 25 Abr 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 Mai 2018.

SEREZA, Haroldo Ceravolo. O piloto automático das feiras de livros (e da imprensa). PUBLISHNEWS. Publicado em: 23 Abr 2018. Disponível em: http://www.publishnews.com.br/materias/2018/04/23/o-piloto-automatico-das-feiras-de-livros-e-da-imprensa. Acesso em: 12 Mai 2018.

SRZD. Secretaria da Cultura do Pará muda cartaz de feira considerado racista. Publicado em: 25 Abr 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 Mai 2018.




DOI: https://doi.org/10.21728/logeion.2019v6n1.p106-125

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/br/

 
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (cc BY 4.0)
 
 Logeion: Filosofia da Informação - e-ISSN 2358-7806, IBICT.