ESCORPIONISMO NO RIO DE JANEIRO: CONTRIBUIÇÕES DA CIÊNCIA CIDADÃ PARA O APRIMORAMENTO DAS POLÍTICAS DE ATENÇÃO EM SAÚDE

Claudio Mauricio Souza, Rosany Bochner

Resumo


Nesse artigo analisamos o escorpionismo como doença tropical negligenciada sob a ótica da ciência cidadã. No Brasil, esse agravo, entre os envenenamentos animais, é o que apresenta crescimento e expansão mais dinâmicos em várias regiões, especialmente no Nordeste e Sudeste. A partir da análise quanti qualitativa do SINAN, SIM e SIH-SUS identificamos fragilidades na informação sobre os óbitos decorrentes de picadas de escorpião no estado do Rio de Janeiro. Esses eventos passaram a servir como “sentinela” para nossa pesquisa. Formamos uma ampla comunidade de diálogos com atores dos locais onde esses agravos são relevantes e, a partir da análise e comparação dos saberes, vivências e propostas desse grupo coletivo de pesquisa, produzimos subsídios para uma proposta de reforma da política pública de atenção. Desse exercício resultaram respostas práticas aos problemas cotidianos de saúde dos cidadãos e reflexões sobre as possibilidades de contribuição dessa abordagem nesse campo da saúde ambiental. 


Texto completo:

PDF HTML

Referências


AGUIAR, R. Fazer o bem sem olhar a quem? Visibilidades e invisibilidades discursivas na doação de medicamentos para doenças negligenciadas. Tese (Doutorado), Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnologia em Saúde, Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2016.

ALLOTEY, P.; REIDPATH, D.; POKHREL, S. Social sciences research in neglected tropical diseases the ongoing neglect in the neglected tropical diseases. Health Res Policy Syst, v.8, n.32. 2010.

BARBOSA, I.R.; COSTA I.C, C. A determinação social no processo de adoecimento no contexto das populações negligenciadas. Portal DSS-Nordeste [online]. Recife (PE), 27. Brasil. Disponível: . Mar 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 229 p. 1979.

BHAUMIK, S. et al. Identifying gaps in research prioritization: The global burden of neglected tropical diseases as reflected in the Cochrane database of systematic reviews. Journal of family medicine and primary care, v. 4, n. 4, p. 507, 2015.

BOCHNER, R. Óbito ocupacional por exposição a agrotóxicos utilizado como evento sentinela: quando pouco significa muito. Vigil. sanit. debate v.3, n.4, 39-49, 2015.

BOCHNER, R.; SOUZA, C.M.V. Divergences between the Brazilian national information systems for recording deaths from venomous animals. J Venom Anim Toxins incl Trop Dis, 25: e143018. DOI: 10.1590/1678-9199-jvatitd-1430-18. 2019.

BOCHNER, R.; STRUCHINER, C. J. Aspectos ambientais e sócioeconômicos relacionados à incidência de acidentes ofídicos no Estado do Rio de Janeiro de 1990 a 1996: uma análise exploratória. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 976-985, 2004.

BRASIL Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. 2 ed. Brasília, DF, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Controle de Escorpiões. 1. ed. Brasília, DF, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde. 816 p. 2014.

BRAZIL, V. A Defesa Contra o Ophidismo. São Paulo: Pocai & Weiss. 152 p. 1911.

BUENO, C. Envolver não cientistas em pesquisas pode apoiar a aprendizagem e o engajamento do público com a ciência. Cienc. Cult. vol.71 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2019 http://dx.doi.org/10.21800/2317-66602019000100006

CAMPOLINA, D. Georreferenciamento e estudo Clínico - Epidemiológico dos acidentes escorpiônico atendidos em Belo Horizonte, no serviço de toxinologia de Minas Gerais. Dissertação. 154p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde: Infectologia e Medicina Tropical), Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

CUPO, P. Bites and stings from venomous animals: a neglected Brazilian tropical disease. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 48, n. 6, p. 639-641. 2015.

EITZEL, M.V. et al. Citizen science terminology matters: exploring key terms. Citiz. Sci. Theory Pract. 2, 1–20. (doi:10.5334/cstp.96). 2017.

FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS (SEADE). Mortalidade Infantil e desenvolvimento. Conjuntura demográfica, São Paulo, n. 14/15, p. 49-50, 1991.

FURTADO, J.P. Um método construtivista para a avaliação em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v.6, p. 165-181, 2001.

GIDDENS, A. A vida em uma sociedade pós-tradicional. In: BECK, U.; GIDDENS, A.; IRWIN, A. Ciência cidadã: um estudo das pessoas especialização e desenvolvimento sustentável. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

GIDDENS, A. Ciência cidadã, Lisboa, Instituto Piaget. 1998.

GODFRAY H.C.J. et al. Food security: the challenge of feeding 9 billion people. Science 327, 812–818. (doi:10.1126/science.1185383). 2010.

GUTIÉRREZ, J. M.; THEAKSTON, R. D. G.; WARRELL, D. A. Confrontin the Neglected Problem of Snake Bite Envenoming: The Need for a Global Partnership. PLoS medicine, v. 3, n. 6, p. e150, 2006.

GUTIÉRREZ, J. M; et al. Snakebite envenoming from a global perspective: Towards an integrated approach. Toxicon; 56:1223-1235. 2010.

ISARD, S.A. et al. Integrated pest information platform for extension and education (iPiPE): progress through sharing. J. Integr. Pest Manag. 6, 15. (doi:10.1093/jipm/pmv013). 2015.

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A. M. C. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa; desdobramentos. In: O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa; desdobramentos. 2003..

LEFÈVRE, F.; LEFÈVRE, A. M. C. O Discurso do Sujeito Coletivo e o resgate das coletividades opinantes. São Paulo: Instituto de Pesquisa do Discurso do Sujeito Coletivo. 2012.

MAGALHÃES, O. Escorpionismo. 4a. Mem.Monograf.Inst.O.Cruz. V4.p1-220. 1946.

MALTA et al. Lista de causas de mortes evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v.16, n.4, p.233-244, 2007.

MAURANO, H. R. Do escorpionidismo. Tese (Doutorado). Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 1915.

McKINLEY, D. C. et al. Citizen science can improve conservation science, natural resource management, and environmental protection. Biol. Conserv. 208, 15–28. (doi: 10.1016/j.biocon.2016.05.015). 2017.

MEENTEMEYER, R.K. et al. Citizen science helps predict risk of emerging infectious disease. Front. Ecol. Environ. 13, 189–194. (doi:10.1890/140299). 2015.

MOLYNEUX, D.H. The ‘Neglected Tropical Diseases’: now a brand identity; responsibilities, context and promise. Parasites & Vectors, 5:23. 2012.

ORTIZ L.P. Agrupamento das causas evitáveis de morte dos menores de um ano segundo critério de evitabilidade das doenças. São Paulo: Fundação SEADE. 2000.

PARANHOS, J. Interação entre empresas e instituições de ciência e tecnologia. Editora da Universade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 340 p. 2012.

POPAY, J. et al. Community engagement in initiatives addressing the wider social determinants of health A rapid review of evidence on impact, experience and process. Social Determinants Effectiveness Review. 2007.

PROCHNIK, V. et al. INOVAÇÃO NO CONTEXTO DE CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA EM BIOTECNOLOGIA: UM ESTUDO DE CASO. Blucher Engineering Proceedings, v. 3, n. 4, p. 707-721, 2016.

RYAN, S.F. et al. The role of citizen science in addressing grand challenges in food and agriculture research. Proc. R. Soc. B 285: 20181977. http://dx.doi.org/10.1098/rspb.2018.1977. 2018.

RECKZIEGEL G.C. Análise do escorpionismo no Brasil no período de 2000 a 2010. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade de Brasília; Brasília. 2013.

ROYAL COLLEGE OF EMERGENCY MEDICINE AND NATIONAL POISONS INFORMATION SERVICE. Guideline on Antidote Availability for Emergency Departments. Reino Unido, 2017.

SANTOS, F. M. Análise de conteúdo: a visão de Laurence Bardin. Revista Eletrônica de Educação, v. 6, n. 1, 2012.

SENA, A.R.M. et al (Orgs). Ciência cidadã e determinação social da saúde: desafios e perspectivas. [recurso eletrônico]. (Coleção Diálogos Interdisciplinares I –PPGICS/ICICT/FIOCRUZ) – Rio de Janeiro: Editora ICICT/FIOCRUZ. Disponível em https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/13642. 2016.

SHIRK, J. et al. Public participation in scientific research: a framework for deliberate design. Ecol. Soc. 17, 29–48. (doi:10.5751/ES-04705-170229). 2012.

SOUZA, C.M.V.; IVANCKO, C.; BOCHNER, R. O discurso socioambiental formal sobre doenças negligenciadas no Brasil: O escorpionismo como modelo de análise. In: MOZINE, A. C. S.; ROSA, T. S.; FREITAS, T. M.D. M. (Orgs). Ambiente e sociedade em contexto lusófono. Coleção Debate Social. Florianópolis: Insular. v. 4, p. 489-513. 2017.

SOUZA C.M.V. Escorpionismo no Brasil com ênfase no estado do Rio de Janeiro: subsidiando políticas públicas para populações expostas. Rio de Janeiro. Tese. [Doutorado em Informação e Comunicação em Saúde] - Intituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde. Fundação Oswaldo Cruz; 2018.Disponível:http://www.vitalbrazil.rj.gov.br/trabalhos_publicados/teseclaudiomauricio.pdf.

SOUZA C.M.V. et al. (Orgs). Livro de resumos do Seminário sobre Vigilância de Acidentes por Animais Peçonhentos, 23 a 25 de agosto de 2017. Niterói: Instituto Vital Brazil,172p.Disponível:http://www.vitalbrazil.rj.gov.br/arquivos/seminarioanimaispeconhentosms.pdf . 2018.

SOUZA, W. (Coord). Doenças Negligenciadas, Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências. 2010.

TEIXEIRA, M. G. et al.; Áreas Sentinelas: uma estratégia de monitoramento em saúde pública. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 12, n. 1, p. 21-28. 2003.

Van ETTEN, J. et al. First experiences with a novel farmer citizen science approach: crowdsourcing participatory variety selection through on-farm triadic comparisons of technologies (TRICOT). Exp. Agric. 1–22. (doi:10.1017/S0014479716000739). 2016.

WHO. Snakebite envenoming: a strategy for prevention and control. (disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/324838/9789241515641-eng.pdf) 2019.

WING S, et al. Integrating epidemiology, education, and organizing for environmental justice: community health effects of industrial hog operations. Am. J. Public Health 98, 1390–1397. (doi:10.2105/AJPH.2007.110486). 2008.




DOI: https://doi.org/10.21721/p2p.2019v6n1.p33-49

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

 
 
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (cc BY 4.0)
 
 P2P & INOVAÇÃO - e-ISSN 2358-7814, IBICT.