Competência informacional com vistas à mulher em situação de violência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21728/logeion.2024v10n2.e-6735

Palavras-chave:

Competência Informacional

Resumo

A violência contra a mulher é uma realidade mundial estabelecida nas desigualdades de gênero e perpetuada por discursos culturais e sociais. O acesso e uso de informações precisas e atualizadas sobre diferentes formas de violência são fundamentais para romper o ciclo de agressão e da falta de conhecimento sobre direitos e leis de proteção. Nesta perspectiva, é mister entender o comportamento informacional e fomentar a Competência Informacional das mulheres vítimas da violência de gênero.  O presente artigo se propõe a tecer considerações sobre as deficiências sociais, políticas e operacionais existentes na esfera de amparo e proteção às mulheres vítimas de violência (s). Como resultado, propõe a construção de um modelo de rede pautado na intersecção mulher-informação-órgãos de apoio e proteção contra à(s) violência(s), fundamentada nas competências em informação de modo concomitante.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidente da República, [2016].

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico na indústria brasileira. São Paulo: Atlas, 2000.

GARCIA, J.C.R.; TARGINO, M.G; DANTAS, E.R.F. Conceito de responsabilidade social da informaçãoInf. Inf., Londrina, v. 17, n. 1, p.1 - 25, jan./jun. 2012 http://www.uel.br/revistas/informacao/ DOI: https://doi.org/10.5433/1981-8920.2012v17n1p1

GRADDOL, D. O futuro do inglês? Londres: Conselho Britânico, 1997.

MARCHIORI, P. Z. A ciência e a gestão da informação: compatibilidades no espaço profissional. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 2, p. 72-79, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652002000200008

LATOUR, B. Reassembling the social: an introduction to actor-network theory. New York: Oxford Press University, 2005. DOI: https://doi.org/10.1093/oso/9780199256044.001.0001

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

MORAES, M. A ciência como rede de atores: ressonâncias filosóficas. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 11, n. 2, p. 321-33, maio/ago. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702004000200006

SANTOS, A. S; MAIA, L. C. G. O que há num nome?: Information Literacy e a Coinfo. Ciência da Informação, [S. l.], v. 51, n. 1, 2022. DOI: 10.18225/ci.inf.v51i1.5666. Disponível em: https://revista.ibict.br/ciinf/article/view/5666. Acesso em: 11 set. 2023.

Downloads

Publicado

03/01/2024

Como Citar

Competência informacional com vistas à mulher em situação de violência. Logeion: Filosofia da Informação, Rio de Janeiro, RJ, v. 10, n. 2, p. e-6735, 2024. DOI: 10.21728/logeion.2024v10n2.e-6735. Disponível em: https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/6735.. Acesso em: 18 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)