Navegar é preciso, viver não é preciso

ética intercultural da informação para transitar em tempos de cultura algorítmica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21728/logeion.2024v11n1e-7056

Palavras-chave:

extração massiva de dados, cultura algorítmica, ética intercultural da informação

Resumo

Este artigo explora a necessidade de desenvolvimento de uma ética intercultural da informação no contexto da cultura algorítmica. À medida que a tecnologia continua a avançar e os algoritmos desempenham um papel cada vez mais significativo nas vidas humanas, é crucial considerar as implicações éticas desses sistemas a partir da pluralidade de perspectivas, culturas, realidades socioeconômicas e de gênero e raça. A partir do método indutivo-dedutivo, a abordagem metodológica é a revisão não sistemática da literatura. Ao examinar aspectos da cultura algorítmica para entender melhor os possíveis preconceitos e desafios da tomada de decisões por parte de sistemas algorítmicos resultantes da extração de dados em massa e do colonialismo de dados. Esta pesquisa visa contribuir para o desenvolvimento de uma abordagem mais inclusiva e equitativa à cultura algorítmica a partir da lente da ética intercultural da informação. Tal abordagem inclusiva e equitativa da cultura algorítmica pode ajudar a resolver os preconceitos culturais e evidenciar vieses nos processos de tomada de decisão automatizada. Ao considerar diferentes perspectivas, podemos esforçar-nos pela criação de algoritmos mais justos, promovendo a igualdade de oportunidades e resultados para indivíduos de diferentes origens. Esta pesquisa também pretende lançar luz sobre a necessidade de algoritmos culturalmente sensíveis que respeitem e protejam os direitos de privacidade e dados individuais em várias culturas. Tais reflexões críticas são feitas principalmente a partir dos problemas éticos provocados por algoritmos na cultura algorítmica.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Capitalismo Parasitário. Petrópolis: Zahar, 2010.

BAUMAN, Zygmunt; LYON, David. Vigilância Líquida. Petrópolis: Zahar, 2013.

BARATTA, Alessandro. Ética e pós-modernidade. In: KOSOVOSKY, Ester (ed.). Ética e Comunicação. Mauad, 1995. p. 113-131.

BENJAMIN, Ruha (ed.). Race After Technology: Abolitionist Tools for the New Jim Code. Medford, MA: Polity, 2019.

BEZERRA, Arthur Coelho. Teoria crítica da informação: proposta teórico-metodológica de integração entre os conceitos de regime de informação e competência crítica em informação. In: BEZERRA, Arthur; SCHNEIDER, Marco; PIMENTA, Ricardo; SALDANHA, Gustavo (ed.). iKritika: Estudos Críticos Em Informação. Rio de Janeiro: Garamond, 2019. p. 15-72.

BEZERRA, Arthur; COSTA, Camila. Pele negra, algoritmos brancos: informação e racismo nas redes sociotécnicas. Liinc em Revista, v. 18, n. 2, 2022. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/6043. Acesso em: 21jun. 2024.

BIGO, Didier; ISIN, Engin; RUPPERT, Evelyn. Data Politics. In: BIGO, Didier; ISIN, Engin; RUPPERT, Evelyn (ed.). Data Politics: worlds, subjects, rights. Nova York: Routledge, 2019. p. 1-16.

BUOLAMWINI, Joy; GEBRU, Timnit. Gender Shades: Intersectional Accuracy Disparities in Commercial Gender Classification. Conference on Fairness, Accountability and Transparency. Proceedings of Machine Learning Research, v. 81, p. 1-15, 2018. Disponível em: https://proceedings.mlr.press/v81/buolamwini18a/buolamwini18a.pdf. Acesso em: 25 jun. 2024.

CAPURRO, Rafael. “Ética para provedores e usuários da informação.” In: KALB, Anton; ESTERBAUER, Reinhold; RUCKENBAUER, Hans-Walber (ed.). Cibernética – Responsabilidade em mundo interligado pela rede digital. São Paulo: Loyola, 2001.

CAPURRO, Rafael. Conferencia inaugural en el I Simpósio Brasileiro de Ética da Informação, João Pessoa, 2010.

CAPURRO, Rafael. Information Ethics. In: KALDIS, Byron (ed.). Encyclopedia of Philosophy and the Social Sciences, Vol. 1. Sage Publ, 2013. p. 471-473.

CAPURRO, Rafael. Cidadania na era digital (trad. Schneider e Bezerra). In: CABRAL, Adilson; CABRAL, Eula (ed.). Comunicação, Cultura, Informação e Democracia: tensões e contradições. Livro do V Encontro da Ulepicc-Brasil. Lisboa: MEDIA XXI - Publishing, Research & Consulting, 2016.

ČAS, Johann; BELLANOVA, Rocco; BURGESS, J. Peter; FRIEDEWALD, Michael; PEISSL, Walter. Introduction: surveillance, privacy and security. In: FRIEDEWALD, Michael; ČAS, Johann; BELLANOVA, Rocco; BURGESS, J. Peter; PEISSL, Walter (ed.). Surveillance, Privacy and Security: citizen's perspectives. Nova York: Routledge, 2017. p. 1-12.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

COULDRY, Nick; MEJIAS, Ulises A. Data colonialism: Rethinking big data’s relation to the contemporary subject. Television and New Media, v. 20, n. 4, p. 336-349, 2019. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1527476418796632?journalCode=tvna. Acesso em: 25 jun. 2024.

CRARY, Jonathan. 24/7: Capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Ubu Editora, 2016.

CRARY, Jonathan. Scorched Earth: Beyond the Digital Age to a Post-Capitalist World. Verso Books, 2022.

DRATWA, Jim. Foreword: Ethical Experimentations of Security and Surveillance as an Inquiry into the Open Beta Society. In: ČAS, Johann; BELLANOVA, Rocco; BURGESS, J. Peter; PEISSL, Walter (ed.). Surveillance, Privacy and Security: citizen's perspectives. Nova York: Routledge, 2017.

FAUSTINO, Deivison; LIPPOLDI, Walter. Colonialismo de Digital. Boitempo, 2023.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: História da Violência nas Prisões. Editora Vozes, 1977.

HILL, David W. The injuries of platform logistics. Media, Culture & Society, v. 42, n. 4, p. 521-536, 2019. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0163443719861840. Acesso em: 21 jun. 2024.

IBM Cloud Education. Machine Learning. Acesso em nov 2022. Disponível em: https://www.ibm.com/br-pt/cloud/learn/machine-learning.

KALPOKAS, Ignas. Algorithmic Governance. Politics and Law in the Post-Human Era. Palgrave Pivot Cham, 2019.

KELLEHER, John D.; TIERNEY, Brendan. Data Science. Cambridge: MIT Press, 2018.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LYON, David. Situating surveillance: history, technology, culture. In: BOERSMA, Kees et al. (ed.). Histories of State Surveillance in Europe and Beyond. Nova York; Londres: Routledge, 2014.

LYON, David. Surveillance studies: an overview. Cambridge: Polity Press, 2007.

LYON, David. Surveillance capitalism, surveillance culture and data politics. In: BIGO, Didier; ISIN, Engin; RUPPERT, Evelyn (ed.). Data Politics: worlds, subjects, rights. Nova York: Routledge, 2019. p. 64-76.

MOROZOV, Evgeny; BRIA, Francesca. A cidade inteligente: tecnologias urbanas e democracia. São Paulo: Ubu Editora, 2019.

MOROZOV, Evgeny. Big Tech: a ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

NOBLE, Safiya Umoja. Algorithms of Oppression. NYU Press, 2018.

OLIVEIRA, Samuel R. Sorria! Você está sendo filmado!: repensando direitos na era do reconhecimento facial. São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2021.

O’NEIL, Cathy. Algoritmos de destruição em massa: como o big data aumenta a desigualdade e ameaça a democracia. Santo André: Editora Rua do Sabão, 2020.

PASQUALE, Frank. The Black Box Society: The Secret Algorithms that Control Money and Information. Harvard University Press, 2015.

PASQUINELLI, Matteo; JOLER, Vladan. The Nooscope manifested: AI as instrument of knowledge extractivism. AI & Soc, v. 36, p. 1263-1280, 2021. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s00146-020-01097-6. Acesso em: 25 jun. 2024.

RICAURTE, Paola. Data Epistemologies, The Coloniality of Power, and Resistance. Television & New Media, v. 20, n. 4, p. 350-365, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1527476419831. Acesso em: 01 jul. 2024.

SADIN, Éric. La inteligencia artificial o el desafío del siglo. Anatomía de un antihumanismo radical. Caja Negra Editora, 2020.

SILVA, Tarcizio da. Racismo algorítmico: inteligência artificial e discriminação nas redes digitais. São Paulo: Edições Sesc SP, 2022.

SOLOVE, Daniel J. Data Mining and the Security-Liberty Debate. University of Chicago Law Review, v. 74, p. 343-372, 2008. Disponível em: https://chicagounbound.uchicago.edu/uclrev/vol75/iss1/15/. Acesso em: 01 jul. 2024.

SILVA, Mariah Rafaela; VARON, Joana. Reconhecimento Facial no Setor Público e Identidades Trans: tecnopolíticas de controle e ameaça à diversidade de gênero em suas interseccionalidades de raça, classe e território. Rio de Janeiro: Coding Rights, 2021. Disponível em: https://codingrights.org/docs/rec-facial-id-trans.pdf. Acesso em: 24 jan. 2024.

STRIPHAS, T. Algorithmic culture. European Journal of Cultural Studies, v. 18, n. 4-5, p. 395-412, 2015. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1367549415577392. Acesso em: 01 jul. 2024.

VAN DIJCK, José. Datafication, dataism and dataveillance: Big Data between scientific paradigm and ideology. Surveillance & Society, v. 12, n. 2, p. 197-208, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.24908/ss.v12i2.4776. Acesso em: 01 jul. 2024.

VAN DIJCK, José; POELL, Thomas; DE WAAL, Martijn. The Platform Society. Oxford University Press, 2018.

VÉLIZ, Carissa. Privacidad es poder. Datos, vigilancia y libertad en la era digital. Debates, 2021.

VERMEERSCH, Hans; DE PAUW, Evelien. The Acceptance of New Security Oriented Technologies: a ‘framing’ experiment.” In: FRIEDEWALD, Michael et al. (ed.). Surveillance, Privacy and Security: citizen's perspectives. Nova York: Routledge, 2017.

YESHIMABEIT, M.; TRAUB, A. Data Capitalism and Algorithmic Racism. Paper Knowledge. Toward a Media History of Documents, 2021.

ZUBOFF, Shoshana. A Era do Capitalismo de Vigilância: a luta por um futuro humano na nova fronteira de poder. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2021.

ZUBOFF, Shoshana. Big other: capitalismo de vigilância e perspectivas para uma civilização de informação. In: BRUNO, Fernanda (ed.). Tecnopolítica da vigilância: perspectivas da margem. São Paulo: Boitempo, 2018. p. 17-68.

Downloads

Publicado

08/07/2024

Como Citar

Navegar é preciso, viver não é preciso: ética intercultural da informação para transitar em tempos de cultura algorítmica. Logeion: Filosofia da Informação, Rio de Janeiro, RJ, v. 11, n. 1, p. e-7056, 2024. DOI: 10.21728/logeion.2024v11n1e-7056. Disponível em: https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/7056.. Acesso em: 22 jul. 2024.