Conhecimento e espaços de poder: trajetórias da pesquisa acadêmica feminista no Brasil

  • Elena de Oliveira Schuck
Palavras-chave: Pesquisa acadêmica, Movimento feminista, Espaço de poder, Conhecimento

Resumo

Este artigo pretende mapear o lugar da teoria política feminista no campo de pesquisa das ciências sociais no Brasil. O propósito é o indicar as contribuições da pesquisa acadêmica feminista para se pensar os espaços de poder ocupados pelas mulheres, considerando a universidade enquanto espaço de legitimação de discursos e conhecimento. Discute-se a definição conceitual de pensamento feminista, considerando a natureza dual de ação e reflexão, para então abordar a trajetória entrelaçada do feminismo brasileiro como movimento social e campo de pesquisa científica. Por fim é feito um mapeamento dos espaços institucionais e universitários que acolhem as discussões feministas, e também da função de revistas acadêmicas para a inserção das discussões feministas na universidade, em especial na área das ciências humanas. Busca-se reconstituir a tomada de espaço do feminismo no campo da pesquisa acadêmica, destacando os principais desafios que o pensamento feminista enfrenta para legitimar-se enquanto discurso científico válido.

Biografia do Autor

Elena de Oliveira Schuck
Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) - Porto Alegre, RS - Brasil. Professora de Ciência Política e Sociologia da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA) - Foz do Iguaçu, Paraná - Brasil.
Publicado
13/08/2018
Como Citar
SchuckE. de O. (2018). Conhecimento e espaços de poder: trajetórias da pesquisa acadêmica feminista no Brasil. Inclusão Social, 11(2). Recuperado de http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/4107