A DISCRIMINAÇÃO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS NO TRABALHO: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA E QUALITATIVA

Resumo

A discriminação de pessoas vivendo com HIV/aids está presente desde o começo da epidemia, interferindo negativamente na vida dessa população. Este trabalho analisa distintos aspectos relacionados à discriminação de soropositivos no Brasil no acesso e/ou ambiente de trabalho. Foi realizada uma análise quantitativa (pesquisa nacional) e qualitativa, entrevistas em profundidade (Assessoria Jurídica de ONG/aids) e grupo focal (Policlínica no município do Rio de Janeiro). Os resultados quantitativos indicaram que quanto mais baixa a escolaridade e renda do entrevistado, maior a percepção de discriminação. A pesquisa qualitativa relatou discriminação direta e indireta, sendo que aqueles com renda mais baixa possuíam emprego informal e não processaram seus perpetradores, distinguindo-se daqueles que procuraram a Assessoria Jurídica, que possuíam uma renda e escolaridade mais alta e que processaram seus empregadores. O estigma foi articulado com outros existentes na sociedade, sendo necessário programas de invenção para conscientizar a população sobre as diversas questões da epidemia.

Biografia do Autor

Carla Rocha Pereira, Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca - ENSP.
Possui Pós-Doutorado pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro - IESC/UFRJ (2019) e título de Doutora em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde/PPGICS (2017) da Fundação Oswaldo Cruz/Fiocuz. Na UFRJ, concluiu o Mestrado em Sociologia (com concentração em Antropologia) pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia/PPGSA (2005) e o Bacharelado em Ciências Sociais (2001). Vem trabalhando na Fiocruz, desde 2007, em pesquisas ligadas ao Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde/ICICT, Instituto Oswaldo Cruz/IOC, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca/ENSP e no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas/INI. Tem experiência na área de Antropologia e Saúde Pública com foco em temas ligados à discriminação, estigma, trabalho e diretos humanos no campo de HIV/Aids.
Célia Landmann Szwarcwald, Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz. Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde - ICICT.
Possui graduação em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1973), mestrado em Estatística e Matemática - University of Rochester (1975) e doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (1993). Atualmente é pesquisador titular da Fundação Oswaldo Cruz. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: HIV/aids, mortalidade infantil e atenção básica.
Giseli Nogueira Damacena, Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz. Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde - ICICT.
Possui graduação em Estatística pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) (2004), mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (ENCE/IBGE), subárea Estatística Social (2006) e doutorado em Epidemiologia em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/FIOCRUZ) (2012). Atua na interseção entre as áreas de Saúde Pública e de Estatística, em particular com Métodos Quantitativos em Saúde e Epidemiologia, principalmente nos seguintes temas: Inquéritos em saúde: planejamento, amostragem e análise de dados; Indicadores em saúde; Sistemas de Informações em Saúde; HIV/aids; Mortalidade Infantil; Informações em Saúde; Amostras Complexas em Saúde e Metodologias Estatísticas para Estimação de Populações de Difícil Acesso.

Referências

BASTOS. F. I. Aids na Terceira Década. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.

____________. Da Persistência das Metáforas: estigma e discriminação & HIV/Aids. In: MONTEIRO, S.; VILLELA, W. (Orgs.). Estigma e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013, p. 91-103.

BEZABHE, W. M. et al. Barriers and Facilitators of Adherence to Antiretroviral Drug Therapy and Retention in Care among Adult HIV-Positive Patients: A Qualitative Study from Ethiopia. PLoS One, v. 9, n. 5, e97353, 2014.

BRASIL. Boletim Epidemiológico - HIV Aids, Julho de 2017 a junho de 2018. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Brasília, 2018. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-hivaids-2018>. Acesso em: 29 nov. 2018.

CASTANHA, A. R.; COUTINHO, M. P. L.; SALDANHA, A. A. W.; RIBEIRO, C. G. Avaliação da qualidade de vida em soropositivos para o HIV. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 1, p. 23-31, jan./mar. 2007.

CECHIM, P. L.; SELLI, L. Mulheres com HIV/AIDS: fragmentos de sua face oculta. Rev. Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 2, p. 145-9, mar./abr. 2007.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução N.º 1.658/2002. Normatiza a emissão de atestados médicos e dá outras providências. Disponível em: <http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2002/1658_2002.htm>. Acesso em: 16 fev. 2017.

CRUZ, M. L. S. et al. The “moral career” of perinatally HIV-infected children: revisiting Goffman’s concept. AIDS Care, v. 27, n. 1, p; 6-9, 2015.

DRAY-SPIRA, R. et al. Socio-economic conditions, health status and employment among persons living with HIV/AIDS in France in 2001. AIDS Care - Psychological and Socio-Medical Aspects of AIDS/HIV, v. 15, n. 6, p. 739-748, 2003.

FERREIRA, R. C. M.; FIGUEIREDO, M. A. de C. SOUZA, L. B. Trabalho, HIV/AIDS: enfrentamento e dificuldades relatadas por mulheres. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 2, p. 259-267, abr./jun. 2011.

FERREIRA, B. E.; OLIVEIRA, I. M.; PANIAGO, A. M. M. Qualidade de vida de portadores de HIV/AIDS e sua relação com linfócitos CD4+, carga viral e tempo de diagnóstico. Rev Bras Epidemiol, v. 15, n. 1, p. 75-84, 2012.

FORATTINI, O. P. AIDS e Sua Origem/ Editorial. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 27, n. 3, p. 153-156, 1993.

FREITAS, J. G. et al. Enfrentamentos experienciados por homens que vivem com HIV/Aids no ambiente de trabalho. Rev Esc Enferm USP, v. 46, n. 3, p. 720-6, 2012.

GALTUNG, J. Violence, Peace, and Peace Research. Journal of Peace Research, v. 6, n. 3, p. 167-191, 1969.

__________. Violencia, guerra y su impacto. Sobre los efectos visibles e invisibles de la violência. Polylog. Foro para filosofía intercultural, n. 5, 2004. Disponível em: < https://them.polylog.org/5/fgj-es.htm>. Acesso em: 08 jun 2015.

GARRIDO, P. B. et al. Aids, estigma e desemprego: implicações para os serviços de saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 41, supl. 2, p. 72-9, dez. 2007.

GOFFMAN, E. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

GROTZ, F.; PARKER, R. O retorno do vírus ideológico. Boletim ABIA, n. 60, pág. 19-21, jun. 2015.

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL – PREVIDÊNCIA SOCIAL. Resolução Nº 416 /PRES/INSS, de 4 de Junho de 2014. Aprova Diretrizes de Apoio à Decisão Médico-Pericial em Clínica Médica – Volume III – Parte II do Manual de Procedimentos em Benefícios por Incapacidade. Dispõem sobre as doenças infectocontagiosas, especificamente HIV/AIDS, Tuberculose e Hanseníase. Diário Oficial da União n° 106, de 5/6/2014, Seção 1, pág. 35.

HO, K. Structural Violence as a Human Rights Violation. Essex Human Rights Review, v. 4, n. 2, p. 1-17, sept. 2007.

LAURELL, A. C. La salud-enfermedad como proceso social. Revista Latinoamericana de Salud, México, v. 2, p. 7-25, 1982.

LINK, B.; PHELAN, J. Conceptualizing Stigma. Annual Review of Sociology, Palo Alto, v. 27, p. 363-85, 2001.

LIU, Y. et al. HIV-related stigma acting as predictors of unemployment of people living with HIV/AIDS. AIDS Care - Psychological and Socio-Medical Aspects of AIDS/HIV, v. 24, n. 1, p. 129-135, 2012.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2014.

MONTEIRO, S. S.; VILLELA, W. V.; SOARES, P. S. The interaction between axes of inequality in studies on discrimination, stigma and HIV/AIDS: Contributions to the recent international literature. Global Public Health, v. 8, p. 519-533, 2013.

OLIVEIRA FILHO et al. Qualidade de vida de pessoas vivendo com HIV/AIDS. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 28, n. 1, p. 61-68, jan./abr. 2014.

PARKER, R. Interseções entre Estigma, Preconceito e Discriminação na Saúde Pública. In: MONTEIRO, S.; VILLELA, W. (Orgs.). Estigma e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013, p. 25-46.

__________; AGGLETON, P. HIV and Aids related stigma and discrimination: a conceptual framework and implications for action. Socio Science & Medicine, v. 57, p. 13-24, 2003.

PEREIRA, A. News and views: HIV/Aids and discrimination in the workplace: The cook and the surgeon living with HIV. European Journal of Health Law, v. 17, n. 2, p. 139-147, 2010.

PEREIRA, C. R.; MONTEIRO, S. S. A criminalização da transmissão do HIV no Brasil: avanços, retrocessos e lacunas. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 25 (4): 1185-1205, 2015.

_____________. A violação dos direitos das pessoas vivendo com HIV/aids no Brasil: Análise da discriminação no universo do trabalho. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, 2017.

PEREIRA, D. M. A.; SILVA, M. G. A. C.; OLIVEIRA, D. C. Qualidade de vida de indivíduos com HIV. Rev. Saúde em foco, Teresina, v. 2, n. 1, art. 7, p. 93-112, jan./jul. 2015.

PITTS, M. K.; GRIERSON, J.; MISSON, S. Growing older with HIV: a study of health, social and economic circumstances for people Living with HIV in Australia over the age of 50 years. AIDS Patient Care and STDs, v. 19, n. 7, p. 460-465, 2005.

PHELAN, J.; LINK, B.; DOVIDIO, J. Estigma e Preconceito: um animal ou dois? In: MONTEIRO, S.; VILLELA, W. (Orgs.). Estigma e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013, p. 183-2070.

SALCEDO, J. P., TOVAR, L. M.; ARRIVILLAGA, M. Aportes de la Organización Internacional del Trabajo al mundo laboral de las personas con VIH/sida. Revista Cubana de Salud Pública, v. 39, n. 4, p.708-717, 2013.

SALUM, G. A.; BLAYA; C.; MANFRO; G. G. Transtorno do pânico. Rev Psiquiatr, Rio Grande do Sul, v. 31, n. 2, p. 86-94, 2009.

SOUZA-JÚNIOR, P. R. B. Percepção da Qualidade de Vida e do Desempenho do Sistema de Saúde entre Pacientes em Terapia Anti-Retroviral no Brasil. Tese (Doutorado) - Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, 2009.

___________________; SZWARCWALD, C. L.; CASTILHO, E. A. Self-rated health by HIV-infected individuals undergoing antiretroviral therapy in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, p. s56-s66, 2011.

SURGEVIL, O.; AKYOL, E. M. Discrimination against people living with HIV/AIDS in the workplace: Turkey context. Equality, Diversity and Inclusion, v. 30, n. 6, p. 463-481, 2011.

SZWARCWALD, C. L.; BASTOS, F. I.; CASTILHO, E. A. The Dynamics of the Aids Epidemic in Brazil: A Space-Time Analysis in the Period 1987-1995. The Brazilian Journal of Infectious Diseases, São Paulo, v. 2, n. 4, p. 175-186, 1998.

Publicado
10/10/2019
Como Citar
PereiraC. R.; SzwarcwaldC. L.; DamacenaG. N. A DISCRIMINAÇÃO DE PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS NO TRABALHO: UMA ANÁLISE QUANTITATIVA E QUALITATIVA. P2P E INOVAÇÃO, v. 6, n. 1, p. 60-82, 10 out. 2019.