Memória e discurso de divulgação científica em mídias contemporâneas

Um olhar sobre a Cultura da Convergência

Autores

  • Ana Paula Simonaci Valentim UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
  • Profª. Drª. Evelyn Goyannes Dill Orrico UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
  • Prof. Dr. Eliezer Pires da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

DOI:

https://doi.org/10.21721/p2p.2021v7n2.p88-111

Palavras-chave:

Memória Social, Divulgação Científica, Mídias Contemporâneas

Resumo

Lançar luz sobre o conceito de divulgação científica, denominação adotada neste trabalho, além de apresentar a trajetória dessa atividade no Brasil. De acordo com Zamboni (1997), divulgação científica não é a mera tradução ou simplificação de um discurso científico, entendemos divulgação científica como elaboração que pretende apresentar o conhecimento científico, de modo acessível ao público em geral, com objetivo de democratizar o acesso a este conhecimento, aproximando ciência e sociedade. Pretendemos discutir a operação em que as fontes científicas são interpretadas por meio do discurso da divulgação científica.

Biografias dos autores

Ana Paula Simonaci Valentim, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Curadora e pesquisadora, formada como bibliotecária pela UNIRIO, mestre em Memória Social pelo PPGMS - UNIRIO, doutoranda em Memória Social pelo PPGMS ? UNIRIO. Pesquisa nos temas: análise de imagem, análise do discurso com foco em divulgação científica. De forma que na dissertação trabalhou o tema Quadrinhos e Ciência e atualmente trabalha na tese sobre Mulheres na Ciência, com foco na análise da Revista Ciência Hoje. É também curadora de projetos culturais, como festivais, mostras, exposições literárias, seminários, entre outros. Desde 2014, é analista técnica na Gerência de Cultura do Sesc Rio de Janeiro, e atua também na coordenação das bibliotecas fixas e móveis do Sesc Rio, com atividades relativas a livro, leitura e biblioteca e realização de curadoria de projetos culturais, como festivais, mostras, exposições literárias, seminários, entre outros. Com a Gerência de Cultura do Sesc Rio, realizou a curadoria da programação de literatura do Festival Sesc de inverno (2015, 2016 2017) e idealizou os eventos literários Leminski-se tenta (Teatro Sesc Ginástico, 2014); Torquato Neto - eu sou como sou (Teatro Sesc Ginástico, 2014); Ferreira Gullar - Porque a vida não basta (Teatro Sesc Ginástico, 2015); Mario de Andrade - Eu sou trezentos e cinquenta (Teatro Sesc Ginástico, 2015); Corrupção & Poder (Sesc Copacabana, 2016); A Palavra Líquida Caio F. Epifanias (Sesc Copacabana, 2016) e A Palavra Líquida Questões de Gênero (Sesc Tijuca, 2017), Circuito de Autores (2017) e Circuito de Contadores de Histórias (2017).

Profª. Drª. Evelyn Goyannes Dill Orrico, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Médica (1978), Bacharel em Letras Português-Francês (1990) e Mestre em Linguística (1995) pela UFRJ. Doutora em Ciência da Informação (2001) pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), no convênio estabelecido com a UFRJ. Professora Associada IV, atualmente Pró-Reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Inovação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), atuando há 19 anos no Programa de Pós-Graduação em Memória Social (PPGMS). Vice-coordenadora do Programa (2001-2004), assumindo a coordenação no período 2004-2006. Ex-coordenadora do Curso de Mestrado em Memória Social. Tesoureira na diretoria da ISKO-Brasil nos biênios 2011-2013 e 2013-2015. Atualmente coordena dois projetos de pesquisa financiados pelo CNPq (Bolsa Pq e Universal) e é colaboradora de projeto financiado pela FAPERJ, no âmbito do edital Pensa Rio. Atua nas áreas de Estudos Sociais e Ciência da Informação com enfoque na relação entre Memória-Discurso-Ciência-Divulgação científica. As áreas de interesse de pesquisa são as relações entre memória, linguagem e informação, assim como os seus variados meios de criação, validação e divulgação por diferentes mídias. ID SCOPUS 56192372800 ORCID 0000-0003-3121-0839.

Prof. Dr. Eliezer Pires da Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Arquivista (2006) e especialização em História do Brasil (2011) pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Ciência da Informação (2009) pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), no convênio estabelecido com a UFF. Doutor em Memória Social (2013) pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). É arquivista do Arquivo Nacional desde 2006, atualmente lotado na Coordenação de Apoio ao Conselho Nacional de Arquivos. É professor efetivo do Departamento de Arquivologia da UNIRIO, a partir de 2010, atuando na graduação em Arquivologia desde 2008, no Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos desde 2013, no Programa de Pós-Graduação em Memória Social desde 2019. Possui orientações concluídas na graduação, iniciação científica, monitoria, mestrado e doutorado. É Coordenador dos Programas Profissionais da área Comunicação e Informação na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), mandato 2018-2022; membro da Comissão Executiva do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos desde 2014; membro da Câmara Técnica de Arquivos Municipais do Conselho Estadual de Arquivos (CONEARQ) do Rio de Janeiro desde 2019; líder do Grupo de Pesquisa: Fundamentos e perspectivas Arquivísticas (http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/549078); Pesquisador UNIRIO de produtividade em pesquisa, Edital PPQ-UNIRIO 01/2019. Foi Chefe do Departamento de Arquivologia entre 2014 e 2015; Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Documentos e Arquivos entre 2015 e 2017; Diretor da Escola de Arquivologia entre 2017 e 2020; membro da Câmara de Pesquisa e de Bolsas da UNIRIO entre 2013 e 2016; membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) e da Comissão de Matrícula do Curso de Arquivologia da UNIRIO entre 2017 e 2020; membro da Comissão Executiva do Centro de Ciências Humanas e Sociais da UNIRIO entre 2017 e 2020; Representante eleito das instituições mantenedoras de Curso Superior de Arquivologia no Conselho Nacional de Arquivos (CONARQ), mandato entre 2018 e 2020; Professor Substituto do Departamento de Ciência da Informação da UFF em 2009. Coordena projetos de Extensão, com bolsistas desde 2015. Tem experiências profissionais nas áreas de Arquivologia e Ciência da Informação, abordando principalmente os seguintes temas: arquivologia, ciência da informação, memória social, arquivo e informação arquivística. 

Referências

ALBAGLI, Sarita. Divulgação científica: informação científica para a cidadania? Ciência da Informação. Brasília, v. 25, n. 3, p. 396-404, set./dez.,1996.

ALMEIDA, C. A ascensão dos blogues de ciência. Instituto Ciência Hoje, 2013. Disponível em: http://cienciahoje.uol.com.br/blogues/bussola/2013/07/a-ascensao-dos-blogues-deciencia/. Acesso em: 08 nov. 2014.

ALVES, Juliana Passos. A acomodação do discurso científico na produção de José Reis no Grupo Folha (1947-2002). 2018. 125 f. Dissertação (Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde) – Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2018.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BUENO, Wilson Costa. Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação & Informação, Londrina, v. 15, p 1-12, 2010.

BURGESS, Jean. Green, Joshua. YouTube e a Revolução Digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.

BURNS, T.W; O’CONNOR, D. J.; STOCKLMAYER, S. M. Science communication: a contemporary definition. Public Understanding of Science, v. 12, p. 183-202, 2003.

CASTELFRANCHI, Y. Scientists to the streets: science, politics and the public moving towards new osmoses. Journal of Science Communication, n. 2, jun. 2002.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Sítio eletrônico. Página inicial, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/cnpq/pt-br. Acesso em: 02 nov 2020.

ESTEVES, Bernardo; MASSARANI, Luisa; MOREIRA, Ildeu de Castro. Ciência para Todos e a divulgação científica na imprensa brasileira entre 1948 e 1953. Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência, v. 4, p. 62-85, 2006.

FAHNESTOCK, J. Adaptação da ciência: a vida retórica dos fatos científicos. In: MASSARANI, L.; TURNEY, J.; MOREIRA, I. C. Terra Incógnita – a interface entre ciência e público. Rio de Janeiro: Casa da Ciência, Museu da Vida e Vieira & Lent, 2005. p. 77-98.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Trad. Olínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 2002.

GOMES, Paula. O papel da identidade no encontro da cultura com a tecnologia: Um estudo sobre o site Omelete e seus projetos. 2015. Dissertação (mestrado em Comunicação Social) – Faculdade de Comunicação da Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2015.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

LEWENSTEIN, B. Models of public communication of science and technology. [S. I.: s. n.], 2003. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/43775/mod_resource/content/1/Texto/Lewenstein%2 02003.pdf. Acesso em: 11 fev. 2019.

MACEDO, M. Revistas de divulgação científica: do texto ao hipertexto. In: MASARANI, L.; MOREIRA, I. C.; BRITO, F. (Orgs.). Ciência e público: Caminhos da divulgação científica no Brasil, 2002. p. 185-202.

MASSARANI, L.; PETERS, H. P. Scientists in the public sphere: Interactions of scientists and journalists in Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 88, n. 2, p. 1165–1175, 7 jun. 2016.

MOIRAND, Sophie. Formas discursivas de saberes na mídia. Revista Rua, n. 6, p. 9-24, 2000.

MORALES-AIZPURÚA, Isabel C.; TENUTA-FILHO, Alfredo; SAKUMA, Alice M.; ZENEBON, Odair. Mercúrio total em cação comercializado em São Paulo-SP, Brasil. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 19, n. 3, p. 429-432, dez. 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20611999000300024&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 10 fev. 2021.

MOREIRA, I. C.; MASSARANI, L. M. Divulgação científica no Rio de Janeiro: Algumas reflexões sobre a década de 20. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Fiocruz-Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 627-651, 2000.

MOREIRA, Ildeu; MASSARANI, Luisa. Aspectos históricos da divulgação científica no Brasil. In: MASSARANI, Luisa; MOREIRA, Ildeu C.; BRITO, Fátima. (Org.). Ciência e público: caminhos da divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Ciência, 2002. p. 43-64

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Araripe de Sampaio Doria. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MOTTA-ROTH, D. A popularização da ciência como prática social e discursiva. In: MOTTA-ROTH, D.; GIERING, M. E. (Org.). Discursos de popularização da ciencia. Anais… Encontro do Núcleo de Estudos Avançados “Linguagem Cultura e Sociedade” - GT Labler), 2009. Santa Maria: LABLER-PPGL/UFSM, 2009.

OLIVEIRA, S. de M. de. Os blogs de divulgação científica: informação, notícia, divulgação. 2008. 145 f. Tese (Doutorado) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

ORRICO, Evelyn. A memória da divulgação científica: um discurso informacional. Revista Morpheus - Estudos Interdisciplinares em Memória Social, [S.l.], v. 8, n. 14, mar. 2015. ISSN 1676-2924. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/morpheus/article/view/4827. Acesso em: 02 jan. 2021.

PETERS, H. P. Gap between science and media revisited: Scientists as public communicators. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 110, n. Supplement 3, p. 14102–14109, 20 ago., 2013.

PETERS, H. P. Las dos culturas. Científicos y periodistas, una relación todavía vigente. Mètode. Science Studies Journal, v. 0, n. 80, 1 fev. 2014.

PORTO, C. de M. Impacto da internet na difusão da cultura científica brasileira: as transformações nos veículos e processos de disseminação e divulgação científica. 2010. 198f. Tese (Doutorado em Cultura e Sociedade). Universidade Federal da Bahia, 2010.

REALE, Manuella Vieira. O sabor do saber: divulgação científica em interação no YouTube. 2018. Dissertação (mestrado em Comunicação e Semiótica) – Faculdade Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

SAGAN, Carl. O mundo assombrado pelos demônios: a ciência vista como uma vela no escuro. Tradução de Rosaura Eichemberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SANCHEZ MORA, Ana Maria. A divulgação da ciência como literatura. Rio de Janeiro: Casa da Ciência – Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2003.

SANTOS, Patrícia Matos dos. O nerd virou cool: consumo, estilo de vida e identidade em uma cultura juvenil em ascensão. 2014. 116 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Arte e Comunicação Social, Rio de Janeiro, 2014.

VALENTE, Luciano. A ciência sexy da TV. ComCiência/Labjor. Disponível em: http://www.comciencia.br/comciencia/handler.php?section=8&edicao=37&id=448. Acesso em: 13 ago. 2018.

VALERIO, P. M.; PINHEIRO, L. V. R. Da comunicação científica à divulgação. TransInformação, Campinas, 20(2): 159-169, maio/ago., 2008.

VAN DIJCK, José. The culture of connectivity: a critical history of social media. New York: Oxford University Press, 2013.

VENEU, F; AMORIM, LH; MASSARANI, L. Da fonte ao leitor: a acomodação do discurso científico em jornais da América Latina. Journal of Science Communication, v. 7, n. 1, 2008.

VOGT, Carlos (org.). Cultura científica: Desafios. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp, 2006.

WASKO, J. e ERICKSON, M. The Political Economy of Youtube. In: SNICKARS, P. e VONDERAU, P. The Youtube Reader. Lithuania: Logotipas. 2009, p. 372-386.

ZAMBONI, L. M. S. Cientistas, jornalistas e a divulgação científica: subjetividade e heterogeneidade no discurso da divulgação científica. Campinas, SP: Editora Autores Associados, 2001.

ZAMBONI, L. M. S. Heterogeneidade e subjetividade no discurso de divulgação científica. 1997. Tese (Doutorado em Linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

ZAMPONI, G. Estratégias de construção da referência no gênero de popularização da ciência. In: KOCH, I.V.; MORATO, E.; BENTES, A. C. (Org.). Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto, 2005. p. 169-195.

ZANVETTOR, Kátia; CALDAS, Graça. Divulgação científica e interdisciplinaridade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 39., 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: Intercom, 2016.

Downloads

Publicado

15/03/2021

Como citar

VALENTIM, A. P. S. .; ORRICO, E. G. D. .; SILVA, E. P. da . Memória e discurso de divulgação científica em mídias contemporâneas: Um olhar sobre a Cultura da Convergência. P2P E INOVAÇÃO, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 88–111, 2021. DOI: 10.21721/p2p.2021v7n2.p88-111. Disponível em: http://revista.ibict.br/p2p/article/view/5638. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos