Senciência e epistemologia

um estudo fenomenológico em vista à percepção do pesquisador epistemólogo

Autores

  • Sérgio Rodrigues de Santana UFPB
  • Eliane Epifane Martins
  • Annebelle Pena Lima Magalhães Cruz

DOI:

https://doi.org/10.21728/logeion.2024v11n1e-7059

Palavras-chave:

Senciência, Epistemologia, Fenomenologia, Ciência da Informação, Epistemólogo

Resumo

O desafio da epistemologia é compreender o que é o conhecimento científico e como o cientista chega a ele, do mesmo modo tudo que orbita este caráter, o que inclui a senciência, logo a relação epistemólogo e sua condição de ‘estar-no-mundo’ que podem ser suspensos, refletido e analisado. A senciência é capacidade dos seres humanos e alguns organismos mais simples de perceber e sentir as emoções, sentimentos e afetações positivas e negativas de forma consciente e impostar-se sobre os excedentes esta relação. O epistemólogo é um filósofo e um pesquisador acadêmico especialista em fazer reflexões, críticas, reduções e reavaliações das identidades estabelecida nas bases do fazer científico. Neste sentido, qual é o lugar da senciência na epistemologia quanto à percepção do pesquisador epistemólogo? O objetivo visualizar o papel da senciência na epistemologia. A justificativa versa em compreender a senciência na vida mental dos cientistas na construção do conhecimento científico, pois mesmo nas mentes lúcidas, há zonas obscuras. Adotou-se o método fenomenológico, é essencialmente de inclinação qualitativa e descritiva, logo trata das discrições de fenômenos da consciência, da experiência e vivências, ações e comportamentos. O lugar da senciência na epistemologia versa no descontentamento da percepção pueril/realista e professoral/cientista do pesquisador epistemólogo, uma vez que a senciência se figura para além da consciência de autoconsciência.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Sérgio Rodrigues de Santana, UFPB

    Doutor e Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Graduado em Psicologia (UFPB) e Biblioteconomia (Uniasselvi), é graduando em Arquivologia e Museologia (Uniasselvi), especialista em 'Ensino e Interdisciplinaridade' (Uniasselvi) e especialista em Arquivologia (Faculdade Domínios). É líder do Grupo de Estudos em  Interdisciplinaridades e Epistemologias  (GintEpis) e  integra o grupo de pesquisa Núcleo de Estudos e Pesquisas em Informação, Educação e Relações Étnico-raciais (NEPIE-RE/GEINCOS-CCSA/UFPB) e realiza pesquisa na área de Epistemologia.

  • Eliane Epifane Martins

    Mestra em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Atua como docente no Curso Técnico em Biblioteconomia do Instituto de Educação Estadual do Pará (IEEP) e bibliotecária na Companhia de Desenvolvimento da Área Metropolitana de Belém/PA (CODEM). Realiza pesquisas na área da Ciência da Informação, memória e patrimônio cultural.

  • Annebelle Pena Lima Magalhães Cruz

    Doutora em Educação (ULBRA/RS, 2024). Mestre em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local (Centro Universitário UNA/BH/2013). Graduada em Psicologia (UNINCOR/MG/2009), Pedagogia (FBN/AM/2023) e Ciências Sociais (ÚNICA, 2024). Formação Complementar em Pedagogia (FCE/2022). Especialista em áreas interdisciplinares (Psicologia, Gestão, Direitos Humanos, Educação Especial, outros). Membro do Grupo de Pesquisa "Cultura e Educação" (CAPES/ULBRA, 2020). 

     

Referências

ALMADA, L.; MESQUITA, O. S. L. O corpo na autoconsciência: A tese da autoconsciência substantiva e a senciência corporal. Kalagatos, Fortaleza, v. 15, n. 1, p. 25–51, 2021. Disponível em: https://revistas.uece.br/index.php/kalagatos/article/view/6300. Acesso em: 19 maio. 2024.

ALMEIDA, J. F. Velhos e novos aspectos da epistemologia das ciências sociais. Sociologia, Problemas e Práticas, n. 55, 2007.Disponível em: https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/1111/1/1.pdf. Acesso em: 29 maio 2013.

ARAÚJO, H. F. Uma filosofia da percepção em Platão. Archai, n. 13, jul/dez, 2014. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/archai/article/download/8490/7077/14704. Acesso em: 29 jan. 2024.

ATKINSON, L. R. et al. Introdução à psicologia de Hilgard. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.

AZEVEDO, B. V.; AZEVEDO, B. M. O Método Fenomenológico Proposto por Edmund Husserl e o Caso Escola Base. Sintese, dez. 2010. Disponível em: http://www.sintese.com/doutrina_integra.asp?id=1167#:~:text=Dessa%20forma%2C%20releva%20destacar%20que,se%20dos%20conceitos%20pr%C3%A9vios%3B%20d. Acesso em: 4 jan. 2020.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BORKO, H. Information science: what is it? American Documentation, v. 19, n. 1, p.3-5, jan. 1968. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2532327/mod_resource/content/1/Oque%C3%A9CI.pdf. Acesso em: 14 jun. 2023.

BOUYER, G. C. A "nova" Ciência da Cognição e a Fenomenologia: Conexões e emergências no pensamento de Francisco Varela. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v.7 n.1 mar. 2006. Disponível em: h http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-58212006000100008. Acesso em: 29 jan. 2024.

BROOM D.M. Cognitive ability and sentience: which aquatic animals should be protected? Diseases of Aquatic Organisms, v. 75, 2007.Disponível em: https://www.int-res.com/articles/dao_oa/d075p099.pdf. Acesso em: 4 jan. 2020.

BROOM, D. M. Limits to sentience. Animal Sentience. v. 33, n.26, 2023. Disponível em: https://www.wellbeingintlstudiesrepository.org/cgi/viewcontent.cgi?article=1818&context=animsent. Acesso em: 19 maio. 2024.

CAPALBO, C. A questão da verdade em Husserl. Reflexão, Campinas, n. 34, n. 96, jul./dez., 2009 Disponível em: https://periodicos.puc-campinas.edu.br/reflexao/article/view/3120/2080. Acesso em: 4 jan. 2024.

CASTRO, Thiago Gomes de; GOMES, William Barbosa. Aplicações do método fenomenológico à pesquisa em psicologia: tradições e tendências. Estudos de Psicologia, Campinas, v.28, n.2, pp.153-161. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/estpsi/v28n2/03.pdf. Acesso em: 29 jan. 2024.

DAVIDOFF, L. L. Introdução à psicologia. São Paulo: Pearson Education, 2001.

DAL PONT, Á. A. M. et al. Senciência em cães e gatos. Pubvet: publicações em medicina veterinária e zootecnia, v.16, Supl. 1, a1314, p.1-5, 2022.Disponível em: https://www.pubvet.com.br/uploads/33beebff64dbf8d18f9d36af05eb076b.pdf. Acesso em: 29 jan. 2024.

FELIPE, S. T. .Por uma questão de princípios: Alcance e limites da ética de Peter Singer em defesa dos animais. Florianópolis. Fundação Boiteux, 2003.

FLÓREZ MIGUEL, C., Razón y inteligencia en Zubiri, The Xavier Zubiri Review, v. 1, 1998.Disponível em: http://www.zubiri.org/general/xzreview/1998/razoneinteligencia.html. Acesso em: 24 bar. 2024.

GÓMEZ, M. N. G. Metodologia da pesquisa no campo da ciência da informação. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 23-24, n. 3, 2000. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/76536. Acesso em: 24 bar. 2024.

HERNÁEZ, R., Filosofía, actualidad y inteligencia en Xavier Zubiri, Xavier Zubiri Review, v. 2, 1999.Disponível em: http://www.zubiri.org/general/xzreview/1999/hernaez1999.htm. Acesso em: 24 bar. 2024.

OLIVEIRA, F. G. Psicologia da educação e da aprendizagem. Indaial: Uniasselvi, 2014.

MARCIANO, J. L. P. Abordagens epistemológicas à Ciência DA Informação: fenomenologia e hermenêutica. TransInformação, Campinas, v. 18, n. 3, p. 181-190, set./dez., 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-37862006000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 5 out. 2020.

MORONI, J.; GONZALEZ M. E. Q. ;MORAES, J. A.O QUE É FILOSOFIA ECOLÓGICA? Kínesis, Marília, v. 3, n. 05, jul.2011.

MOSTAFA, S. P.; LIMA, A. B. A.; MURGUIA, E. I. Paradigmas teóricos da biblioteconomia e ciência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 21, n. 3, 1992. Disponível em: https://cip.brapci.inf.br//download/20991. Acesso em: 13 jan. 2024.

RAFFAELLI, R. Considerações Interdisciplinares: Psicanálise e Psicologia Cognitiva. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, Florianópolis, n. 27, set. 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/download/1742/4408/15853

. Acesso em: 13 jan. 2024.

SANTANA, S. R.; SOUZA, E. D. A formação do espírito científico na ciência da informação: contribuições da psicanálise do conhecimento e da responsabilidade social. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 20., 2019, Belo Horizonte. Anais [...]. Florianópolis: UFSC, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/123732. Acesso em: 14 jan. 2020.

SANTANA, S. R.; MELO, M. L. D.; SANTOS, R. F. A perspectiva social da Ciência da Informação acerca da população LGBTQIA+ brasileira no contexto pandêmico. Ciência Da Informação Em Revista, Maceió, v. 9, n.1/3, p. 1-19, jan./dez. 2022.Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/11939/10493. Acesso em: 4 jan. 2024.

TAVARES, R. A filosofia a ser ensinada: pensamento e filosofia em Xavier Zubiri. Tavares. Ensino & Pesquisa, v.15, n. 3, 2017.

TESSER, G. J. Principais linhas epistemológicas contemporâneas. Educação em revista, Marília, v. 10, dez. 1994.Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/RqVtSyMvVkrCQVGtbxKYZpt. Acesso em: 19 maio. 2024.

WENDHAUSEN, Mônica; MELO, Sônia Maria Martins de; VIEIRA, Rui Marques; RECOLHA E ANÁLISE DE DADOS NUMA PERSPECTIVA FENOMENOLÓGICA:

registros das redes sociais como corpus documental numa investigação em educação

Cad. Pesq., São Luís, v. 25, n. 4, out./dez. 2018. Disponível em: https://ria.ua.pt/bitstream/10773/27310/1/069.pdf. Acesso em: 4 jan. 2024.

ZUBIRI, X. Inteligência e Realidade. São Paulo: É Realizações, 2011.

ZUBIRI, X. Sentient Intelligence, Washington, Entire contentes, 1999.Disponível em: http://www.zubiri.org/works/englishworks/si/Sentientintelligence.pdf. Acesso em: 4 jan. 2024.

Downloads

Publicado

04/07/2024

Como Citar

Senciência e epistemologia: um estudo fenomenológico em vista à percepção do pesquisador epistemólogo. Logeion: Filosofia da Informação, Rio de Janeiro, RJ, v. 11, n. 1, p. e-7059, 2024. DOI: 10.21728/logeion.2024v11n1e-7059. Disponível em: https://revista.ibict.br/fiinf/article/view/7059.. Acesso em: 22 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)