Impactos da pandemia do coronavírus (covid-19) no trabalho em home office e maternidade

percepção das mães do oeste catarinense

Autores

  • Monyque Konzen Lasch Kretzler Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Kelly Cristina Benetti Tonani Tosta Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Maxsuel César Bonatto Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Joice Moreira Schmalfuss Universidade Federal da Fronteira Sul

Resumo

A pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) e o distanciamento social alteraram a dinâmica do trabalho e a rotina das famílias. Um dos desafios impostos a pais e mães foi conciliar as atividades profissionais, os afazeres de casa e a atenção aos filhos. Desta forma, este estudo se propôs a analisar a percepção das mães do oeste do estado de Santa Catarina quanto aos impactos da pandemia do coronavírus na conciliação da maternidade com o trabalho em regime home office. Trata-se de uma pesquisa de abordagem quantitativa, do tipo descritiva. A coleta de dados ocorreu por meio de aplicação de questionário virtual composto por questões fechadas e abertas, que foi respondido por 101 mães. Na análise dos dados, ficou evidente que a rede de apoio na ajuda ao cuidado dos filhos no período da pandemia caiu 52,90%. A principal dificuldade apontada pelas respondentes foi o estabelecimento de limites entre maternidade, casa e trabalho, somando 20,11%. Este fato também foi identificado nos depoimentos apresentados pelas respondentes, bem como queixas sobre a desigualdade de gênero vivenciadas dentro do lar. A falta de recursos necessários para execução das atividades laborais, ambiente impróprio e diversas interrupções, foram algumas das condições que acarretaram desempenho e produtividade inferior no teletrabalho. Para tornar a atuação das mulheres mães no mercado de trabalho mais justa e menos penosa, devem acontecer mudanças nas políticas trabalhistas com melhor adequação entre a maternidade e o mercado de trabalho, fornecimento de recursos para o bom desempenho laboral em home office e atuação mais engajada da sociedade na mudança, além de maior participação dos companheiros na execução das tarefas do lar e na criação dos filhos.

Biografia do autor

Monyque Konzen Lasch Kretzler, Universidade Federal da Fronteira Sul

Bacharela em Administração, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó, SC, Brasil.

Kelly Cristina Benetti Tonani Tosta, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Docente da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Maxsuel César Bonatto, Universidade Federal da Fronteira Sul

Bacharel em Engenharia de Produção, União de Ensino do Sudoeste do Paraná (UNISEP), Francisco Beltrão, PR, Brasil.

Assistente em Administração, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó, SC, Brasil.

Joice Moreira Schmalfuss, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora em Ciências da Saúde, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (UNOCHAPECO), Chapecó, SC, Brasil.

Docente da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Chapecó, SC, Brasil.

Downloads

Publicado

10/03/2022

Como citar

Konzen Lasch Kretzler, M. ., Benetti Tonani Tosta, K. . C. ., Bonatto, M. C. ., & Moreira Schmalfuss, J. . (2022). Impactos da pandemia do coronavírus (covid-19) no trabalho em home office e maternidade: percepção das mães do oeste catarinense. Inclusão Social, 14(1). Recuperado de https://revista.ibict.br/inclusao/article/view/5894