Para onde caminha a sustentabilidade dos estados da Amazônia?

Eduardo José Monteiro da Costa, Marta Helenise Maia Amorim

Resumo


Fomentar o debate sobre a sustentabilidade regional, subsidiando a gestão pública, o setor privado e a comunidade acadêmica no que tange à formulação e implementação de ações voltadas à melhoria da qualidade de vida dos estados da Amazônia. Utilizou-se como base de estudo o Barômetro da Sustentabilidade (BS), cuja escolha baseou-se no grau de versatilidade dessa ferramenta. A metodologia empregada para a construção do BS se apresenta como uma das mais versáteis existentes. Em sua composição não existe um número fixo de indicadores e a escolha dos indicadores que serão utilizados ocorre de acordo com a possibilidade de construção de escalas de desempenho, da área de estudo e da disponibilidade de informações. O BS pode ser aplicado desde a escala local até a global, permitindo comparações entre diferentes locais e ao longo de um horizonte temporal determinado. Para os estados da Amazônia, o nível de sustentabilidade foi considerado baixo, sendo sete estados classificados como intermediários e dois estados com níveis próximos do insustentável. Por conseguinte, é fundamental enfatizar que as reflexões deste estudo são indicativos que oferecerão suporte para os gestores na execução de políticas e investimentos públicos. Espera-se contribuir para avanços mais significativos no planejamento e realização de ações rumo ao desenvolvimento sustentável de um novo cenário na Amazônia.

Palavras-chave


Amazônia; Sustentabilidade; Barômetro da Sustentabilidade; Desenvolvimento Sustentável

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Eduardo José Monteiro da Costa, Marta Helenise Maia Amorim

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.