Da imaginação do desejossonho à imaginação do real

Paulo Sergio Sgarbi Goulart

Resumo


Para estabelecer um confronto com o conceito “leitura de imagem”, tenho desenvolvido, desde 2005, junto com o grupo de pesquisa Linguagens desenhadas e educação, a noção de vistura, cujas linhas gerais e caminhos percorridos até agora (maio de 2017) foram apresentados na 1ª Bienal Nacional de Imagens na Ciência, Arte, Tecnologia, Educação e Cultura, em junho de 2013. O texto está estruturado a partir dos slides da apresentação feita na bienal, que traz um percurso que tem como propósito estabelecer algumas diferenciações marcantes e essenciais entre as linguagens verbal, escrita e falada, e imagética que sustentes que a noção de vistura é mais apropriada para tratar a imagem do que o conceito de leitura de imagem. Para aprofundar a questão, passam-se pela expressão imagética de pessoas sem visão, alguns, mesmo, cegos de nascença e de outras cuja “deficiência” seria limitadora da expressão pela imagem. Passando por pequena análise de algumas produções imagéticas, como livroimagem, charges, cartuns, e estreitando a relação da linguagem imagética com a ciência, fecha-se o texto como uma provocação à reflexão sobre a noção de vistura.

Palavras-chave


Vistura; Leitura de imagem; Imagem e ciência

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Paulo Sergio Sgarbi Goulart

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.


Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict)
SAUS - Setor de Autarquias Sul, Quadra 5, Lote 6, Bloco H
Seção de Editoração - sala 500
CEP 70070-912
Brasília-DF, Brasil

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo publicado nesta revista está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.