O texto-performance como tentativa de exuzilhamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v17i2.5819

Palavras-chave:

Decolonialidade, Relatoria Crítica

Resumo

Relatoria Crítica: O texto-performance como tentativa de exuzilhamento

Referências

AMIN, Samir, 1989. El Eurocentrismo. Crítica de uma ideología. Mexico: Siglo Editores.

BHABHA, Homi K., 2013. O local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG.

CARNEIRO, Sueli, 2011. Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro.

CARNEIRO, Sueli, 2005. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. Tese (Doutorado em Educação) Universidade de São Paulo. São Paulo.

CARNEIRO, Sueli, 2018. Escritos de uma vida. Belo Horizonte: Editora Letramento.

COLLINS, Patricia Hill e BILGE, Sirma, 2017. Intersectionality. Cambridge: Polity.

CRENSHAW, Kimberlé, 2017. Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence against Women of Color. Stanford Law Review. 2017, vol. 43, no. 6, 1991. p. 1.241-99. Disponível em < https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/mapping-the-margins-intersectionality-identity-politics-and-violence-against-women-of-color-kimberle-crenshaw1.pdf > DOI: https://doi.org/10.2307/1229039

EVARISTO, Conceição, 2008. Vozes-Mulheres. In: Poemas da recordação e outros movimentos. Belo Horizonte: Nandyala.

FOUCAULT, Michel, 2015. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

GOMES, Nilma Lino, 2005. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação Anti-racista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03. Brasília, MEC, Secretaria de educação continuada e alfabetização e diversidade.

KILOMBA, Grada, 2016. Quem pode falar?. 12 janeiro 2016. [Acesso em 9 outubro 2021].Disponível em: http://www.pretaenerd.com.br/2016/01/traducao-quem-pode-falar-grada-kilomba.html

KRENAK, Ailton, 2019. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras.

MARTINS, Leda, 2002. Performances do tempo espiralar. In: Performance, exílio, fronteiras; errâncias, territórios e textuais. Belo Horizonte: Departamento de Letras Românticas, Faculdade de Letras / UFMG: Poslit.

MARTINS, Leda, 2003. Performances da Oralitura: corpo lugar de memória. In: Revista do programa de Pós-Graduação em Letras, no. 26. Língua e Literatura: Limites e Fronteiras.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade. O lado mais escuro da modernidade. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais. 2017. vol. 32 no. 94. DOI: https://doi.org/10.17666/329402/2017

MOURA, Maria Aparecida, 2018. Organização social do conhecimento e performatividade de gênero: dispositivos, regimes de saber e relações de poder. In: Liin em Revista, Rio de Janeiro, vol.14, no.2, p. 118-135. DOI: https://doi.org/10.18617/liinc.v14i2.4472

MUNANGA, Kabengele, 1996. As facetas de um racismo silenciado. In: Raça e Diversidade. São Paulo: Edusp/Estação.

PRANDI, Reginaldo, 2001. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas, Buenos Aires, 2005.

QUIJANO, Aníbal, 1992. Colonialidad Y Modernidad/racionalidade. In: Perú Indígena, vol. 13, no. 29, Lima.

SANTOS, Tiganá Santana Neves, 2019. A cosmologia africana dos bantu-kongo por Bunseki Fu-Kiau: tradução negra, reflexões e diálogos a partir do Brasil. Tese Doutorado em Letras. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

30/11/2021

Edição

Seção

Relatos de Experiência: Decolonialidade e Ciência da Informação

Como Citar

O texto-performance como tentativa de exuzilhamento. Liinc em Revista, [S. l.], v. 17, n. 2, p. e5819, 2021. DOI: 10.18617/liinc.v17i2.5819. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/5819.. Acesso em: 17 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 57

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.