Os repositórios públicos do Estado brasileiro e a construção da autonomia informacional dos povos indígenas

Rodrigo Piquet Saboia de Mello, Ricardo Medeiros Pimenta

Resumo


Este trabalho procura refletir as relações existentes entre as informações contidas nos repositórios públicos do Estado brasileiro referentes à temática indígena, as diretrizes que norteiam o trabalho indigenista e o processo de autonomia informacional dos povos indígenas. O processo de criação documental gerou no primeiro momento o poder de controle do Estado sobre os povos indígenas, e, posteriormente, o mesmo grupo que havia sido vigiado e controlado pode se apoderar das ferramentas criadas pelo próprio Estado para se empoderar e lutar de maneira qualificada para a conquista e manutenção de seus territórios e de suas especificidades culturais.

Palavras-chave


Informação indígena; Autonomia informacional; Indigenismo

Texto completo:

PDF

Referências


BOÂS FILHO, Orlando Villas. A juridicização e o campo indigenista no Brasil: uma abordagem interdisciplinar. Revista da Faculdade de Direito, São Paulo, v. 111, p. 339-379, jan./dez. 2016.

BOLAÑO, César Ricardo Silveira. Sociedade da Informação, reestruturação produtiva e economia do conhecimento. Universidade e Sociedade, v. 14, n. 33, p. 186-190, 2004.

BRIET, Suzanne. O que é a documentação? Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2016.

BORKO, H. Information Science: What is it? American Documentation, v. 19, n. 1, jan. 1968.

BRADFORD, S. C. Documentação. Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura, 1961.

DELMAS, Bruno. Arquivos para que? Textos escolhidos. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2010.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1999.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha (organizador). Memória do SPI: textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2011.

FREIRE, José Ribamar Bessa. Introdução. In: MUSEU do Índio. Povos indígenas no sul da Bahia: Posto Indígena Caramuru-Paraguaçu (1910-1967). Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2002. p. ????

GARCIA, Joana Coeli Ribeiro. Conferências do Geórgia Institute of Technology e a Ciência da Informação: de volta para o futuro. Informação & Sociedade, v. 12, n. 1, p. 54-66, 2002.

GUTIÉRREZ, Antonio García. Cientificamente favelados: uma visão crítica do conhecimento a partir da epistemografia. Transinformação, Campinas, v. 18, n. 2, p. 103-112, maio/ago, 2006.

LE COADIC, Yves-François. A Ciência da Informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2004.

LIMA, Antonio Carlos de Souza; BARROSO-HOFFMAN, Maria (organizadores). Além da tutela: bases para uma nova política indigenista III. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/LACED, 2002.

KETELLAR, Eric. Gestión de registros y poder social. In: MCKEMMISH, Sue [et.al.]. Archivos: gestión de registro en la sociedad. Cartagena: 3000 Informatica, 2007.

MACHADO, Ana Maria Nogueira. Informação e controle bibliográfico: um olhar sobre a cibernética. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

MELLO, Rodrigo Piquet Saboia de Mello. A importância dos arquivos para a garantia dos direitos indígenas. Arquivo e Administração, Rio de Janeiro, v. 13, p. 56-69, 2014.

MUSEU do Índio. Museu do Índio: 30 anos, 1953-1983. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 1983.

PAULA, Ruth Wallace de Garcia; GOMES, Jussara Vieira. O Museu do Índio: 1953-1983. In: MUSEU do Índio. Museu do Índio: 30 anos, 1953-1983. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 1983. p. 9-22

RIBEIRO, Darcy. A Política Indigenista Brasileira. Rio de Janeiro: Serviço de Informação Agrícola, 1962.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Rodrigo Piquet Saboia de Mello

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.


Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict)
SAUS - Setor de Autarquias Sul, Quadra 5, Lote 6, Bloco H
Seção de Editoração - sala 500
CEP 70070-912
Brasília-DF, Brasil

Licença Creative Commons
Todo o conteúdo publicado nesta revista está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.