Encontrabilidade da informação e os princípios FAIR: meios alternativos de gestão de dados abertos

Autores

  • Diego Leonardo de Souza Fonseca Instituto Federal do Amazonas (IFAM)
  • Edvaldo Wellington Monteiro Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA

DOI:

https://doi.org/10.18225/ci.inf.v48i3.4971

Palavras-chave:

Dados abertos, Open Access, Encontrabilidade da Informação, Princípios FAIR.

Resumo

No cenário hodierno, com suas múltiplas formas de acesso, ambientes informacionais digitais e plataformas multicomunicacionais, surgem demandas que visam abranger as questões que esses assuntos trazem. Dentre estas demandas tem-se os dados abertos e o movimento open access, os quais contribuem para a disseminação de produções intelectuais de modo aberto. Este estudo visou buscar a compreensão acerca de como se utilizar, acessar e compartilhar esses dados, e, também, os conceitos da Encontrabilidade da Informação e os Princípios FAIR aqui analisados com o intuito de saber o que são? E como podem ser proveitosos para a gestão de dados abertos, em especial em ambientes informacionais digitais, além é claro de serem usados em Repositórios Digitais. Na pesquisa foi visto que a Encontrabilidade da Informação, a qual tem relação com localização da informação, vem contribuindo para a comunicação entre os usuários e o ambiente informacional digital, além de permitir o acesso, compartilhamento e uso da mesma, bem como conceitos sobre o assunto a que vieram reforçar a pesquisa e relaciona-lo com os dados abertos e movimento open access. Ademais, foram vistos os Princípios FAIR, os quais são um acrônimo de Findable, Accessible, Interoperable e Reusable, que surgiram com a finalidade de agregar qualidade aos dados de pesquisa (assim como dos metadados) facilitando as descobertas de recursos, reutilização de dados e uma boa gestão dos mesmos. Foi explorado no estudo cada um dos conceitos e aplicações para o desenvolvimento e melhoramento de dados abertos. Logo, percebeu-se que os Princípios FAIR e a Encontrabilidade contribuem para um aumento na qualidade e valor agregado aos dados (e metadados) disponíveis para a sociedade, além de proporcionarem o desenvolvimento de padrões de metadados que trazem uma maior cobertura para os dados abertos de instituições por meio dos seus repositórios digitais, de forma mais interativa e dinâmica.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Diego Leonardo de Souza Fonseca, Instituto Federal do Amazonas (IFAM)
    Graduado em Biblioteconomia. Especialização em Gestão Tecnológica da Informação. Mestre em Engenharia de Produção. Atualmente é Tecnico-Admnistrativo em Educação exercendo o cargo de Bibliotecário-Documentalista no Instituto Federal do Amazonas (IFAM).
  • Edvaldo Wellington Monteiro, Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA
    Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Pará (2010). Pós Graduado em Gestão Tecnológica da Informação pela Escola Superior da Amazônia (ESAMAZ) (2011). Tem experiência na área de Ciência da Informação, Biblioteconomia e boa práticas em Arquivos. Possui interesse em assuntos correlatos com: Ciência da Informação, Sistemas de Informação, Informação Eletrônica, Web Semântica, Metadados, Classificação, Catalogação e Indexação, Mediação da Informação, Bases de Dados, Arquitetura da Informação, Redes Neurais, Inteligência Artificial, Tecnologia da Informação e Gestão Eletrônica de Documentos.

Referências

MORVILLE, P. Ambient findability. Sebastopol: O’Really, 2005.

SANCHEZ, F. A.; VIDOTTI, S. A. B. G.; VECHIATO, F. L. A contribuição da curadoria digital em repositórios digitais. Revista Informação na Sociedade Contemporânea, p. 1-17, 11 jun. 2017.

SAYÃO, L. F; SALES, L. F. Curadoria digital: um novo patamar para preservação de dados digitais de pesquisa. Inf. & Soc.: Estudos, João Pessoa, v. 22, n.3. p.179-191, set./dez. 2012.

Downloads

Publicado

20/03/2020

Como Citar

Encontrabilidade da informação e os princípios FAIR: meios alternativos de gestão de dados abertos. Ciência da Informação, [S. l.], v. 48, n. 3, 2020. DOI: 10.18225/ci.inf.v48i3.4971. Disponível em: https://revista.ibict.br/ciinf/article/view/4971.. Acesso em: 24 maio. 2024.