Inteligência e complexidade - a propósito de idéias de Hillis

Autores

  • Pedro Demo UnB

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v1i2.191

Resumo


Um dos espaços privilegiados para estudo da capacidade humana de aprender é o da inteligência artificial. Embora esteja marcado, historicamente, pela expectativa mecanicista do representacionismo direto, tem evoluído muito nos últimos tempos, à luz de acerbo debate, nem sempre bem comportado. Seja como for, eis uma questão que tem atraído a atenção e fúria de muitos pesquisadores: poderiam as máquinas tornar-se inteligentes, talvez mais inteligentes que os seres humanos? Neste texto breve e introdutório, indicamos alguns traços desta discussão, tomando como fulcro o livro de Hillis (1998) sobre as promessas do computador, cada vez mais capaz de unir complexidade e inteligência.

Palavras chave: Hillis; inteligência humana; inteligência artificial

Biografia do Autor

  • Pedro Demo, UnB
    Pós-doutor pela University of California at Los Angeles (UCLA), professor do Departamento de Sociologia /UnB. CV disponível em http://lattes.cnpq.br/1988962364420428

Downloads

Publicado

13/10/2006

Edição

Seção

Desafios da Sociedade da Informação

Como Citar

Inteligência e complexidade - a propósito de idéias de Hillis. Liinc em Revista, [S. l.], v. 1, n. 2, 2006. DOI: 10.18617/liinc.v1i2.191. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/3087.. Acesso em: 23 jul. 2024.