As redes têm centros: uma estratégia para migração da cultura pré-digital para a simbiose de redes sociais integradas em centros de atividades sociológicas e informacionais

Autores

  • Gilson Lima UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v1i2.195

Resumo


Tentamos aqui responder a duas questões: 1) Como migrar uma qualificada herança da cultura, do saber e da pesquisa pré-digital para um aprendizado digital tendo em vista as novas gerações de gestores, pesquisadores, cientistas sociais e educadores? 2) Pensando no próprio aprendizado de ambientes digitais e no grande acúmulo de metodologias de pesquisa nas ciências sociais, que são, em grande parte, metodologias pré-digitais, como devemos proceder? Defenderemos a idéia da implantação de redes em estratégias integradas em uma concepção simbiótica (física e social), ou seja, redes enquanto Centros ampliados de Atividades Sociológicas e Informacionais. Para isso, abordaremos e precisaremos o conceito de informação e sua especificidade enquanto moderna informação computacional em redes digitais. Em seguida, apresentaremos a idéia de centro de atividades e demonstraremos algumas experiências sociais precursoras desses centros de atividade no Brasil.

Palavras chave: pesquisa pré-digital; redes digitais; centros de atividades informacionais.

Biografia do autor

Gilson Lima, UFRGS

Doutor em Sociologia, Professor ProDoc do Programa de Pós Graduação em Sociologia da UFRGS, pesquisador e escritor

Downloads

Publicado

13/10/2006

Como citar

Lima, G. (2006). As redes têm centros: uma estratégia para migração da cultura pré-digital para a simbiose de redes sociais integradas em centros de atividades sociológicas e informacionais. Liinc Em Revista, 1(2). https://doi.org/10.18617/liinc.v1i2.195

Edição

Seção

Desafios da Sociedade da Informação