Colonialidade, classificação e poder

Autores

Palavras-chave:

Colonialismo, Refugiados, Imigrantes, Classificação

Resumo

O objetivo deste trabalho é criar um espaço pra reflexão e análise de como os termos imigração e refúgio foram historicamente construídos no Brasil e seus desdobramentos no campo científico, mais precisamente na Organização do Conhecimento. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa teórica ante uma revisão bibliográfica de aspectos históricos e epistemológicos que envolvem as temáticas colonização, escravidão, imigração e refúgio no Brasil. O aspecto exploratório se dá por meio da investigação destes temas que se inter-relacionam como construções históricas e políticas que se categorizam, remetendo a colonialidade do ser e do saber aos muitos domínios, dentre eles a organização do conhecimento. Os resultados do estudo e a exposição da construção destes conceitos se considera que poderá contribuir para uma apertura e atitude positiva perante aos processos de revisão dos sistemas de organização do conhecimento e o empoderamento das classes historicamente desfavorecidas.

Referências

AZEVEDO, Gislane Campos, SERIACOPI, Reinaldo. 2008. História. São Paulo, SP: Ática.

BALESTRIN, Luciana. 2013. América Latina e giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, 2013, n. 11, p. 89-117

BEZERRA, Fabíola Maria Pereir. 2011. A representação temática nos sistemas de informação e o reflexo na qualidade de comunicação com os usuários. Em: Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias. 2008, no. XIV. [Acesso em 21 junho 2021]. Disponível em: http://www.repositoriobib.ufc.br/000003/000003EA.pdf.

BHABHA, Homi K. 1998. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG.

BOCCATO, Vera Regina Casari. 2009. A linguagem documentária vista pelo conteúdo, forma e uso na perspectiva de catalogadores e usuários. Em: FUJITA, Mariângela Spotti Lopes, BOCCATO, Vera Regina Casari, RUBI, Milena Polsinelli, GONÇALVES, Maria Carolina, org. A indexação de livros: a percepção de catalogadores e usuários de bibliotecas universitárias. Um estudo de observação do contexto sociocognitivo com protocolos verbais [em linha]. São Paulo: Cultura Acadêmica, pp. 119-136. [Acesso em 20 junho 2021]. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/wcvbc/pdf/boccato-9788579830150.pdf.

CHAUÍ, Marilena. 2011. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. São Paulo: Cortez.

CORONE, Edgard. 1978. A república velha I: instituições e classes sociais. São Paulo: Difel.

DELEUZE, Gilles, GUATTARI, Félix. 2010. O que é Filosofia? São Paulo: Editora 34.

GALEANO, Eduardo. 1985. As Veias abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

HEIDEGGER, Martin. 1986. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes.

LANDER, Edgardo. 2005. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. Em: LANDER, Edgardo, org. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clasco.

LEAO, Diogo Abreu. 2021. Abolição da escravatura brasileira. Politize! [em linha]. 13 maio 2021. [Acesso em 10 junho 2021]. Disponível em: https://www.politize.com.br/abolicao-da-escravatura-brasileira/.

MACHADO, Igor José de Renó. 2020. Etnografias do refúgio no Brasil. São Carlos: EdUFSCar.

MAIA, Fernando Joaquim Ferreira, FARIAS, Mayara Helenna Veríssimo de. 2020. Colonialidade do poder: a formação do eurocentrismo como padrão de poder mundial por meio da colonização da América. Interações [em linha]. 2020. vol. 21, no. 3, p. 577–596. [Acesso em 18 junho 2021]. 10.20435/inter.v21i3.2300. Disponível em: https://www.interacoes.ucdb.br/interacoes/article/view/2300/2470

MALKKI, Liisa H. 1995. Refugees and exile: from “refugee studies” to the national order of things. Annual Review of Anthropology [em linha]. 1995. vol. 24, p. 495-523. [Acesso em 18 junho 2021]. 10.1146/annurev.an.24.100195.002431. Disponível em: https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev.an.24.100195.002431

MELLO, Mariana Rodrigues Gomes de, MARTÍNEZ-ÁVILA, Daniel. 2021. Desinformação, verdade e pós-verdade: reflexões epistemológicas e contribuições de piaget. Logeion: filosofia da informação, [em linha]. 2021. vol. 7, p. 108-127. [Acesso em 09 junho 2021]. 10.21728/logeion.2021v7n2.p108-127. Disponível em: http://revista.ibict.br/fiinf/article/view/5480/5234

MELLO, Mariana Rodrigues Gomes de, VALENTIM, Marta Lígia Pomim. 2021. Análise do discurso: diálogos epistemológicos em Foucault e Heidegger. Logeion: filosofia da informação, [em linha]. 2021. vol. 7, p. 24-43. [Acesso em 21 junho 2021]. 10.21728/logeion.2021v7n2.p24-43. Disponível em: http://revista.ibict.br/fiinf/article/view/5654/5224

MESGRAVIS, Laima. 2015. História do Brasil colônia. São Paulo: Contexto.

MIGNOLO, Walter. 2007. La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Editorial Gedisa Blackwell Publishing.

ONU. ACNUR. 2011. Manual de Procedimentos e Critérios para a Determinação da Condição de Refugiado [Acesso em 20 junho 2021]. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2018/02/Manual_de_procedimentos_e_crit%C3%A9rios_para_a_determina%C3%A7%C3%A3o_da_condi%C3%A7%C3%A3o_de_refugiado.pdf.

PEDRO, Antonio, LIMA, Lizânias de Souza, CARVALHO, Yone de. 2005. História do Mundo Ocidental. São Paulo: FTD.

QUIJANO, Aníbal. 2005. Colonialidade do poder eurocentrismo e América Latina. Em: LANDER, Edgardo, org. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clasco.

REZNIK, Luis. 2020. História da Imigração no Brasil. São Paulo: FGV.

SILVA, Maria dos Remédios da, FUJITA, Mariângela Spotti Lopes. 2004. A prática de indexação. Análise da evolução de tendências teóricas e metodológicas. Transiformação. 2004. vol. 16 no. 2, p. 131-161.

ZENG, Marcia Lei. 2008. Knowledge organization systems (KOS). Knowledge Organization, 2008, vol. 35, nos. 2-3, p. 160-182.

Downloads

Publicado

30/11/2021

Como citar

Mello, M. R. G. de, & Martínez-Ávila, D. (2021). Colonialidade, classificação e poder. Liinc Em Revista, 17(2), e5770. Recuperado de https://revista.ibict.br/liinc/article/view/5770

Edição

Seção

Decolonialidade e Ciência da Informação: veredas dialógicas