WhatsApp, desinformação e infodemia: o “inimigo” criptografado

Autores

  • Gustavo Teixeira de Faria Pereira Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0002-5185-284X
  • Iluska Maria da Silva Coutinho Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5597-9453

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v18i1.5916

Palavras-chave:

Desinformação, WhatsApp, Infodemia, Covid-19, Gabinete do ´Ódio

Resumo

Em meio à pandemia da Covid-19 a questão da informação ganhou centralidade no Brasil, já que notícias falsas sobre o vírus e a negação da ciência podem levar pessoas à morte. Observou-se que elevado número de “fake news” divulgadas, mesmo em um assunto tão delicado, contribuiu para a criação de um ambiente social de infodemia e desinformação. Nesse artigo a proposta é realizar uma reflexão sobre o tensionamento informação/desinformação, potencializado com a popularização da internet e das redes sociais digitais. O foco do estudo empírico é o chamado “Gabinete do Ódio” e as circulações a ele associadas que ocorreram por meio do aplicativo de conversas WhatsApp. Para isso, recorre-se em termos metodológicos à Pesquisa Documental (Gil, 2008), tendo como universo de pesquisa sites on-line que fornecerão a materialidade da investigação e vídeos veiculados em telejornais da Rede Globo com temáticas relacionadas ao WhatsApp, Gabinete do Ódio e notícias falsas. Para o tratamento desse material será utilizada a Análise da Materialidade Audiovisual (Coutinho, 2016; 2018), método de investigação que busca compreender as complexidades de conteúdos telejornalísticos como uma unidade de texto e paratexto. Os resultados preliminares apontam para as dificuldades de se identificar e mensurar conteúdos falsos propagados no WhatsApp, sendo um dos espaços de maior atuação do Gabinete do Ódio

Biografia do autor

Iluska Maria da Silva Coutinho, Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil

Doutora em Comunicação, Comunicação e Jornalismo.

Referências

ALTARES, G., 2018. A longa história das notícias falsas. El País, Madrid, 18 de jun. 2018. [Acesso em: 23 de março de 2021]. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/06/08/cultura/1528467298_389944.html.

ALLCOTT, H., GENTZKOW, M., 2017. Social Media and Fake News in the 2016 Election. Journal of Economic Perspectives, v. 31, n. 2, p. 211–236. [Acesso em: 31 de março de 2021]. Disponível em: https://web.stanford.edu/~gentzkow/research/fakenews.pdf.

BRUNS, A., 2005. Gatewatching: Collaborative Online News Production. New York. Peter Lang.

CASTELLS, M., 1999. A Sociedade em Rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. 2.ed.; São Paulo: Paz e Terra, v. 1.

COUTINHO, I., 2018. Compreender a estrutura e experimentar o audiovisual: da dramaturgia do telejornalismo à análise da materialidade. In: Emerim, C., Coutinho, I., Finger, C. (orgs.). Epistemologias do telejornalismo brasileiro. Coleção Jornalismo Audiovisual. v. 7. Florianópolis: Insular.

COUTINHO, I., 2016. O telejornalismo narrado nas pesquisas e a busca por cientificidade: A análise da materialidade audiovisual como método possível. Em: 39º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo: USP. [Acesso em: 31 de março de 2021]. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-3118-1.pdf.

COUTINHO, I., 2012. Dramaturgia do telejornalismo: a narrativa da informação em rede e nas emissoras de televisão de Juiz de Fora-MG. Rio de Janeiro: Mauad Editora.

COMSCORE. Relatório "Onde o brasileiro está passando seu tempo online?". ComScore, 12 set. 2019. [Acesso em: 24 de março de 2021]. Disponível em: https://www.comscore.com/por/Insights/Infographics/Onde-o-brasileiro-esta-passando-seu-tempo-online.

DA SILVA, L. J. C., PEREIRA JÚNIOR, A. E. V, 2019. Os saberes da pedagogia no telejornalismo: Paulo Freire e a prática jornalística. Revista FAMECOS, 26(1). [Acesso em: 24 de março de 2021]. Disponível em: https://doi.org/10.15448/1980-3729.2019.1.31212.

ESTADÃO CONTEUDOS, 2019. O que é o “gabinete do ódio”, que virou alvo da CPMI das Fake News. Gazeta do Povo. [Acesso em: 25 de março de 2021]. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/republica/gabinete-do-odio-alvo-cpmi-fake-news/.

FAVA, G.; PERNISA JÚNIOR, C., 2017. Filtro bolha: como tecnologias digitais preditivas transformam a comunicação mediada por computador. Revista Eco-Pós, v. 20, nº. 2. [Acesso em: 23 de março de 2021]. Disponível em: https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/2277.

GARCIA, L. R.; DUARTE, E., 2020. Infodemia: excesso de quantidade em detrimento da qualidade das informações sobre a COVID-19. Epidemiologia e Serviços da Saúde. Brasília. [Acesso em: 22 de março de 2021]. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ress/2020.v29n4/e2020186/.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª. ed. - São Paulo: Atlas, 2008.

GUTMANN, J., 2009. Articulações entre Dispositivos Televisivos e Valores Jornalísticos na Cena de Apresentação do Jornal Nacional. Em: 32º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Curitiba, UFPR. [Acesso em: 29 de março de 2021]. Disponível em: http://www.intercom.org.br/premios/2009/Gutmann.pdf.

MENESES, J. P., 2018. Sobre a necessidade de conceptualizar o fenómeno das fake news. Observatorio (OBS*), p. 37-53. [Acesso em: 15 de março de 2021]. Disponível em: http://obs.obercom.pt/index.php/obs/article/view/1376.

OLIVEIRA, T., 2020. Desinformação científica em tempos de crise epistêmica: circulação de teorias da conspiração nas plataformas de mídias sociais. Revista Fronteiras – estudos midiáticos. v. 22, n. 1. jan-abr. Unisinos. p. 21-35. [Acesso em: 25 de março de 2021]. DOI: 10.4013/fem.2020.221.03.

PANGRAZIO, L., 2018. What’s New About “Fake News”? Critical Digital Literacies in an Era of Fake News, Post-Truth and Clickbait. Paginas De Educacion, 11(1): 6-22, 2018. [Acesso em: 24 de março de 2021]. DOI: 10.22235/pe.v11i1.1551.

PEREIRA, E. et al, 2019. A Desinformação-Contexto Europeu e Nacional. Lisboa: ERC-Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

PIERRO, B., 2018. O mundo mediado por algoritmos: sistemas lógicos que sustentam os programas de computador têm impacto crescente no cotidiano. Revista Pesquisa Fapesp, n 266, abr. [Acesso em: 15 de março de 2021]. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/o-mundo-mediado-por-algoritmos/.

POSETTI, J.; BONTCHEVA, K., 2020. Disinfodemic: Deciphering COVID-19 disinformation. United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO). [Acesso em: 04 de abril de 2022]. Disponível em: https://en.unesco.org/sites/default/files/disinfodemic_deciphering_covid19_disinfor-mation.pdf.

STRIPHAS, T., 2015. Algorithmic culture. European Journal of Cultural Studies, 18, p. 395–412. [Acesso em: 04 de abril de 2022]. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1367549415577392.

RECUERO, R. C, 2005. Redes Sociais na Internet: Considerações Iniciais. E-Compós, v. 2, 2005. [Acesso em: 15 de março de 2021]. Disponível em: https://doi.org/10.30962/ec.28.

TEIXEIRA, J. F., 1998. Mentes e máquinas: uma introdução à ciência cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas.

WARDLE, C, DERAKHSHAN, H., 2017. Information disorder: Toward an interdisciplinary framework for research and policy making. Council of Europe report, 2017. [Acesso em: 15 de março de 2021]. Disponível em: https://rm.coe.int/information-disordertoward-an-interdisciplinary-framework-for-researc/168076277c.

ZATTAR, M., 2017. Competência em informação e desinformação: critérios de avaliação do conteúdo das fontes de informação. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.13, n.2, nov, p. 285-293. [Acesso em: 15 de março de 2021]. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/4075.

Downloads

Publicado

09/05/2022

Como citar

Pereira, G. T. de F., & Coutinho, I. M. da S. (2022). WhatsApp, desinformação e infodemia: o “inimigo” criptografado. Liinc Em Revista, 18(1), e5916. https://doi.org/10.18617/liinc.v18i1.5916

Edição

Seção

Desafios das Ciências sociais no Antropoceno