Deixadas para morrer: sobre búfalas, desinformação e especismo estrutural

Autores

  • Fabio Alves Gomes de Oliveira Departamento de Ciências Humanas, Instituto do Noroeste Fluminense de Educação Superior, Universidade Federal Fluminense, Santo Antônio de Pádua, RJ, Brasil. Membro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil e do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Universidade Federal Fluminense, Santo Antônio de Pádua, RJ, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0275-6595
  • Érica Quadros do Amaral Sistema de Bibliotecas e Informação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil https://orcid.org/0000-0002-1595-1242

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v18i1.5939

Palavras-chave:

Produção de ignorância, Búfalas de Brotas, Paradoxo da opressão, Agronegócio, Instrumentos de poder

Resumo

Neste artigo, analisamos o caso que ficou conhecido como “Búfalas de Brotas” para introduzir a discussão sobre o conceito de especismo estrutural, situando o especismo como um dos componentes do sistema de opressões. Abordamos o aspecto informacional que envolve o caso por meio das narrativas identificadas na cobertura midiática do acontecimento. Ampliamos o debate para o viés informacional, ressaltando a necessidade da inserção de elementos políticos. Contextualizamos o especismo estrutural como estratégia de elevação do agronegócio que conta com outras instituições de poder como auxiliares no enviesamento da opinião pública, favorecendo a manutenção dos interesses deste setor e sua contínua expansão em detrimento da qualidade de vida de animais não humanos e humanos. Como metodologia, adotamos a revisão bibliográfica, correlacionando o arcabouço teórico dos saberes da Ciência da Informação, Estudos Críticos Animalistas, Ecofeminismos e análise do mencionado caso paradigmático por meio de relatos divulgados pela mídia para apuração da complexa trama que chamamos de “paradoxo da opressão”, envolvendo o movimento de ativismo em defesa da causa animal, a mídia e o agronegócio. Nossas considerações finais nos direcionam ao entendimento do especismo estrutural como um problema de ordem informacional por ser produto de estratégias de desinformação e desempenhar o papel de provimento do senso comum, produção de ignorância e manutenção de estruturas de poder que asseguram sua própria existência como um modo de opressão que impacta animais não humanos e humanos

Biografia do autor

Fabio Alves Gomes de Oliveira, Departamento de Ciências Humanas, Instituto do Noroeste Fluminense de Educação Superior, Universidade Federal Fluminense, Santo Antônio de Pádua, RJ, Brasil. Membro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil e do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Universidade Federal Fluminense, Santo Antônio de Pádua, RJ, Brasil.

Professor Adjunto de Filosofia da Educação junto ao Departamento de Ciências Humanas da Universidade Federal Fluminense; membro permanente do Programa de Pós-Graduacao em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS) da Universidade Federal Fluminense, atuando na linha de pesquisa Bioética e Ética Aplicada; membro permanente do Programa de Pós-Graduacao em Ensino (PPGEn) da Universidade Federal Fluminense, atuando na linha de pesquisa Epistemologias do Cotidiano e Práticas Instituintes. Possui doutorado em Filosofia pela UFRJ (período como pesquisador visitante no Center for Moral, Social and Political Theory da Australian National University - ANU), mestrado em Filosofia e graduações em Administração e Filosofia. Seus temas de interesse e pesquisa giram em torno do debate da Educação, Bioética e Ética Aplicada. É coordenador da Coleção Bordas, junto à Editora Ape´Ku e Editor Adjunto da Revista Diversitates (UFF). Coordena o Laboratório de Ética Ambiental e Animal (LEA). Enquanto colaborador integra o Antígona: Laboratório de Filosofia e Gênero (UFRJ); o Núcleo de Ética Aplicada (NEA) da UFRJ, DEGENERA: Núcleo de Pesquisa e Desconstrução de Gêneros da UERJ; o Grupo de Pesquisa Descoloniais Carolina Maria de Jesus, da UFRJ; e Núcleo de Estudos Interseccionais em Psicologia e Educação (NEIPE) da UFF. É coordenador dos Projetos de Extensão 1) Cinema em Cores: Diversidade na Tela; 2) Cartlhas do LEA; e 3) Oficinas sem Crueldade. 

Érica Quadros do Amaral, Sistema de Bibliotecas e Informação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Doutoranda em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva - PPGBIOS/UFF. Mestra em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação e Ciência em Tecnologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBICT/ UFRJ) (2019) . Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal Fluminense (2010). Especialista em Gestão da Informação (2015). Integrante no grupo CNPq de pesquisa Informação, conhecimento, inovação e sustentabilidade ambiental (ECOInfo) e no grupo CNPq Laboratório de Ética Ambiental e Animal (LEA). Bibliotecária na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde também é membro da Comissão de Sustentabilidade (SiBI -UFRJ).

Referências

ADAMS, Carol J, 2018 A política sexual da carne: uma teoria feminista-vegetariana. São Paulo, SP: Alaúde.

BASÍLIO, Ana Luísa, 2021. A luta para salvar a vida dos 1000 búfalos abandonados para morrer em Brotas. Carta Capital [em linha]. [Acesso em 5 março 2022]. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/a-luta-para-salvar-a-vida-dos-1-000-bufalos-abandonados-para-morrer-em-brotas/

BEZERRA, Arthur, SCHNEIDER, Marco e BRISOLA, Anna, 2017. Pensamento reflexivo e gosto informacional: disposições para competência crítica em informação. Informação & Sociedade [em linha] . 2017. João Pessoa, vol. 27, no. 1, p. 7. [Acesso em 8 março 2022]. Disponível em: https://brapci.inf.br/_repositorio/2017/05/pdf_38ddbfab4c_0000023134.pdf.

BOURDIEU, Pierre. 1997. O uso social da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo, SP: UNESP.

BRITO, Vladimir, PINHEIRO, Marta Macedo Kerr, 2015. Poder informacional e desinformação. Em: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação [em linha], vol. 8. 2015. [Acesso em 8 março 2022] Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/enancib2015/enancib2015/paper/view/2677.

BÚFALAS de Brotas: ativistas criam formulário online para organizar ida de voluntários à fazenda, 2021. G1. [em linha], 26 nov 2021. [acesso em 4 março 2022]. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2021/11/26/bufalas-de-brotas-ativistas-criam-formulario-online-para-organizar-ida-de-voluntarios-a-fazenda.ghtml. Acesso em: 4 mar 2022.

CAMPELLO, Bernadete Santos, 2009. Letramento informacional: função educativa do bibliotecário na escola. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

CAPURRO, Rafael, HJORLAND, Birger, 2007. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação [em linha], vol. 12, no. 1, p. 148-207, 2007.[Acesso em 9 março 2022]. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/54.

CASO das Búfalas de Brotas é uma exceção à normalidade da pecuária, diz Faesp. Canal Rural. [em linha], 3 dez 2021. Disponível em: https://www.canalrural.com.br/noticias/caso-das-bufalas-de-brotas-e-uma-excecao-a-normalidade-da-pecuaria-diz-faesp/.

CASTELLS, Manuel, 2015. O poder da comunicação. Rio de Janeiro, RJ: Paz & Terra.

GERALDO, Genilson, PINTO, Marli Dias de Souza, 2021. Aspectos epistemológicos da Ciência da Informação e a construção conceitual da sustentabilidade informacional. Em: BARBALHO, Célia Regina Simonetti; INOMATA, Danielly Oliveira; FERNANDRES, Tatiana Brandão. Sustentabilidade informacional e ecossistemas de conhecimento. [em linha]. Manaus: Edua, 2021. E-book. (229 p.) [Acesso em 5 março 2022]. Disponível em: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5856.

González de Gómez, M. N, 2012. Regime de informação: construção de um conceito. Informação &Amp; Sociedade: Estudos [em linha]. n. 22(3). [Acesso em 5 março 2022] Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/14376

GRUEN, Lori, 2009. The faces of animal oppression. Em: Ferguson, Ann., Nagel, Mechthild. Dancing with Iris. Oxford Press.

HJARVARD, Stig, 2012. Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural. Matrizes [em linha]. ano 5, no. 2, São Paulo. p. 53-91, 2012.[Acesso em 5 março 2022]. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/38327.

HORTA, Oscar. 2020. Qué es el especismo? Devenires, xxi, 41.

LATOUR, Bruno, 2014. Para distinguir amigos e inimigos no tempo do Antropoceno. [em linha]. Revista De Antropologia [em linha] n.57(1), p. 11-31. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.87702. [Acesso em 7 março de 2022]. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/87702

LÖWY, Michael, 2012. Crise ecológica e crise de civilização: a alternativa ecossocialista. In: Lená, Philippe; Nascimento, Elimar Pinheiro do (Orgs.) Enfrentando os limites do crescimento: sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. Rio de Janeiro, RJ: Garamond.

MARX, Karl, ENGELS, Friedrich 2009. A ideologia alemã. São Paulo, SP: Martins Fontes.

MONTFORD, Kelly Struthers; TAYLOR, Chloe, 2020. Colonialism and animality: na introduction. Em: MONTFORD, Kelly Struthers; TAYLOR, Chloe. (ed.). Colonialism and animality: anti-colonial perspectives in critical animal studies. Routledge: Nova York.

NOSKE, Barbara, 1989. Humans and Other Animals: Beyond the Boundaries of Anthropology. Pluto Press.

OLIVEIRA, Fabio A. G.; ROSENDO, Daniela, 2020. O descuido como uma forma de injustiça: contribuições a partir de olhares ecofeministas. Revista mais que Amélias [em linha]. ISSN: 2358-758X n.7 [Acesso em 5 março 2022] Disponível em: https://8817bea9-051e-4071-aa02-bb0ea330c83e.filesusr.com/ugd/cafbb5_cbd3c589764443758f230040c96d7a34.pdf.

OLIVEIRA, Fabio A.G, 2021. Especismo estrutural: os animais não humanos como um grupo oprimido. [em linha]. Em: PARENTE, Ádna; DANNER, Fernando; SILVA, Maria Alice da (orgs). Animalidades: fundamentos, aplicações e desafios contemporâneos, 2021. [Acesso em 4 março de 2022] Disponível em: https://www.editorafi.org/268animalidades. DOI 10.22350/9786559172689.

POTTS, Annie, 2016. What is Meat Cultura? Em: POTTS, Annie. Meat culture. Boston: Brill.

REGAN, Tom, 2006. Jaulas vazias. São Paulo, SP: Lugano.

ROBINSON, Margaret, 2020. Veganism and Mi’knaq legends. Em: MONTFORD, Kelly Struthers; TAYLOR, Chloe (ed.). Colonialism and animality: anti-colonial perspectives in critical animal studies. Routledge: Nova York.

SCHNEIDER, Marco., 2019. CCI/7: Competência crítica em informação (em 7 níveis) como dispositivo de combate a pós-verdade. Em: BEZERRA, Arthur Coelho. Ikritika: Estudos críticos em informação. Rio de Janeiro, RJ: Garamond,

SHUKIN, Nicole, 2009. Animal Capital: rendering life in biopolitical times. Minnesota: University of Minnesota.

SILVA, Taís Elaine da, 2021. Nas tramas da desinformação: a indústria cultural a serviço da legitimação do agronegócio brasileiro. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação. Rio de Janeiro, RJ: IBICT/UFRJ.

SINGER, Peter, 2013. Libertação animal: o clássico definitivo sobre o movimento pelos direitos dos animais. São Paulo, SP: Martins Fontes.

VILARINO, Cleyton, SILVA, Elaine, 2021. Além de crime ambiental, caso das búfalas de Brotas deve ter investigação de crime contra a saúde pública, diz delegado. Canal Rural [em linha]. 30 nov 2021. Criação. [Acesso em 4 março de 2022]. Disponível em: https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Criacao/noticia/2021/11/caso-das-bufalas-de-brotas-deve-ter-investigacao-de-crime-contra-saude-publica-diz-delegado.html.

YOUNG, Iris, 1988. Five faces of oppression. The Philosophical Forum. Volume XIX, No. 4, Summer.

Downloads

Publicado

27/04/2022

Como citar

Oliveira, F. A. G. de, & Amaral, Érica Q. do. (2022). Deixadas para morrer: sobre búfalas, desinformação e especismo estrutural. Liinc Em Revista, 18(1), e5939. https://doi.org/10.18617/liinc.v18i1.5939

Edição

Seção

Desafios das Ciências sociais no Antropoceno