Os afetos nos artefatos da razão: caminhos críticos da verdade no Antropoceno

Autores

  • Fernanda do Valle Galvão Debetto Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4156-027X
  • Vinícios Souza de Menezes Departamento de Biblioteconomia, Universidade Federal do Sergipe, Aracaju, SE, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4511-4477
  • Gustavo Silva Saldanha Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil ; Departamento de Biblioteconomia, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7679-8552

Palavras-chave:

Racionalidade, Afetividade, Verdade, Negacionismo, Antropoceno

Resumo

Trata-se de uma reflexão teórica sobre a noção de verdade objetiva associada ao artefato-linguagem “livro” (em sua ampla expressão histórica, para além do códice vegetal) como mediador determinista do conhecimento. O artigo focaliza o negacionismo científico no Antropoceno como um dos frutos do paradigma científico que contrapõe razão e afetividade, um problema ontológico da linguagem, de onde nasce a Ciência da Informação. O início do Antropoceno aqui se confunde com a máquina de reprodutibilidade da natureza encapsulada no livro, a partir do século XV. Como ciência social responsável pela organização, classificação e circulação dos saberes científicos oficializados, sua fundação - baseada no fetichismo da técnica como solução para o progresso - se mantém como um dos desafios a serem superados na contemporaneidade. Para o diálogo, parte-se da teoria trans-histórica de Lev Vygotsky, da noção de ruptura epistemológica em Bachelard e do conceito de tecnologia em Álvaro Vieira Pinto

Biografia do autor

Fernanda do Valle Galvão Debetto, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Doutoranda e mestre pelo PPGCI IBICT-UFRJ. Especialista em Marketing e Design Digital (ESPM). Bacharel em Comunicação Social (UNESA). Bolsista de Doutorado do CNPq-Brasil. 

Vinícios Souza de Menezes, Departamento de Biblioteconomia, Universidade Federal do Sergipe, Aracaju, SE, Brasil

Doutor em Ciência da Informação (IBICT-UFRJ), Mestre em Ciência da Informação (UFBA), Bacharel em Biblioteconomia (UFBA). Professor do Departamento de Biblioteconomia da Universidade Federal do Sergipe (UFS).

Gustavo Silva Saldanha, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil ; Departamento de Biblioteconomia, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Doutor em Ciência da Informação (IBICT-UFRJ). Mestre em Ciência da Informação (UFMG). Especialista em Filosofia Medieval (Faculdade de São Bento). Bacharel em Biblioteconomia (UFMG). Pesquisador do IBICT e Professor Adjunto da UNIRIO.

Referências

ABBAGNANO, Nicola, 2007. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.

AGAMBEN, Giorgio, 2007. La potencia del pensamiento: ensayos y conferencias. Buenos Aires: Adriana Hidalgo Editora.

ARAÚJO, Ávila Carlos Aberto, 2021. Novos desafios epistemológicos para a ciência da informação. In. Palabra Clave (La Plata), vol. 10, núm. 2, 2021. [Acesso em: 06 mar. 2022]. DOI: https://doi.org/10.24215/18539912e116 Disponível em: Novos desafios epistemológicos para a ciência da informação | Palabra Clave (La Plata) (unlp.edu.ar)

ARAÚJO, Ávila Carlos Alberto, 2018. O que é Ciência da Informação?. Belo Horizonte: KMA.

BACHELARD, GASTON, 2005. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto.

BEZERRA, Arthur; SCHNEIDER, Marco; PIMENTA, Ricardo M.; SALDANHA, Gustavo, 2019. iKrítika: estudos críticos em informação. Rio de Janeiro: Garamond.

CASSIN, Barbara, 2015. Se Parmênides: o tratado de Melisso, Xenophane, Gorgia. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

COSTA, Alyne de Castro, 2021. Negacionistas são os outros? Verdade, engano e interesse na era da pós-verdade. In. PRINCIPIA, 25(2), p. 305–334. [Acesso em: 04 mar. 2022]. DOI: 10.5007/1808-1711.2021.e79698 Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/8186610.pdf

DAMASIO, Antonio, 2015. O mistério da consciência: do corpo e das emoções ao conhecimento de si. São Paulo: Companhia das Letras.

DANOWSKI, Débora; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo, 2014. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie – Instituto Socioambiental.

DERRIDA, Jacques, 2005. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras.

HARAWAY, Donna, 2016. Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno:fazendo parentes. In. ClimaCom Cultura Científica - pesquisa, jornalismo e arte Ι Ano 3 - N. 5, Abril de 2016, ISSN 2359-4705. [Acesso em: 04 mar. 2022]. Disponível em: Antropoceno, Capitaloceno, Plantationoceno, Chthuluceno: fazendo parentes* | ClimaCom (mudancasclimaticas.net.br)

HELLER, Agnes, 2014. O cotidiano e a história. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

HORKHEIMER, Max, 2015. O eclipse da razão. São Paulo: Editora UNESP.

LATOUR, Bruno, 2014. Para distinguir amigos e inimigos no tempo do Antropoceno. In. Revista De Antropologia, 57(1), 11-31. [Acesso em: 06 mar. 2022]. DOI: https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.87702 Disponível em: Para distinguir amigos e inimigos no tempo do Antropoceno | Revista de Antropologia (usp.br)

LE BRETON, David, 2016. Antropologia dos sentidos. Petrópolis: Editora Vozes.

LURIA, Alexander, 1992. A construção da mente. São Paulo: Ícone.

MOLON, Susana Inês, 2015. Subjetividade e constituição do sujeito em Vygotsky. Petrópolis: Editora Vozes.

MOSTAFA, Solange Puntel,1985. Epistemologia da Biblioteconomia. Tese (Doutorado em Filosofia da Educação). Pontifícia Universidade de São Paulo. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/10705. Acesso em: 05 mai. 2022.

NIETZSCHE, Friedrich, 2008. A vontade de poder. Rio de Janeiro: Contraponto.

PARMÊNIDES; XENÓFANES. Filósofos épicos I: Parmênides e Xenófanes, fragmentos. Edição do texto grego, tradução e comentários Fernando Santoro; revisão científica Néstor Cordero. Rio de Janeiro: Hexis - Fundação Biblioteca Nacional, 2011.

PLATÃO, 2000. Fedro (ou da Beleza). Lisboa: Guimarães Editores.

ROUBAKINE, Nicolas, 1998. Introduction a la psychologie bibliologique, v.1. Sofia: Association Internacionale de Bibliologie.

SALDANHA, Gustavo, 2020. Ciência da Informação: crítica epistemológica e historiográfica. Rio de Janeiro: IBICT.

SCHRADER, Alvin, 1983. Toward a theory of Library and Information Science. 1014f. Tese. (PhD in Library and Information Science). Indiana University, IN.

VIEIRA PINTO, Álvaro, 2005. O conceito de tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto.

VYGOTSKY, Lev, 1991. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

VYGOTSKY, Lev, 1991. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

VYGOTSKY, Lev, 1996. O significado histórico da crise da psicologia: uma investigação metodológica. São Paulo: Martins Fontes.

WHITE, Hayden, 2019. Meta-história: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

20/05/2022

Como citar

Debetto, F. do V. G., Menezes, V. S. de, & Saldanha, G. S. (2022). Os afetos nos artefatos da razão: caminhos críticos da verdade no Antropoceno. Liinc Em Revista, 18(1), e5946. Recuperado de https://revista.ibict.br/liinc/article/view/5946

Edição

Seção

Desafios das Ciências sociais no Antropoceno