Trabalho, emprego e renda na era da plataformização digital: o caso dos trabalhos de cuidado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v18i2.6011

Palavras-chave:

plataformização digital, economia digital feminista, relações de gênero, trabalhos de cuidado

Resumo

O presente artigo busca tecer linhas preliminares acerca dos trabalhos de cuidado na era da “plataformização digital”. A partir da revisão de conceitos, desde as relações laborais com o gênero até a economia digital (sob uma perspectiva feminista marxista) e suas imbricações com o mercado de trabalho de cuidado, objetiva-se analisar de que forma a plataformização digital atua nos casos de trabalhos de cuidado. Como metodologia de análise, após a construção do referencial teórico, utiliza-se da observação de duas plataformas digitais que disponibilizam, no Brasil, serviços de cuidado de forma autônoma, sendo essa observação confrontada com dados já produzidos (dados secundários) acerca da presença feminina no mercado de trabalho, formal e informal. Os resultados obtidos demonstram que a plataformização dos trabalhos de cuidado incrementa as disparidades de remuneração e gênero, já há muito existentes nas relações capitalistas de produção e consumo, tendo em vista que acentuam desigualdades de gênero, classe e raça. Conclui-se, ao final, que a falta de regulamentação dos mercados digitais serve de catalisador da precariedade laboral feminina, impedindo o desenvolvimento econômico e social rumo à valorização profissional

Referências

ABÍLIO, Ludmila Coshtek, 2021. Uberização: manicures, motoboys e a gestão da sobrevivência. Em: Léa MARQUES, ed. Trajetórias da informalidade no Brasil contemporâneo. São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo, p. 173-190.

ABREU, Angélica Kely, 2021. O trabalho doméstico remunerado: um espaço racializado. Em: Luana PINHEIRO, Carolina TOKARSKI, Anne Caroline POSTHUMA, eds. Entre relações de cuidado e vivências de vulnerabilidade: dilemas e desafios para o trabalho doméstico e de cuidados remunerado no Brasil. Brasília, DF: OIT. p. 47-66.

ANTUNES, Ricardo, 2018. O Privilégio da Servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo.

BOLAÑO, César Ricardo Siqueira, 2015. Digitalisation and Labour: A Rejoinder to Christian Fuchs. triple: Capitalism, Communication & Critique. [online]. 13(1) [citado 2022-10-31], p. 79-83. Disponível em: https://doi.org/10.31269/triplec.v13i1.666.

BIROLI, Flávia, 2016. Divisão Sexual do Trabalho e Democracia. Dados. [online]. 59(3) [citado 2022-10-31], p. 719-754. Disponível em: https://doi.org/10.1590/00115258201690.

BRUSCHINI, Maria Cristina A. e RICOLDI, Arlene Martinez, 2009. Família e trabalho: difícil conciliação para mães trabalhadoras de baixa renda. Cad. Pesqui. [online], vol.39, n.136 [citado 2022-10-31], p. 93-123. Disponível em: <http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742009000100006&lng=pt&nrm=iso>.

DRUCK, Graça, 2011. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH [online]. 24(1) [citado 2022-10-31], p. 37-57. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-49792011000400004.

FASSIN, Didier, 2005. Compassion and repression: the moral economy of immigration policies in france. Cultural Anthropology [online]. 20(3) [citado 2022-10-31], p. 362-387. Disponível em: https://doi.org/10.1525/can.2005.20.3.362.

FEDERICI, Silvia, 2019. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo, SP: Editora Elefante.

FRANCO, David Silva e FERRAZ, Deise Luiza da Silva, 2019. Uberização do trabalho e acumulação capitalista. Cad. EBAPE.BR [online], v. 17, Edição Especial [citado 2022-10-31]. p. 844-856. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1679-395176936.

FUCHS, Christian, 2015. Against Divisiveness: Digital Workers of the World Unite! A Rejointer to César Bolaño and Eloy Vieira. Television & New Media [online], v. 16(1) [citado 2022-10-31], p. 62-71. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1527476414528053.

GAIGER, Luiz Inácio Germany, 2008. A economia solidária e o valor das relações sociais vinculantes. Revista Katálysis [linha], v. 11, n. 1 [citado 2022-10-31], p. 11-19. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rk/a/Rpq7Gp3mrwqVhqGst7LGK7j/?format=pdf&lang=pt.

GETNINJAS, 2022. Precisando de profissionais em serviços domésticos?. Em: GetNinjas [citado 2022-10-31]. Disponível em: https://www.getninjas.com.br/familia.

GOIS, Évelin Lorenna Paixão, 2017. Gênero e economia dos cuidados no âmbito da divisão sexual do trabalho: uma discussão introdutória. Revista Eletrônica Mutações [citado 2022-10-31], jul-dez 2017. Disponível em: www.periodicos.ufam.edu.br.

GRAHAM, Mark e ANWAR, Mohammad Amir, 2018. “Digital Labour”. Em: GRAHAM, Mark, org. Digital Geographies. London: Sage.

GROHMANN, Rafael, 2020. Plataformização do trabalho: entre dataficação, financeirização e racionalidade neoliberal. Revista Eletrônica Internacional de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura [online], v. 22, n. 1 [citado 2022-10-31], p. 106-122. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/eptic/article/view/12188/10214.

HARTMANN, H. et al, 2019. Women, Automation and the Future of Work [citado 2022-10-31]. Disponível em: https://www.jpmorganchase.com/content/dam/jpmc/jpmorgan-chase-and-co/documents/women-automation-future-of-work.pdf.

HOCHSCHILD, Arile, 2003. The Commercialization of Intimate Life. Berkeley: University of California Press.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2019. Pesquisa

Nacional por Amostra de Domicílios contínua (PNAD) 2019 [citado 2022-10-31]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/135statísticas/sociais/.

JARRETT, Kylie, 2014. The relevance of “women’s work” social reproduction and immaterial labor in digital media. Television & new media [online], v. 15, n. 1, [citado 2022-10-31], p. 14-29, Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/1527476413487607.

KALIL, Renan Bernardi, 2019. Capitalismo de Plataforma e Direito do Trabalho: crowdwork e trabalho sob demanda por meio de aplicativos. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

KON, Anita, 2016. A economia do trabalho: qualificação e segmentação no Brasil. Rio de Janeiro: Atlas Books.

KERGOAT, Danièle, 2016. O cuidado e a imbricação das relações sociais. Em: ABREU, Alice Rangel; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa (orgs). Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo.

LIRA; Luana Pinheiro Fernanda, REZENDE, Marcela e FONTOURA, Natália, 2019. Texto para discussão 2528: Os desafios do passado no trabalho doméstico do século XXI. Brasília: Rio de Janeiro: IPEA.

MARX, Karl, 2013. O Capital: o processo de produção do capital (Livro I). São Paulo: Boitempo.

PARAFUZO, 2022. O jeito mais fácil de cuidar do seu lar. Em: Parafuzo [citado 2022-10-31]. Disponível em: https://parafuzo.com.

RAGO, Margareth, 1999. Trabalho feminino e sexualidade. In: PRIORE, Mary Del (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Cortez.

RAZAVI, Shara, 2007. The political and social economy of care in a development context. Conceptual issues, research questions and policy options. Gender and Development Programme. Geneva: UNRISD.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani, 1978. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes.

SCHIOCHET, Walmor, 2009. “Políticas Públicas”. Em: CATTANI, Antonio David. Dicionário internacional da outra economia. São Paulo: Almedina.

SENADO FEDERAL, 2022. Salário-mínimo de R$ 1.212 é promulgado. Em: Senado Federal [citado 2022-10-31]. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2022/06/02/salario-minimo-de-r-1-212-e-promulgado.

VAN DOORN, Niels, 2017. Platform Labor: on the gendered and racialized exploitation of low-income service work in the ‘on-demand’ economy. Information, Communication & Society [online], v. 20, n. 6, [citado 2022-10-31] p. 898-914.Disponível em: https://doi.org/10.1080/1369118X.2017.1294194.

WALBY, Sylvia, 1990. Theorizing Patriarchy. Oxford, Basil Blackwell.

Downloads

Publicado

02/11/2022

Edição

Seção

O papel dos algoritmos e das plataformas digitais em contextos sociopolíticos

Como Citar

Trabalho, emprego e renda na era da plataformização digital: o caso dos trabalhos de cuidado. Liinc em Revista, [S. l.], v. 18, n. 2, p. e6011, 2022. DOI: 10.18617/liinc.v18i2.6011. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/6011.. Acesso em: 17 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 629

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.