Deram uma genitália para a Barbie, e agora?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v19i2.6584

Palavras-chave:

Guerras-Culturais, Utopia, Barbie, Entretenimento

Resumo

Este artigo se propõe a compreender a relação entre os termos guerras culturais e utopia no campo do entretenimento por intermédio do filme “Barbie”. A repercussão da produção cinematográfica norte-americana “Barbie” jogou luz sobre a possibilidade de um produto cultural impactar distintas instâncias sociais. Ao mesmo tempo, o filme apareceu na mídia como uma tentativa de resolver o problema da obsolescência da boneca no contexto atual. A ambiguidade das impressões geradas por “Barbie”, o impacto estético e a respectiva abordagem de temas como sexismo e patriarcado pela produção hollywoodiana serão os elementos aqui utilizados para compreendermos o sentido e o espaço ocupado por ideias como utopia e guerras culturais na sociedade contemporânea

Referências

ARENDT, Hannah, 2017. A condição humana. Tradução: Roberto Raposo. Revisão técnica e apresentação: Adriano Correia. Rio de Janeiro, Brasil: Editora Forense Universitária.

BAUDRILLARD, J., 1991. Simulacros e simulações. Tradução: Maria João da Costa Pereira. Lisboa, Portugal: Editora Relógio d’Água.

BENEDITO, Mouzar, 2008. Cultura inútil: Para que serve a utopia?. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2019/01/16/cultura-inutil-para-que-serve-a-utopia/

BOURDIEU, Pierre, 2008. Razões práticas sobre a teoria da ação. Tradução: Mariza Corrêa. 9. ed. Campinas, Brasil: Editora Papirus.

CASTRO, S, 2020. Feminismo decolonial: origem e ideias centrais. [Internet], 2020. Revista Princípios. CULT, São Paulo, Brasil: Departamento de filosofia UFRN, 5 out. 2020. 12 p. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/feminismo-decolonial-origem-e-ideias/

CHAUI, Marilena, 2004. Convite à filosofia. 13. ed., 2. impr. São Paulo, Brasil: Editora Ática.

CHAUI, Marilena, 2006a. Simulacro e poder. Uma análise da mídia. São Paulo, Brasil: Editora Fundação Perseu Abramo.

CHAUI, Marilena, 2002b. Introdução à história de filosofia. Dos pré-socráticos a Aristóteles. 2. ed. rev. ampl. São Paulo: Editora Companhia das Letras.

CHAUI, Marilena, 2008. Notas sobre Utopia. Cienc. Cult. [online]. 2008, vol.60, n.spe1 [cited 2023-08-12], pp.7-12. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252008000500003&lng=en&nrm=iso ISSN 0009-6725.

CHAUI, Marilena,2014. Conformismo e resistência. São Paulo, Brasil: Editora Fundação Perseu Abramo.

COLZANI, Evandro, 2012. A juventude e a ditadura militar de 1964. Disponível em: https://www.marxismo.org.br/a-juventude-e-a-ditadura-militar-de-64/

DICIONÁRIO DE LATIM (livro eletrônico) termos e expressões, 2020. Supervisão ed.: Jaie Lot Vieira. Revisão técnica: Alexandre Hasegawa. São Paulo: Editora Edipro.

FABBRINI, R. N., 2016. Imagem e enigma. Viso: Cadernos de Estética Aplicada, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, v. 19, p. 241-262. DOI: https://doi.org/10.22409/1981-4062/v19i/245

GUAGLIANONE, F., 2023. Neoliberalismo y feminismos: una aproximación al problema desde las nociones de tecnología móvil y promesa neoliberal. Astrolabio, (31), 1–22. https://doi.org/10.55441/1668.7515.n31.39052

HARVEY, D., 2014. O neoliberalismo: história e implicações. Tradução: Adail Sobral, Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola.

hooks, bell, 2018. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 1. Ed. Tradução Ana Luiza Libânio. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos.

hooks, bell. 2019. Olhares negros: raça e representação. Tradução: Stephanie Borges. São Paulo: Editora Elefante.

JAMESON, Fredric, 1985. Pós-modernidade e sociedade de consumo. Tradução Vinícius Dantas. São Paulo, Brasil: Revista Novos Estudos CEBRAP.

LANDA, M. I., CALAFELL Sala, N., & HIJÓS, N., 2023. Editorial. Astrolabio Nueva Época, N° 31: El posfeminismo neoliberal y los activismos feministas en la coyuntura capitalista y pandémica actual. Astrolabio, (31), I-VIII. https://doi.org/10.55441/1668.7515.n31.41982

MARTÍN-BARBERO, J., 1997. Dos meios às mediaçes: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ.

MARX, Karl, 2013. O capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. Tradução: Rubens Enderle. São Paulo, Brasil: Boitempo Editorial.

TEIXEIRA COELHO, 1982. O que é utopia. São Paulo, Brasil: Coleção Primeiros Passos.

Downloads

Publicado

30/11/2023

Edição

Seção

Guerras Culturais: Informação, Política e Disputas Simbólicas

Como Citar

Deram uma genitália para a Barbie, e agora?. Liinc em Revista, [S. l.], v. 19, n. 2, p. e6584, 2023. DOI: 10.18617/liinc.v19i2.6584. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/6584.. Acesso em: 22 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 56

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.