Autoridades cognitivas versus autoridades eclesiásticas e espirituais: as comunidades evangélicas brasileiras e a desinformação

Autores

  • Márcia Feijão de Figueiredo Departamento de Processos Técnico-Documentais, Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil https://orcid.org/0000-0002-2341-6637
  • Marianna Zattar Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação, Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0002-3328-3591

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v19i2.6628

Palavras-chave:

Autoridade cognitiva, Autoridade religiosa, Comunidade evangélica, Desinformação

Resumo

Esse texto tem por objetivo estabelecer um diálogo sobre o conceito de autoridade cognitiva a partir da comunidade evangélica brasileira e suas autoridades eclesiásticas e espirituais para compreender o fenômeno da desinformação nesse segmento. Para essa reflexão apresenta dados sobre o crescimento exponencial desse grupo nas últimas décadas, o tratamento utilizado durante esse período pela mídia tradicional e, em contraponto, uma pesquisa do Instituto de Estudos da Religião com tópicos elencados por mulheres sobre a relação com a igreja. Em seguida, descreve os conceitos utilizados nas comunidades evangélicas para as autoridades eclesiásticas, que podem ser atribuídas através de cargos administrativos, a autoridade espiritual, que se estabelece através do reconhecimento dos membros sem possuir cargo formalizado e, nos ambientes digitais, a ascensão de autoridades espirituais como influenciadores e youtubers, que detém junto às comunidades liderança dentro e fora das igrejas. A partir desse contexto aponta-se o uso do conceito de autoridade cognitiva e suas novas categorias, a saber: as autoridades cognitivas genuínas a as pseudo autoridades cognitivas. Estabelece como tais autoridades fazem sentido nas relações entre autoridades religiosas e a comunidade evangélica. Para finalizar, o artigo aponta as primeiras observações sobre a relevância dessas autoridades, vistas pelos membros como fontes confiáveis de informação e a necessidade de criar uma agenda de pesquisa aprofundando os estudos no campo de estudos da informação, especialmente da ética da informação sobre a desinformação nas comunidades evangélicas brasileiras

Biografia do Autor

  • Marianna Zattar, Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação, Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

    Curso de Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação, Faculdade de Administração e Ciências Contábeis, Centro de Ciência Jurídicas e Econômicas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Referências

ARAÚJO, Victor, 2023. Surgimento, trajetória e expansão das igrejas evangélicas no território brasileiro ao longo do último século (1920-2019). Nota Técnica do Centro de Estudos da Metrópole, Universidade de São Paulo, 17 maio 2023. [Acesso em 31 julho 2023]. Disponível em: https://centrodametropole.fflch.usp.br/sites/centrodametropole.fflch.usp.br/files/cem_na_midia_anexos/NT20.pdf. DOI: https://doi.org/10.55881/CEM.doc.NTe020

ALVIM, Mariana Freitas, 2022. Os evangélicos segundo a imprensa: discursos e enquadramentos na produção de O Globo e Folha de S. Paulo de 1985 a 2020 [em linha]. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo [Acesso em 19 junho 2023]. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/31007

CERQUEIRA, Carolina, REIS, Daniel, MOLITERNO, Murilo, SAPIO, Marcelo, 2022. Pesquisas erram e divergem dos resultados das urnas. CNN Brasil, 03 out. 2022. [Acesso em 19 julho 2023]. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/politica/resultados-das-urnas-divergem-de-pesquisas-eleitorais/ .

CUNHA, Magali, 2023. As marcas das mídias sociais no voto das mulheres evangélicas. Debates do NER, Porto Alegre, ano 22, no. 42, p. 95-106. [Acesso em 19 junho 2023]. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/debatesdoner/article/view/131025/88215 DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8136.131025

FROEHLICH, Thomas, 2019. The role of pseudo-cognitive authorities and self-deception in the dissemination of fake news. Open Information Science [online], 3, n. 1, p. 115-136. [Acess to 30 june 2023]. Disponible at: https://doi.org/10.1515/opis-2019-0009 DOI: https://doi.org/10.1515/opis-2019-0009

FROELICH, Thomas J., 2017. A Not-So-Brief Account of Current Information Ethics: The Ethics of Ignorance, Missing Information, Misinformation, Disinformation and Other Forms of Deception or Incompetence. BiD: textos universitaris de biblioteconomia i documentación [online]. Dezembro 2017, no. 39. [Acesso em 31 maio 2023]. Disponível em: http://bid.ub.edu/en/39/froehlich.htm

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida, 2022. Orientações contemporáneas da Ciência da Informação: vinculações com a epistemologia social. Museologia & Interdisciplinaridade [em linha], vol. 11, no. 22, p. 179-198. [Acesso em 19 junho 2023]. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/issue/view/2249

INSTITUTO DE ESTUDOS DA RELIGIÃO, 2022. Mulheres evangélicas para além do voto: concepções sobre política e cotidiano. 30 setembro 2022. [Acesso em 19 junho 2023]. Disponível em: https://religiaoepoder.org.br/artigo/mulheres-evangelicas-para-alem-do-voto-concepcoes-sobre-politica-e-cotidiano/

INSTITUTO DE ESTUDOS DA RELIGIÃO. Pesquisa do ISER que relaciona mulheres evangélicas, cotidiano e voto é debatida em revista científica. 04 maio 2023. [Acesso em 02 agosto 2023]. Disponível em: https://religiaoepoder.org.br/artigo/pesquisa-do-iser-que-relaciona-mulheres-evangelicas-cotidiano-e-voto-e-debatida-em-revista-cientifica/

INSTITUTO NUTES de Educação em Ciências e Saúde, 2021. Caminhos da desinformação: evangélicos, fake news e WhatsApp no Brasil: relatório de pesquisa. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto NUTES de Educação em Ciências e Saúde.

JAPIASSU, Hilton; MARCONDES, Danilo, 2015. Dicionário básico de Filosofia. 4. ed. atual. Rio de Janeiro: Zahar.

NOVAES, Regina Reyes, 1998. Apresentação. Em: Rubem César Fernandes et al (eds.). Novo nascimento: os evangélicos em casa, na política e na igreja [em linha]. Rio de Janeiro: MAUAD. [Acesso em 19 junho 2023]. Disponível em: https://iser.org.br/publicacao/novo-nascimento-os-evangelicos-em-casa-na-politica-e-na-igreja/

Painel Corona Vírus, 19 de julho de 2023 [Acesso em 19 julho 2023]. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/

PESTANA, Matheus, 24 agosto 2021. As religiões no Brasil. Religião e Poder [on line]. [Acesso em 20 junho 2023]. Disponível em: https://religiaoepoder.org.br/artigo/a-influencia-das-religioes-no-brasil/.

WILSON, Patrick, 1983. Second-hand knowledge: an inquiry into cognitive authority. Westport, Connecticut: Greenwood Press. ISBN 0-313-23763-8

Downloads

Publicado

01/12/2023

Edição

Seção

Guerras Culturais: Informação, Política e Disputas Simbólicas

Como Citar

Autoridades cognitivas versus autoridades eclesiásticas e espirituais: as comunidades evangélicas brasileiras e a desinformação. Liinc em Revista, [S. l.], v. 19, n. 2, p. e6628, 2023. DOI: 10.18617/liinc.v19i2.6628. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/6628.. Acesso em: 16 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 88

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.