Colonialismo digital e processos de disputas: as mídias como ‘sistemas educativos’ da população

Autores

  • Marília Claudia Favreto Sinãni Departamento de Fundamentos da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5135-9484
  • Aline Accorssi Departamento de Fundamentos da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil https://orcid.org/0000-0001-8361-3475

DOI:

https://doi.org/10.18617/liinc.v19i2.6646

Palavras-chave:

Colonialismo digital, Educação, Organização do conhecimento

Resumo

Com o avanço tecnológico, as práticas de colonialismo passaram por atualizações e adaptaram-se às demandas do sistema capitalista de vigilância na sua dimensão neoliberal. A dinâmica que caracteriza o capitalismo de vigilância e vem organizando a relação ser humano-máquina no século XXI é o colonialismo digital, prática de dominação baseada na extração de dados informacionais e padronização de comportamentos através dos algoritmos, mecanismos invisíveis de controle ideológico. Com o objetivo de discutir a forma que o colonialismo digital vem utilizando as mídias como ‘sistemas educativos’ da população para legitimar processos de disputas, este relato de pesquisa problematiza as relações de poder tensionadas nos meios massivos de comunicação e incita reflexões acerca dos limites e das potencialidades do uso da tecnologia sob uma perspectiva da educação. Para isso, sistematiza estudos sobre a relação entre as mudanças na sociedade da hiperespetacularização e as táticas militares adotadas pelas empresas de tecnologia que tendem a aprofundar o consumismo a nível global, mercantilizando a vida humana. Como resultado, identificou-se que os canais educativos têm sido cada vez mais ampliados pelas tecnologias digitais, mas ao mesmo tempo em que podem contribuir para a luta pela libertação, também favorecem processos de manipulação e controle político, econômico e ideológico, apontando para a necessidade de questionamentos sobre o seu uso na sociedade e a importância de caminhar rumo a descolonização da tecnologia

Referências

BIRHANE, Abeba, 2021. Colonização algorítmica da África. Em: SILVA, Tarcízio, org. Comunidades, algoritmos e ativismos digitais: olhares afrodiaspóricos. São Paulo: LiteraRUA. p. 169-180.

FAUSTINO, Deivid e LIPPOLD, Faustino, 2023. Colonialismo digital: por uma crítica hacker-fanoniana. Rio de Janeiro: Boitempo.

FREIRE, Paulo e GUIMARÃES, Sérgio, 2013. Educar com a mídia: novos diálogos sobre educação. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GROSFOGUEL, Ramón, 2008. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista crítica de ciências sociais. 2008, n. 80, p. 115-147. DOI: https://doi.org/10.4000/rccs.697

DUSSEL, Enrique, 1980. La pedagógica latinoamericana. Bogotá: Nueva América.

DUSSEL, Enrique, 1997. Oito ensaios sobre cultura latino-americana e libertação. São Paulo: Paulinas.

LIPPOLD, Walter e FAUSTINO, Deividson, 2022. Colonialismo digital, racismo e acumulação primitiva de dados. Germinal: marxismo em debate. 2022, vol. 14, n. 2, p. 56-78.

LIPOVETSKY, Gilles e SERROY, Jean, 2015. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras.

MACHADO, Débora Franco, 2021. A colonização dos dados como produtos das operações das mídias sociais no Sul Global. Em: SILVEIRA, Sérgio Amadeu da, SOUZA, Joyce e CASSINO, João Francisco, orgs. Colonialismo de dados: como opera a trincheira algorítmica na guerra neoliberal. São Paulo: Autonomia Literária. p. 53-68.

MARTÍN-BARÓ, Ignacio, 2017. Crítica e libertação na psicologia: estudos psicossociais. Petrópolis: Editora Vozes.

MIRZOEFF, Nicholas, 2016. O direito a olhar. ETD - Educação Temática Digital. 2016, vol. 18, n. 4, p. 745-768. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v18i4.8646472

SCHIAVI, Iara, 2021. As tendências neoliberais e dataficadas da incorporação tecnológica nas cidades. Em: SILVEIRA, Sérgio Amadeu da, SOUZA, Joyce e CASSINO, João Francisco, orgs. Colonialismo de dados: como opera a trincheira algorítmica na guerra neoliberal. São Paulo: Autonomia Literária. p. 150-168.

ZUBOFF, Shoshana, 2020. A era do capitalismo de vigilância. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Downloads

Publicado

30/11/2023

Edição

Seção

Guerras Culturais: Informação, Política e Disputas Simbólicas

Como Citar

Colonialismo digital e processos de disputas: as mídias como ‘sistemas educativos’ da população. Liinc em Revista, [S. l.], v. 19, n. 2, p. e6646, 2023. DOI: 10.18617/liinc.v19i2.6646. Disponível em: https://revista.ibict.br/liinc/article/view/6646.. Acesso em: 22 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 346

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.